Educação

A roda da miséria

segunda-feira, 24 de julho de 2017

 

 

O debate sobre a desigualdade social alçou voo em 2014 com o lançamento do livro “O Capital no Século XXI”, do economista francês Thomas Piketty. Em uma entrevista ao jornal espanhol El Diario, traduzida e reproduzida no site Carta Maior, Picketty reforça que, além de injusta, a desigualdade muito forte pode levar ao “sequestro das instituições democráticas por parte de uma pequena elite que não vai necessariamente investir na sociedade pensando no conjunto da população”.

 

Se queremos crescimento econômico, diz o economista francês, combater a desigualdade é o caminho. “O crescimento no século XXI vai depender em grande medida do investimento em educação e formação, e não unicamente para uma pequena elite, mas para uma imensa maioria da população”.

 

No fim do ano, pesquisadores da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reforçaram a tese. Em um estudo intitulado Tendências na Desigualdade de Renda e Seu Impacto no Crescimento Econômico, divulgado no início de dezembro, a entidade aponta que os países onde a desigualdade diminuiu “crescem mais rapidamente do que aqueles” onde aumenta. Os autores do estudo incitam os governos a tomarem medidas mais enérgicas, principalmente na área educacional.  “A educação é fundamental: a falta de investimento na educação dos pobres é o principal fator para que a desigualdade prejudique o crescimento”, apontam.

 

No entanto, até agora os governos, principalmente nos países ricos, não tomaram qualquer medida nesse sentido. A prova é que o único crescimento que se vê é da riqueza na mão dos ricos. Uma matéria publicada no site Opera Mundi no último dia de 2014, com base em dados da Bloomberg, mostrou que as 400 pessoas mais ricas do planeta ficaram ainda mais ricas em 2014, adquirindo pelo menos US$ 92 bilhões em sua fortuna coletiva. De acordo com o Índice de Bilionários da Bloomberg, o patrimônio líquido daqueles bilionários foi de US$ 4,1 trilhões.

 

A foto acima foi emprestada do site do IIED – International Institute for Environment and Development.

Garimpagem de profissionais

segunda-feira, 24 de julho de 2017

 

Fonte: Innovia (http://www.innovia.com.br/blog/2012/01/27/profissoes-ultrapassadas-talvez-nao)

 

Ter jogado a educação para escanteio durante décadas custa caro ao Brasil. Não apenas em termos de desenvolvimento econômico e social de seus cidadãos.

 

A falta de educação também vem provocando uma enorme deficiência em mão de obra preparada. Hoje o país está crescendo, gerando milhares de vagas de trabalho de todo tipo e, para muitas delas, não há brasileiros capazes de assumir a tarefa. Resultado: as empresas acabam “importando” trabalhadores de outros países.

 

Apoie a imprensa independente. Assine a revista Samuel.

 

O colunista Thomas Wood Jr., da revista Carta Capital, lembra que este verdadeiro “apagão” de profissionais qualificados ameaça novamente nosso crescimento, resultando em serviços públicos de baixa qualidade, gestão privada ineficiente e falta de mão de obra em todos os setores, principalmente na indústria.

 

Como a demanda por bons profissionais é grande e a oferta menor, há também uma reversão no movimento de brasileiros qualificados que saem do país em busca de salários maiores. Muitos brasileiros estão voltando para casa por causa da crise econômica que afeta os países ricos.

Porém, algumas profissões mais populares no Brasil ainda fazem sucesso lá fora.

A revista Trip trouxe uma reportagem contando sobre uma categoria de trabalhadores brasileiros que está fazendo o maior sucesso na Europa – e ganhando um bom dinheiro.

 

São os “lanterneiros” ou “funileiros” de automóveis. Com a crise, os europeus não conseguem mais trocar o carro por um modelo novo com a frequência de antes, sendo obrigados a reformar o automóvel antigo. Daí porque o chamado “martelinho de ouro” – que, em geral, é um profissional com mais prática do que teoria – passou a ser cada vez mais procurado naqueles países.

 

De acordo com a matéria da Trip, um dos funileiros brasileiros que mais investiu em sua carreira internacional, Rogerio Carmieto, postou um video no You Tube mostrando um pouco de seu trabalho. Intitulado “Talentos Martelinho de Ouro”, o video entremeia imagens de carros de luxo passando pelos seus instrumentos de lanternagem, com visões de rua da França e uma típica musiquinha ao fundo. Propaganda, como se sabe, é a alma do negócio. Veja o vídeo abaixo.

A foto acima é do blog da Innovia (http://bit.ly/WlzC0e)

 

PARCEIROS