'Condor ainda voa', diz responsável por revelar 'Arquivos do Terror' da ditadura paraguaia

Para Martín Almada, sentença que condenou ex-ditador argentino e mais 15 oficiais por participação na Operação Condor é 'feito histórico'

A Operação Condor foi inicialmente preparada no Brasil, se formalizou no Chile e “segue voando”. Esta é a avaliação de Martín Almada, responsável por descobrir os “Arquivos do Terror” da ditadura de Alfredo Stroessner, que governou o Paraguai entre 1954 e 1989. Opera Mundi conversou com Almada no último dia 27 de maio, quando a Justiça da Argentina condenou (novamente) à prisão o último ditador do país, Reynaldo Bignone, e mais 15 oficiais por participação na operação, que foi um pacto feito por governos militares da América do Sul para repressão política e intercâmbio de informações e prisioneiros na década de 1970.


Saiba mais sobre a campanha de assinatura solidária de Opera Mundi

Leia também: Martin Almada encontrou 'Arquivo do Terror' da ditadura de Stroessner no Paraguai; conheça história

“O que nos preocupa? A impunidade. O que significa a impunidade? Não punir e, ao não punir, se produzem mais corrupção e mais repressão. As duas coisas, mais corrupção e mais repressão”, comentou sobre a decisão — “um feito histórico” — o ativista, que não deixou de fazer críticas à postura dos poderes judiciários dos países onde houve ditaduras militares. Para Almada, a sentença pode representar “uma explosão da memória que vai afetar toda América Latina. E oxalá o Brasil”.

Veja, nos três vídeos da playlist a seguir, a entrevista de Almada a Opera Mundi:

“Necessitamos que a Justiça atue. É preciso despertar do esquecimento, organizar e mobilizar os despertos”, afirma. A sentença condenou os oficiais pelos crimes imprescritíveis de lesa-humanidade, associação ilegal em sequestro, tortura e desaparecimento forçado de opositores, e foi transmitida nas embaixadas argentinas do Brasil, Chile, Peru, Uruguai e Paraguai.

Almada, que é professor da Universidade Nacional de Assunção (UNA), afirma que a Operação Condor era composta de dois movimentos distintos: “um lento, tranquilo”, que ocorria no Brasil, Paraguai e Bolívia, onde a esquerda já estava derrotada; outro, “urgente, rápido, selvagem e criminoso”, em Argentina, Uruguai e Chile, onde havia, além de organização e mobilização populares, um presidente socialista, Salvador Allende, derrubado por um golpe em 11 de setembro de 1973.

Início no Brasil

Segundo o pesquisador, no Brasil existiu uma fase pré-Condor, gestada com a preparação do golpe de Estado de 1964 contra Goulart. A operação propriamente dita foi formalizada no Chile, em 25 de novembro de 1975, e, atualmente, ganhou a face de um fenômeno globalizado.

Após ser condenado em caso relacionado à morte de Jango, general chileno morre em aparente suicídio

Justiça italiana inicia processo contra militares brasileiros acusados de assassinato na ditadura

Diante de ofensiva da direita na região, Venezuela fala em 'ressurgimento do Plano Condor'

 

“A Condor segue voando”, afirma. E se lembra das atuais situações políticas brasileira e venezuelana. “Dilma foi vítima da tortura em sua juventude e agora segue sendo vítima da Condor. E é preciso ajudar Dilma, porque ela não cometeu crime [de responsabilidade]. Ela é inocente. Defender Dilma e Maduro, mas para isso temos que dizer em voz alta à Condor: que deixe de voar”.

Para Almada, a política norte-americana agora quer “recuperar o tempo perdido”, diante dos governos à esquerda que dominaram a América Latina na última década. “A presença desse julgamento e dessa Justiça argentina demonstram que a América Latina vai recuperar sua liberdade”, acredita.

“Terrorista intelectual”

Almada foi sequestrado pela polícia paraguaia em novembro de 1974, enquanto trabalhava como diretor do Instituto Juan Bautista Alberdi, de São Lorenzo. Lá, ele desenvolvia, junto com a esposa Celestina Pérez, experiências cooperativistas de autogestão social e pedagógica, inspiradas na “Pedagogia do Oprimido”, de Paulo Freire.

Reprodução

Martín Almada: “Dilma foi vítima da tortura em sua juventude e agora segue sendo vítima da Condor"

A acusação da ditadura de Stroessner foi de que Almada seria um “terrorista intelectual” e teria provocado a “subversão mental” dos jovens estudantes. Após defender o doutorado “Paraguai: Educação e Dependência” na Universidade Nacional de La Plata, na Argentina, Martín Almada foi novamente preso ao regressar ao Paraguai, em 1974.

Torturado por uma equipe internacional de civis e militares, com a presença de argentinos e chilenos, sob o comando paraguaio do Chefe de Investigações Pastor Coronel, Almada foi inquirido sobre sua tese e suas conexões internacionais com “subversivos”.

“Minha tese de doutorado me custou também a morte de minha esposa Celestina Pérez, o confisco de nossos bens, torturas, mil dias nas prisões de Stroessner e mais dez anos de exílio. Ambos fomos vítimas da Condor”, diz. Aterrorizada diariamente com telefonemas feitos durante as sessões de tortura de seu marido, Celestina Pérez sofreu um infarto.

O aparato policial-militar tentou convencer Almada, ainda preso, de que se tratava de um suicídio. Desde então, Almada passou a tentar descobrir as circunstâncias e os responsáveis pelo assassinato de sua companheira e por qual motivo militares estrangeiros tinham lhe torturado em seu próprio país. 

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias