Sahar Vardi: “É OK ser racista em Israel”

Sahar Vardi
Sahar Vardi

Objetora consciente do Exército de Israel fala sobre racismo e subjugação à medida que a ocupação entra em seu 51º ano

Por Zena TahhanZena al-Tahhan, na AlJazeera 

Traduzido por Iara Haasz

Este ano, a ocupação Israelense dos territórios palestinos em 1967 entrou em seu 51º ano. Na Cisjordânia e Jerusalém Oriental ocupadas, o exército israelense é responsável por controlar as vidas de mais de três milhões de palestinos através de centenas de postos de controle, incursões a aldeias e residências, julgamento de civis em tribunais militares, demolição de casas, supressão de protestos, e o assassinato e ferimento de civis, para citar alguns.

Para sustentar a indústria de ocupação, Israel torna obrigatório por lei para os cidadãos israelenses, excluindo palestinos e judeus ortodoxos, servirem nas forças armadas aos 18 anos. Os homens têm que servir pouco menos de três anos, enquanto as mulheres servem dois anos.

No entanto, há cidadãos israelenses que se recusam a servir nas forças armadas por vários motivos, incluindo oposição às políticas do exército nos territórios palestinos que ocupa.

Sahar Vardi, 27, é uma dessas objetoras. Ela é uma ativista israelense que foi condenada à prisão por oito vezes consecutivas por seu desafio em 2008. Vardi também enfrentou outras repercussões para sua decisão; Ela disse que recebia telefonemas muito tarde, por um período de até um ano, com pessoas que a xingavam.

A sua casa também foi pixada com palavrões dirigidos a ela.

Muitos países ao redor do mundo aceitaram o direito dos objetores de consciência de serem isentos do serviço militar. Em Israel, os objetores devem se inscrever através de um comitê para obter isenção.

O comitê, popularmente conhecido como o “Comitê de Consciência”, é composto principalmente de oficiais militares. Na prática, apenas aqueles que reivindicam razões religiosas ou o pacifismo apolítico – uma recusa de violência sob todas as formas – estão isentos. Aqueles que afirmam externamente sua oposição à ocupação são condenados a repetidos períodos de prisão até serem declarados inaptos para servir pelo exército israelense.

Al Jazeera falou com Vardi, que foi solta em 2009, sobre sua experiência e suas opiniões sobre a sociedade israelense após 50 anos de ocupação.

Al Jazeera: Você pode nos informar sobre o processo de sair do serviço militar em Israel?

Sahar Vardi: Existem duas formas legais para pessoas serem isentas do serviço militar em Israel. O primeiro é ser reconhecido como um objetor de consciência. É difícil fazê-lo, mas é possível.

Todos os anos, cerca de 54 mil pessoas são recrutadas para o exército israelense. Dos 54.000, cerca de 100-200 solicitam o status de objetor consciente (OC). Um comitê militar avalia cada caso, mas concede status de OC a apenas algumas dúzias de jovens.

O comitê só permite que os pacifistas sejam isentos do serviço militar, mas este tem uma definição muito estreita do que é o pacifismo. Para ser concedido o status de OC, você tem que dizer à comissão que você é contra qualquer tipo de violência sob qualquer circunstância e que sua recusa não é política. Principalmente, se você diz a palavra “ocupação”, você falha. É como se fosse um jogo.

Um pedaço importante é evitar as perguntas do comitê porque são absurdas – você não pode respondê-las – pelo menos não honestamente. Algumas pessoas foram perguntadas: “Você está de pé com uma arma na frente de Hitler, o que você faz?”

A segunda maneira de ser legalmente isenta do serviço militar é citar problemas de saúde mental, que é a saída mais fácil.

Al Jazeera: como você decidiu fazer isso?

Vardi: fui ao comitê de objetores conscientes, mas decidi com antecedência que diria os verdadeiros motivos por que não queria estar no exército e usaria a palavra “ocupação” na minha explicação. E falhei no teste do comitê.

Recebi uma carta dizendo que não fui reconhecida como uma objetora consciente e, portanto, deveria servir nas forças armadas. Uma vez que você é classificado como apto para servir, você não pode se recusar a se juntar ao exército em Israel – não há nenhuma maneira legal de fazer isso.

