Complete o título do filme de Maílson da Nóbrega: “O Brasil Deu Certo. E…”

Complete o título do filme de Maílson da Nóbrega: "O Brasil Deu Certo. E..."

O senso comum afirma: a prova do pudim é comê-lo. A vantagem de defender certas posições é que você nunca precisa passar pela prova do pudim quando ele não dá certo.

 

 

Exemplo simples: Mário Henrique Simonsen foi um grande economista, pensador de questões como inércia inflacionária, e um grande ministro da Fazenda. No governo Geisel, deixou a direção do Mobral (programa responsável pela alfabetização de adultos, sabemos que com grande sucesso, pelo menos no objetivo de limpar o programa das ideias de Paulo Freire que os educadores insistiam em usar) para gerir a economia do país. De 1974 a 1979, a inflação no país cresceu de pouco mais de 20% ao ano quase 80%.

 

Apoie a imprensa independente. Assine a revista Samuel.

 

Exemplo “normal”: o economista Roberto Campos foi sempre o campeão na defesa da empresa privada no país. Em toda a sua vida, participou de um empreendimento do tipo: o Banco União Comercial, que foi à falência em 1974 – e os prejuízos, encampados pelo governos militares, que Campos apoiou desde 1964.

 

Exemplo radical: poucos economistas deram tantas entrevistas e escreveram tantos artigos sobre o risco de a inflação voltar depois de deixar o governo quanto Maílson da Nóbrega. Mas provavelmente nenhum deles poderá carregar no peito a medalha de ter entregue o país a um novo governo com a inflação anual, em 1989, de 1.973% (em março do ano seguinte, ela chegou a 82% ao mês).

 

Maílson idealizou um documentário. Ouviu ex-presidente (FHC, Collor e Sarney; Lula, pelo jeito, achou que não valia a pena), ex-ministros e ex-presidentes do Banco Cental. Chama-se “O Brasil Deu Certo. E Agora?”.

 

Europa: a crise sem fim: tema da Samuel número 8.

 

A pergunta no título parece, pelo trailer, indicar que a dúvida é quanto ao futuro do país. Mas eu me permito perguntar: “Maílson, se o Brasil deu certo, e agora? Como ficam aquele monte de previsões equivocadas que você fez por duas décadas?”

 

Mais provocativamente, eu sugiro um novo título para o filme: “O Brasil Deu Certo. Como É Que Eu Ia Prever?”. Um amigo deu outra sugestão muito boa: “O Brasil Deu Certo. Não Tenho Nada a Ver com Isso.”

 

E você? Tem outra sugestão para “O Brasil Deu Certo. E…”: comente abaixo.