Uma voz judaica no centro do movimento de boicote a Israel

Rebecca Vilkomerson (direita) em julho de 2016 com Caroline Hunter, que fez parte do movimento contra o apartheid na Africa do Sul
Rebecca Vilkomerson (direita) em julho de 2016 com Caroline Hunter, que fez parte do movimento contra o apartheid na Africa do Sul

Entrevista da diretora do Jewish Voice for Peace Rebecca Vilkomerson

Allison Kaplan Sommer

Originalmente publicado em 29 de março de 2017 no Haaretz

Tradução por Iara Haasz

A nova proibição de viajar de Israel, proibindo a entrada de estrangeiros que pedem abertamente um boicote a Israel ou aos assentamentos, evocou uma mistura de pesar pessoal e satisfação profissional para Rebecca Vilkomerson, diretora executiva da Jewish Voice for Peace.

Por um lado, a activista de Brooklyn – que escreveu famosamente o Washington Post-Ed intitulado “Sou judia, e quero que as pessoas boicotem Israel” – diz que se sente “realmente triste. Tenho parentes envelhecendo e pessoas que amo lá, tanto Palestinos como Judeus Israelenses. A idéia de não poder retornar, mesmo para visitar a família – eu vou pelo menos uma vez por ano – é realmente angustiante a nível pessoal “.

Ao mesmo tempo, a notícia da proibição “sentiu como um momento real de realização que Israel está realmente com medo deste movimento e entende que está crescendo”, diz ela. “Tão triste como eu senti, eu também senti como se fosse uma vindicação do [movimento] BDS que cresce em força e poder.”

A organização para a qual Vilkomerson dedicou os últimos oito anos de sua vida não endossa simplesmente boicote, desinvestimento e sanções contra Israel: adota com entusiasmo a tática, trabalhando ativamente para encorajar sua disseminação pelos Estados Unidos em uma série de instituições. Os braços locais da JVP defendem um boicote total de todos os organismos israelenses (comerciais, culturais ou acadêmicos) que contribuem, direta ou indiretamente, para a ocupação e a opressão dos palestinos.

A organização também exige a suspensão da ajuda militar dos EUA a Israel até a ocupação terminar.

1701258429

Membros JVP na Assembléia Geral da Igreja Presbiteriana, quando a igreja votou por desinvestir de empresas cúmplices na ocupação em 2012.

Isso a coloca no extremo esquerdo da comunidade judaica americana organizada. Para muitos grupos populares, moderados e até mesmo de esquerda – e certamente para o governo israelense – a JVP está fora do comum, ajudando e instigando aqueles que prejudicariam, ou mesmo eliminariam Israel se fosse possível.

Vilkomerson rejeita fortemente essa visão e a demonização de sua organização. “Nós vemos o BDS como uma ferramenta não violenta extremamente importante para trazer mudanças,” disse para o Haaretz, na véspera da conferência bianual de JVP que ocorreu em 31 março de 2017.

“Na nossa análise, os Estados Unidos desempenha um papel-chave ao permitir que Israel continue as suas políticas de opressão contra o povo palestino e os EUA usam toda a sua força diplomática, económica e militar para permitir que Israel faça isso. É nosso trabalho como judeus americanos mudar essa equação”, ela afirma.

A seu ver, o BDS é o método mais eficaz até agora de efetuar mudanças. E assim, em conjunto com outros grupos pró-palestinos da esquerda, uma série de empresas, governos e universidades são pressionados a cortar os laços com Israel, ou entidades ligadas à opressão palestina, desde fabricantes de equipamentos até companhias de seguros.

“BDS tem sido incrível para nós”, diz Vilkomerson. Para um grupo como o dela, “uma das grandes belezas” das tácticas de boicote e desinvestimento é a maneira pela qual eles despertam sentimentos de participação de base e dão às pessoas o senso de que há algo concreto que podem fazer a nível local.

3925303721

Protesto no Grand Central Terminal durante a visita de Netanyahu a Trump, em 15 de fevereiro de 2017

 

Os capítulos locais “podem encontrar os melhores alvos, e executar essas campanhas para mudar as coisas localmente”, diz ela. “Então eles estão conectados a uma rede nacional e global de pessoas que estão fazendo a mesma coisa, e essas campanhas reforçam uma outra.” Sua definição de “melhores alvos” para BDS são aquelas companhias ou entidades com “as histórias que mostram realmente o que a ocupação é,” assim que recai a cada capítulo para “escolher um alvo  que os afeta e comove.”