Você é julgado como um soldado recusando uma ordem, o que significa que você irá ao tribunal, será condenado e mandado a prisão. Quando você finalmente sair da prisão, você receberá um pedido dizendo que você deve voltar para sua base militar para continuar seu serviço. Se continuar a recusar, repetirá estes passos por um tempo.

O período mais longo que alguém foi condenado a prisão por se recusar a servir foi de dois anos.

Recusei oito vezes consecutivamente, mas não fui sentenciada a prisão todas as vezes. Às vezes eu fui detida porque não tinham espaço para mim nas prisões. Nesses casos, somos mantidos em uma base militar em vez da prisão. Passei um total de cinco meses em prisão e detenção.

Al Jazeera: Por que você não tentou sair com base na saúde mental?

Vardi: sair da saúde mental é bastante fácil. Hoje, cerca de 12% da população israelense que deveria ser recrutada – judeus e drusos – não iniciam ou não completam seu serviço militar com base em problemas de saúde mental. Isso é uma porcentagem enorme. Eu vou assumir que 12 por cento da sociedade israelense não está com doenças psiquiátricas.

Todos sabem que esta é a maneira mais fácil de sair das forças armadas. Muitas pessoas que não querem servir por razões econômicas sairão citando problemas de saúde mental.

Além disso, algumas pessoas que se opõem ideologicamente a estar no exército, mas que não querem ir à prisão, escolhem a rota de saúde mental para evitar o serviço militar.

Para mim, foi uma espécie de oportunidade de marcar uma posição política. Eu sabia que eu poderia sair de qualquer maneira – eu poderia ter dito as coisas certas para o comitê de objetores conscientes. Eu sei as respostas que eles queriam ouvir. Mas a idéia é que é uma oportunidade para falar sobre a ocupação. Há outras pessoas como eu, então tivemos uma voz – saímos com uma campanha, fizemos declarações para a mídia, e assim por diante.

Uma vez que você vai para a prisão, você pode falar sobre as realidades da ocupação. Não se trata apenas de evitar o serviço militar, o que é fácil. É também sobre divulgar uma mensagem.

Al Jazeera: Você acha que os israelenses são ignorantes sobre a ocupação dos territórios palestinos?

Vardi: Os israelenses sabem que algo está acontecendo na Cisjordânia. Alguns deles não chamarão de ocupação porque gostam de se esconder atrás do discurso legal do território em disputa.

Mas não há israelenses que não sabem que há controle militar sobre uma população civil pelo menos na Cisjordânia – em Gaza, é diferente.

Mas as pessoas não tem idéia do que isso significa. Nós temos essa idéia de que todos passaram pelo exército e por tanto sabem o que é a ocupação, certo? Esse não é o caso.

Entre 10-15 por cento dos militares são combatentes – o que significa que será realmente alocado nos territórios ocupados.

Mesmo assim, o que eles sabem é uma realidade estreita muito específica. Você fala com os soldados em um protesto e eles te dirão que estamos em a Área A na Cisjordânia, e que você não deveria estar ali, quando na realidade não estávamos em Área A. [Nos termos dos Acordos de Oslo de 1993, os cidadãos israelenses são Proibido de entrar na Área A da Cisjordânia, sob controle palestino]

Eles nem sabem o que está acontecendo ao seu redor.

Mesmo o fato de você estar lá não significa que você entenda a realidade. Compreender o que realmente está acontecendo requer muito conhecimento e a prioridade dos militares não é educar os soldados. A prioridade militar é ensinar aos soldados que precisam seguir ordens. Então, os israelenses não sabem realmente o que é a ocupação.

A maioria dos israelenses jerusalemitas que você pára na rua em Jerusalém Ocidental não sabe que os palestinos jerusalemitas são moradores e não cidadãos – eles literalmente não tem a menor ideia de que estes palestinos não são cidadãos do estado.

Al Jazeera: De quem você acha que é a responsabilidade?

Vardi: É claro que é responsabilidade deles saber, mas é responsabilidade dos ativistas israelenses garantir que os cidadãos israelenses saibam essas coisas. Para a maioria das pessoas, a ocupação não é relevante para suas vidas. Também é importante compreender a dinâmica dentro da sociedade israelense.

Israel hoje, dentro da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), é um país com uma das maiores lacunas entre os ricos e os pobres. Isso significa que uma grande parte da sociedade israelense está lutando pela sua existência – e realmente não poderiamm se importar menos de que os jerusalemitas do leste são apenas moradores e que cerca de 80% deles vivem na pobreza. Realmente não é sua prioridade.

Penso que para nós, como ativistas, parte da responsabilidade é descobrir como fazer isso uma questão – e fazer as pessoas entenderem que é sua responsabilidade se preocupar com isso. Mas precisamos nos certificar de que façamos isso de um lugar que também reconheça outras questões que lhes importam.

Al Jazeera: Por que você acha que a discussão sobre 1948 em Israel, mesmo entre esquerdistas, é inexistente?

Vardi: Há uma diferença entre a esquerda sionista e não-sionista. Mas principalmente, é porque há uma solução fácil para 1967 – os dois estados. Não penso que seja realista, mas pelo menos no nível do discurso, a esquerda israelense tem uma solução para os problemas que nasceram da guerra de 1967.

Mas 1948 – o que você faz com isso? A única coisa que você pode fazer com isso – se você realmente quiser falar sobre isso e reconhecer o Direito de Retorno – é desistir do estado judeu. Há muitas soluções que ainda permitirão que os judeus israelenses estejam aqui – esse não é o problema. A questão é que se você reconhecer o problema com 1948, sua única opção é desistir do estado judeu.

No discurso e na mentalidade sionista convencionais, isso não está na discussão. Essa não é uma opção, não é algo que as pessoas conceituam. É desafiante para as pessoas que cresceram com a concepção de: “Precisamos de um estado judeu para nos protegermos”. É principalmente dessa ideia que vem a negação sobre 1948. Eles acreditam que isso é uma necessidade. Então, com base nisso, a abertura para discussão sobre 1948 é um problema.

Trata-se de abordar algo muito mais profundo e muito mais enraizado na existência israelense. A maioria dos israelenses não tem motivos para fazê-lo. Sua vida está bem – é confortável – por que eles devem questionar essas coisas?

Na verdade, houve mais discussões nos últimos anos sobre a “Nakba” – surpreendentemente por causa da ala direita. Por exemplo, a lei de Nakba [uma lei que criminaliza o dia de memória da catástrofe palestina de 1948] fez com que fosse necessário explicar o que é a Nakba.

Al Jazeera: Como você acha que israelitas regulares justificam o que está acontecendo nos territórios palestinos ocupados?

Vardi: Pelo direito ideológico, trata-se de tomar a Terra Santa. A partir de uma perspectiva política mais ampla, muito disso é sobre recursos – terra barata, água, mão de obra, que permite uma economia bem-sucedida.

A maioria dos colonos não se muda para uma colônia por motivos ideológicos – eles se mudam porque é muito mais barato. Por exemplo, as pessoas que se mudam para o assentamento Maale Adumim se deslocam para lá porque é o único lugar que podem pagar para viver.

Outros justificam tudo isso com a necessidade de segurança. Eles pensam que a ocupação os mantém seguros. Isso tem muito a ver com a forma como os israelenses são educados e como o medo é uma grande parte da nossa identidade. E há muito interesse político em manter isso assim. Você não pode sustentar esse nível de militarização em uma sociedade sem medo. Você não pode ignorar o que aconteceu em 1948 sem ele. Você não pode continuar mantendo a ocupação sem ele. Nosso sistema educacional é construído para garantir que estamos aterrorizados. Mesmo nossas campanhas de mídia e políticas – [Primeiro Ministro israelita] Netanyahu é um especialista em garantir que estejamos aterrorizados.

Eu tenho um amigo que, durante seu serviço militar, trabalhou na maior estação de rádio do país, que é do exército de Israel. Ela fazia parte do departamento de notícias. Eles foram ordenados a começar a transmissão com uma notícia sobre o Irã sempre que tiveram que relatar algo crítico aos militares ou algo ruim que aconteceu – como um palestino sendo morto em um ponto de controle.

Foi-lhes dito para ir à Reuters e encontrar algo sobre o Irã. É assim: “Fazemos coisas ruins às vezes em um ponto de controle, mas há uma ameaça existencial – uma bomba nuclear, certo?”

As pessoas estão genuinamente com medo.

Al Jazeera: Como você explica o uso que os militares israelenses fazem de abusos psicológicos nos territórios ocupados?

Vardi: É assim que funcionam os militares. Se você optar por manter uma ocupação e se optar por manter o controle militar de uma população civil, será violento – não há nenhuma maneira agradável de fazê-lo.

Claro, o racismo é uma parte inerente a isso. Está enraizado no fato de que essas pessoas são informadas de que eles têm que controlar essa população civil como se fossem seus inimigos. Para conseguir isso, precisam se tornar racistas. Você não pode ficar em um ponto de controle e impedir as pessoas de ir onde precisam ir sem ficar louco ou se tornar racista.

Você deve desumanizar as pessoas. Você não pode seguir as ordens se não desumanizar as pessoas. Pense em você mesmo em um ponto de controle em turnos de oito horas e tendo que dizer às pessoas: “Ah, na verdade, sua permissão para entrar terminou há três minutos e você não pode mais passar, mesmo se você tiver uma consulta médica”.

Você não pode fazer isso se você realmente vê a pessoa à sua frente como alguém que poderia ser sua avó.

Então você desumaniza-os e, uma vez que você desumanizar um grupo de pessoas, não há como voltar. Você os desumaniza apenas para que possa dizer “não” em um ponto de controle. Mas na próxima vez em que estiver em uma situação onde deve empurrá-los, será fácil para você empurrá-los. E então, quando você deve atirar neles, será fácil para você atirar..

Depois de alguns meses, você perde todo contato com a humanidade.

Al Jazeera: Esta é parte do treinamento militar?

Vardi: O exército é formado por oficiais que estão acostumados a desumanizar pessoas. Está cheio de pessoas que costumavam bater nas pessoas até caírem. Isso já é inerente a quem eles são e como eles vêem as coisas. Então, obviamente, faz parte de toda a cultura. Esta cultura decorre das forças armadas e, eventualmente, torna-se parte da sociedade civil – e hoje – o racismo é uma parte legítima do discurso israelense.

É ok ser racista em Israel hoje. Está ok dizer: “Sim, os judeus são melhores”. É ok pensar: “Sim, quando pensamos em segurança, a segurança dos judeus é mais importante do que a segurança dos árabes” – isso nem é uma questão.

A legitimidade do racismo é parcialmente baseada no que é o sionismo. É um movimento nacionalista do povo judeu – é, por definição, preferir judeus sobre não-judeus – é isso que o sionismo é. As pessoas acreditam que esta é uma maneira lógica de pensar à luz da maneira como fomos tratados através da história.

Há uma diferença fundamental entre proteger a identidade judaica como uma minoria e o que acontece quando os judeus se tornam a maioria e ainda perseguem a ideologia de proteger a identidade judaica a qualquer custo.

Uma vez, presenciei uma família conversando seriamente sobre o que seria pior – o filho judeu trazendo para casa uma menina palestina ou um homem [israelense]. Um amigo palestino meu, que fala fluente hebraico, também testemunhou essa conversa. E ficamos sentados lá, pensando que esta é uma conversa legítima que pode ser tida em público.

Al Jazeera: O que você acha que precisa acontecer para que as coisas mudem?

Vardi: Eu acho que uma das coisas que Israel fez muito bem é manter um nível de opressão, o que significa que você sempre terá que lidar com certas questões, mas você ainda tem algo a perder porque, quando as pessoas não têm nada a perder, elas se revoltam.

Israel é muito bom para manter esse equilíbrio, embora esteja começando a quebrar um pouco. O fato de que a sociedade israelense está se tornando mais de direita e que os políticos israelenses estão respondendo a isso e estão se tornando mais agressivos significa que, em algum momento, esse equilíbrio vai quebrar – em algum momento os palestinos não terão tanto a perder – mas odeio ver isso como otimismo.

* Os militares israelenses não responderam ao pedido da Al Jazeera de confirmar os números.