'Brasil assistiu a um golpe político em um quadro legal', diz deputado português do Parlamento Europeu

Para Carlos Zorrinho, vice-presidente da delegação União Europeia/Brasil, a esquerda da América Latina precisa se reinventar, já que não se podem "perder" os filhos cujos pais foram beneficiados por políticas progressistas

“O Brasil assistiu a um golpe político, mas em um quadro legal. Cada um analisa como quer, isso é a democracia, mas estava tudo lá, previsto, dentro do quadro legal. Foi um golpe político, mas no âmbito institucional. Se as pessoas entendem que isso não pode vir a acontecer, tem que reformar o pacto institucional.”

Essa é a resposta que dá o eurodeputado português Carlos Zorrinho, vice-presidente da delegação UE/Brasil, integrante do PS (Partido Socialista português) e membro do Grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas no Parlamento Europeu, quando questionado sobre como vê o processo de crise política e impeachment pela qual o Brasil passa no momento. Opera Mundi conversou com Zorrinho no gabinete dele, em Bruxelas, em meados de maio.

Rafael Targino/Opera Mundi

Zorrinho: Brasil assistiu a um golpe político em um quadro legal

“Vejo a situação brasileira com preocupação”, diz. “Minha sensibilidade, quando olho, é que a questão-chave é que as pessoas recuperem a confiança no país”, afirma, apontando as questões econômicas como um dos motores para a crise política.

“Acho que houve uma mudança econômica global que não foi bem comunicada aos brasileiros e, a partir daí, gerou-se uma crise muito forte de confiança. Põe em causa a estabilidade democrática e os ganhos extraordinários que o país fez”, afirma.

Deputada do PSDB pede para Serra contratar como diplomata, sem concurso, pessoa indicada por ela

Em encontro com líder opositor venezuelano, Serra diz ver 'com bons olhos' referendo contra Maduro

Governo Temer se aproveita de crise para mudar estratégia diplomática, diz agência chinesa

 

O deputado aponta três pontos-chave para os atuais problemas políticos e econômicos do Brasil. “Mesmo quando tudo parecia estar a correr bem, havia três questões: uma tinha a ver com a extrema dependência de quatro ou cinco produtos da economia brasileira; a segunda tinha a ver com o modelo de financiamento dos partidos – não sei se vai ser aceito, mas o modelo mais europeu de financiamento público sai muito mais barato e é muito mais transparente –; e a terceira, à não fidelização: toda vez que vou ao Congresso brasileiro, ao Senado, fico espantado. Já fui parlamentar também, já fiz de quase tudo na vida. Mas é impossível imaginar como consegue se fazer política quando se tem que conquistar cada voto em cada votação”, diz.

Para Zorrinho, a saída para a crise exige reformas. “[A situação] Implica uma reforma econômica ousada, o Brasil não pode estar tão dependente das commodities, e implica uma coisa bastante mais difícil, reformar o sistema político. E essas duas coisas estão muito ligadas: confiança política pode ajudar a recuperar a confiança econômica. E a confiança econômica pode criar espaço para fazer a reforma política. As duas ao mesmo tempo, em negativo, é muito complicado.”

Reinvenção da esquerda

Segundo o deputado, a esquerda na América Latina precisa se reinventar – e cita a presidente chilena Michelle Bachelet, que voltou ao governo do país após um mandato da direita, como exemplo.

"O grande desafio é que a esquerda latino-americana não perca os filhos de quem a elegeu, que os reconquistem. Mas não se pode reconquistar com o mesmo que se deu aos pais. Aos pais deram comida, arroz, pão, educação para os filhos; para estes, tem que dar mais. Não se podem perder estes filhos, e esta é a questão-chave. Se os filhos passam para o outro lado, perdem o poder”, afirma.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas

Destaques

PUBLICIDADE

Notícias + Lidas

Milhares participam de Marcha pela Ciência

Protestos contra cortes na área científica propostos pela gestão Trump foram convocados em mais de 500 cidades; em Washington, cerca de 70 mil manifestantes se reúnem em frente à Casa Branca

Últimas Notícias

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE