Hoje na História: 1945 - Bombardeio britânico mata mais de 35 mil em Dresden

Centenas de aviões lançaram toneladas de bombas incendiárias em menos de 15 horas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Max Altman (1937-2016), advogado e jornalista, foi titular da coluna Hoje na História da fundação do site, em 2008, até o final de 2014, tendo escrito a maior parte dos textos publicados na seção. Entre 2014 e 2016, escreveu séries especiais e manteve o blog Sueltos em Opera Mundi.

Atualizado em 07/02/2018 às 14:54


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Na madrugada do dia 13 de fevereiro de 1945, a cidade de Dresden sofre o mais brutal bombardeio aéreo da Segunda Guerra Mundial. O ataque só não foi mais agressivo do que os conduzidos por aviões britânicos e norte-americanos sobre Tóquio, Hiroshima e Nagasaki.

A cidade era considerada um centro de comando vital para a defesa da Alemanha contra as forças soviéticas que se aproximavam pelo leste. Era também o núcleo de uma rede ferroviária que ligava o leste e o sul do país com Berlim, Praga e Viena.

800 aviões da RAF (Royal Air Force) lançaram 600 mil bombas incendiárias e 16 toneladas de explosivos de grande potência. Mais além, em meio a pouquíssimo fogo anti-aéreo, também foram disparadas centenas de bombas de oito toneladas.

Tão logo uma parte da cidade ficou em chamas, os bombardeiros alvejaram outra região. Em pouco tempo, toda a cidade ficou em cinzas. O mesmo número de bombardeiros voou até Chemnitz, sudoeste de Dresden, para atacar ferrovias e fábricas. Uma grande ponte rodoviária que cortava o Reno foi destruída.

O jornal The Times contabilizou a perda de 19 aviões, 98 locomotivas e 185 vagões germânicos. A RAF atacou também refinarias de petróleo em Nuremberg, Bonn e Dortmund.

Wikicommons

Cidade de Dresden após o bombardeio britânico

Foto:

Escândalo de extremismo no Exército alemão tem nova prisão

Morre aos 95 anos ex-guarda de Auschwitz condenado à prisão

Coleção de objetos nazistas é encontrada em esconderijo na Argentina

 

A operação era de tal proporção que Churchill, responsável pelo Comando Bombardeiro, tentou dissociar-se dela. Em 28 de março, enviou um memorando ao Estado Maior, denunciando o bombardeio de cidades como “meros atos de terror e destruição gratuitos”.

Entretanto, desde o começo do conflito, o primeiro-ministro britânico confiou ao comando da RAF a missão de destruir os lugares estratégicos do inimigo. Queria, dessa maneira, elevar a moral de seus concidadãos, duramente afetada pelos ataques aéreos sobre as cidades inglesas.

O Comando Bombardeiro havia lançado ataques apenas sobre locais estratégicos, isto é, zonas industriais e nós ferroviários e rodoviários. Esses ataques dirigidos se revelavam cada vez mais custosos e ineficazes.

O primeiro-ministro nomeia então o general Arthur Harris para a chefia do comando e, em fevereiro de 1945, autoriza o bombardeio maciço às zonas urbanas. Churchill esperava logo de início levantar a população alemã contra Hitler.

Seria lançado um total de 1,35 milhão de toneladas de bombas sobre a Alemanha pelos anglo-saxões. Um relatório norte-americano estimou em 305 mil o número de mortos e em 780 mil os feridos.

Dresden marcou o paroxismo dessa estratégia. A antiga capital do reino da Saxônia era conhecida como a "Florença do Elba" em razão de suas riquezas artísticas e culturais. Nas últimas semanas da guerra, o afluxo de refugiados elevou sua população de 600 mil a um milhão de habitantes.

O bombardeio de 13 e 14 de fevereiro sobreveio mesmo quando esses refugiados tentavam se esconder dos horrores e do caos terrível da guerra.

No total, em quinze horas, sete mil toneladas de bombas incendiárias caem sobre Dresden, destruindo mais da metade das habitações e um quarto das zonas industriais.

Uma grande parte da cidade ficou reduzida a cinzas, bem como cerca de 35 mil pessoas. Apenas 25 mil seriam identificadas. Muitas das vítimas desapareceram como fumaça sob o efeito de uma temperatura frequentemente superior aos 1000°C.

A estimativa atual de 35 mil mortos é resultado de um trabalho de uma comissão de historiadores nomeada pela cidade de Dresden. O pesquisador alemão Jörg Friedrich, que não era tendencioso em favor dos Aliados, estimou em 40 mil o número de mortos em seu Der Brand (O incêndio).

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Precisamos falar sobre a Globo

Além de discutir a concentração de audiência e de propriedade de mídia no país, entrevista traz bastidores de ex-editora do Jornal Nacional e ex-repórter do jornal O Globo