Isso inclui dificultar que acadêmicos afiliados a universidades israelenses participem de conferências, a músicos israelenses e grupos de dança cujos passeios são apoiados pelo estado para mostrar os aspectos positivos de Israel, não importa qual seja a visão política desses indivíduos. “Eu entendo que as pessoas estão experienciando isso como indivíduos e isso é muito doloroso – mas é baseado em instituições”, diz ela.

Desafiando todos os estereótipos

Fluente em hebraico e casada com um israelense com família próxima no Estado Judeu, Vilkomerson desafia qualquer estereótipo da esquerda americana-judaica assimilada, alienada do judaísmo e ignorante da sociedade israelense dominante.

Ela cresceu em uma comunidade judaica conservadora em Princeton, New Jersey. Se algo se destacava sobre sua família judaica, eram seus laços incomumente estreitos com Israel. Sua tia imigrou para Israel nos anos 50 e os avós de Vilkomerson seguiram nos anos 60. Como resultado, Vilkomerson cresceu visitando Israel regularmente e, até hoje, permanece perto de sua tia, tio e primos, alguns dos quais, ela observa, moram na Cisjordânia.

Ela começou a trabalhar como organizadora comunitária na década de 1990 e obteve seu mestrado em política da Johns Hopkins University. Em seus primeiros anos profissionais, porém, ela se concentrou na política doméstica, com algum tempo trabalhando em questões sul-americanas. Ela confessa que, no início, ela “evitou” ativamente casar sua política esquerdista pró-direitos humanos com seu relacionamento com Israel: “Não me senti bem – foi muito difícil”.

3789344627

Marcha conduzida por JVP-Philly em protesto da proibição de viagem muçulmana (Muslim Ban).

Tudo isso mudou com a segunda intifada em 2001. “Acho que há momentos de pico em que jovens judeus começam a pensar nessas coisas. Já ouvi histórias semelhantes de judeus judeus de 22 anos sobre a guerra de Gaza em 2014 “, diz ela.

Foi então que ela girou para o ativismo na frente israelense-palestina. “Eu já tinha um quadro político abrangente em que acreditava. Uma vez que conseguir enfrentar Israel, pude colocá-la nesse quadro”. Ela se juntou à JVP como membro em 2001. Na época, era um pequeno grupo que “se encontrava nas salas de estar das pessoas” na área da Baía de São Francisco, onde vivia e onde conheceu o estudante israelense da Berkeley University que se tornaria seu marido.

Em 2006, eles levaram seus filhos pequenos e se mudaram para Israel por três anos, onde ela melhorou seu hebraico, trabalhou para uma variedade de organizações de direitos humanos e se juntou em protestos e ativismo com grupos como Taayush e Anarquistas Contra o Muro. Em 2009, eles voltaram para os Estados Unidos, se estabeleceram em Brooklyn e ela assumiu o comando da JVP.

Em sua ausência, expandiu-se em uma organização nacional, incorporando outros grupos pequenos em torno do país. Ela se tornou a quarta empregada em tempo integral do grupo, que na época tinha um orçamento de US $ 400.000, diz ela. Cresceu desde então a $ 3.2 milhão, com mais de 70 capítulos regionais e subgrupos múltiplos para estudantes e vários profissionais.

Quando eles realizam sua convenção em Chicago, eles esperam 1.000 participantes (“E há uma lista de espera”, ela aponta). Em contraste, a última conferência, em 2015, atraiu 600.

O evento deste ano fez manchetes devido à sua inclusão de Rasmea Odeh como um dos principais oradores. Odeh, de 69 anos, uma ativista palestina e feminista de Chicago, foi condenada por dois atentados em 1969, mas diz que foi torturada para confessar. Israel libertou Odeh em uma troca de prisioneiros em 1979. Um dia antes de Vilkomerson falar com Haaretz, a notícia quebrou que Odeh concordou em se declarar culpada de acusações de que ela não revelou seu tempo em uma prisão israelense quando ela obteve a cidadania dos EUA e sairá voluntariamente do país. Odeh alegou não ter revelado seu passado por causa do transtorno de estresse pós-traumático.

Em apoio à vítimas de tortura

Vilkomerson disse que apesar das críticas, ela não tem remorsos de haver convidado Odeh, que, de acordo com o que ela sabia ainda iria falar na conferência.

“A maneira que nós a vemos, nós estamos dando boas-vindas a uma mulher que sobreviveu à tortura e à agressão sexual por Israel e fez uma confissão falsa no tribunal militar israelense, e eu penso que deve notar que os tribunais militares [israelenses] têm uma taxa de condenação de 99,7 por cento. A rotulagem dela como alguém que foi condenado por terrorismo permite que a comunidade judaica evite algumas verdades realmente difíceis sobre as formas como Israel trata as pessoas sob seu controle “, diz Vilkomerson. “Rasmea – penso especialmente agora – é um aviso e um lembrete sobre táticas usadas pelos EUA e Israel. [O Presidente Donald] Trump falou sobre querer trazer de volta a tortura … e a tortura que a polícia usou em Chicago contra suspeitos negros está amplamente documentada. Estamos juntos apoiando as vítimas da tortura e contra os torturadores “.

Ela rejeita as acusações de que seu grupo está mostrando, de alguma forma, insensibilidade às vítimas do ataque que Odeh foi condenada por ter participado, convidando – ou negando o pedido do grupo de defesa de Israel StandWithUs de realizar um evento comemorativo para as vítimas do terrorismo israelense conferência. “Em nossa declaração de missão, dizemos que lamentamos a perda de toda a vida e condenamos a violência contra civis. Isso inclui vidas perdidas sob a ocupação, e civis mortos em bombardeios em Jerusalém. Valorizamos toda a vida e somos contra a violência contra civis”, diz ela.

Outra oradora é Linda Sarsour, uma das líderes da Marcha das Mulheres em janeiro. Vilkomerson descreve Sarsour como “apaixonante e encantadora, muito inteligente, comprometida e uma pessoa impressionante”, e que sua recente entrevista em The Nation, que suscitou um diálogo sobre a compatibilidade do sionismo e do feminismo, era “perfeitamente clara e perfeitamente brilhante”.

3153484258

Linda Sarsour falando no palco durante a Marcha das Mulheres em Washington, 21 de janeiro de 2017.

Esse debate, diz ela, ressalta “a potencial desconexão entre ser feminista e entender que as mulheres palestinas são terrivelmente afetadas pelas políticas de Israel. Para mim, é parte de uma conversa mais ampla que está acontecendo na era Trump. Na comunidade judaica, houve uma floração bonita de resistência às políticas de Trump. A proibição de viagem muçulmana levou as pessoas às ruas.

“Mas há uma proibição muçulmana em Israel há décadas. E uma proibição cristã – os cristãos palestinos não podem voltar, tampouco – e as políticas contra os refugiados palestinos “, ela continua. “Então o desafio que eu colocaria para as pessoas é que sejam coerentes com seus valores. Israel não recebe um licença, se você tem certos valores nos EUA, você tem que sustentá-los quando se trata de Israel. “

As queixas de que Israel está sendo injustamente destacado entre os progressistas golpeiam Vilkomerson como uma falácia do espantalho. “Da mesma forma que você veria a África do Sul chamada nos anos 80 e não em outros países da África”, diz ela, “eu acho que diferentes movimentos têm momentos diferentes. … As batalhas são muitas vezes sobre onde está a energia, não tanto sobre o que é mais importante e menos importante para o outro.

A JVP tem um relacionamento tenso com grupos sionistas liberais que se consideram “pró-Israel” e “pró-paz”, mas assumem fortes posições contra o movimento BDS – embora ela acredite que muitos de seus membros são mais simpáticos do que seus líderes. Vilkomerson foi convidado para J Street em 2011, para falar sobre BDS. Ela não foi convidada de volta, embora “o quarto estava lotado”, observa ela.

Nenhuma posição em um ou dois estados

Apoiar BDS não é a única questão que os grupos judiciais esquerdistas têm com a JVP. Seu fracasso em endossar uma solução de dois Estados deixa seu guarda-chuva suficientemente amplo para incluir aqueles que eliminariam completamente o Estado judeu, argumentam os críticos. Também tem sido criticado por sua disposição para se associar e aceitar o apoio de grupos e indivíduos que são vistos como ativamente hostis a Israel e apoiar ações violentas contra o Estado.

Vilkomerson defende o grupo em ambas as acusações: “Nós não tomamos uma posição em um estado contra dois estados. Isso é em grande parte porque nossa missão é mudar a política dos EUA – não ditar em quantos estados judeus e palestinos devem viver. Obviamente, quanto mais assentamentos crescem, mais dois estados parecem improváveis.

“Mais do que isso, eu pessoalmente sinto que a idéia do número de estados como linha divisória entre posturas políticas é a pergunta errada. Enquanto, sim, ainda é teoricamente possível ter dois estados onde as pessoas possam ter direitos plenos, existem modelos de um estado que são apartheid puro e outros modelos de um estado que são nacionalistas seculares. Para mim, não se trata do número de estados; É sobre o que acontece dentro desses estados.”

Em sua declaração de missão oficial, o grupo “busca o fim da ocupação israelense da Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental; Segurança e autodeterminação para israelenses e palestinos; Uma solução justa para os refugiados palestinos baseada em princípios estabelecidos no direito internacional “, mas não especifica precisamente como isso deve ser alcançado.

Quanto aos parceiros do BDS e de outras coalizões, ela afirma que a JVP está “contra todas as formas de intolerância, racismo e antissemitismo”. Sem nomear nomes, ela observa que há indivíduos e grupos com os quais sua organização se recusou a se aliar, em razão de seu antissemitismo ou racismo. Enquanto JVP “não está em consonância com todos que trabalhamos, temos um conjunto abrangente de valores e trabalhamos com pessoas que compartilham esses valores.”

Ela diz que foi impressionante ver aqueles na direita que condenaram JVP para fazer causa comum com anti-semitas olhar para o outro lado em elementos no governo Trump simplesmente porque eles dizem que apoiar Israel, quando “há uma abundância de antissemitas que apoiam Israel por suas próprias razões de supremacia branca. … Apoiar Israel não significa que você gosta ou ama os judeus, e o apoio a Israel não é um substituto para dizer que você não é antissemita “.

Quanto aos parceiros da JVP na coalizão BDS, ela diz que todos os grupos formalmente afiliados estão “muito, muito claros colocar limites para anti-semitismo e apoiaram isso com ações concretas”. Além disso, “eles são claros sobre seus princípios sobre quando um Boicote terminaria. Não é um apelo perpétuo contra um Estado judeu porque é judeu. Trata-se de condições específicas de opressão que eles estão tentando acabar. “

Enquanto J Street pode ter um problema com JVP, Vilkomerson diz que o contrário não é verdade. Na era Trump, ela diz, eles concordam em muitas questões, mas discordam fundamentalmente sobre filosofia e táticas.

Ela diz que seu maior problema pessoalmente com a J Street é que “passou muito tempo tentando ser o grupo de esquerda que fala contra o BDS, e usa suas credenciais de esquerda para lutar contra isso. O que eu gostaria de ver do J Street e de outras instituições judaicas à esquerda é neutralidade em relação ao BDS.

“Eu entendo totalmente porque não é a tática certa para algumas pessoas, mas é uma tática não-violenta e é uma tática de pressão, e está funcionando melhor do que qualquer outra coisa funcionou durante as últimas décadas”, acrescenta. “Vamos trabalhar usando nossa abordagem e vocês usam sua abordagem. Ninguém sabe o que vai ser a coisa que funciona. “

Uma coisa que ela sabe: até que os sionistas liberais mudem sua abordagem de minimizar o lado mais sombrio de Israel – ela cita uma coluna recente de Peter Beinart, na qual ele explica por que ele está ensinando seus filhos a amarem Israel primeiro e contar a verdade sobre a ocupação mais tarde – JVP continuará a crescer e atrair jovens membros das fileiras do judaísmo americano liberal, à procura de um tipo diferente de casa judaica política e espiritual.

“Vemos com muitas pessoas entrando em JVP que aquilo que sentem é uma sensação incrível de traição de que lhes mentiram e foi apresentado uma versão ‘Disneyland’ de Israel que não existe. Eles têm que repensar todo o quadro de referência que eles foram ensinados por pessoas que amam e confiam. Eles estão procurando algo que é novo e real que se alinha com seus valores. “

Quanto maior e mais forte esse grupo, ela afirma, menos os incomoda que a grande maioria das organizações judaico-americanas os mantem a uma distância na melhor das hipóteses, e os condenam duramente na pior delas.

Vilkomerson acredita que a posição de sua organização evoluiu ao longo do tempo. Nos primeiros dias, “nós tínhamos mais de uma atitude ‘vamos entrar’, e sentimos que precisávamos quebrar as paredes dentro da comunidade judaica para conseguir isso”. Hoje, ela diz: “Nós crescemos e nos tornamos mais poderosos e mais dinâmicos. Nossa atitude mudou para “Não precisamos das instituições do mundo judaico: estamos construindo uma instituição judaica”.