Hoje na História: 1909 - Morre o chefe Apache Gerônimo

Entre 1858 a 1886, o guerreiro indígena atacou tropas mexicanas e estadunidenses e escapou de diversas capturas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Gerônimo, líder dos apaches chiricahua que, durante muitos anos, guerrearam contra a imposição pelos brancos de reservas tribais aos povos indígenas dos EUA, morreu em 17 de fevereiro de 1909. Ele faleceu na prisão. Guerreiro, ele sempre rejeitou acordos com os estadunidenses. O indígena resistiu heroicamente, mas se rendeu ao ter uma visão de um trem passando em suas terras.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


Goyaałé (Gerônimo) nasceu em Bedonkohe, próximo a Turkey Creek, atual Novo México (EUA), mas na época parte do México. Apache, se casou com uma Chiricauhua e teve três filhos. Em 5 de Março de 1851, uma companhia de 400 soldados de Sonora, liderados pelo Coronel José Maria Carrasco, atacou o acampamento do indígenas, matando sua família, incluindo a mãe.

O chefe da tribo, Mangas Coloradas, juntou-se à tribo de Cochise, que estava em guerra contra os mexicanos. Foi nessa época que se acredita que Gerônimo ganhado seu apelido, que seria uma referência dos mexicanos a São Jerônimo, depois de ele matar vários soldados à faca em uma batalha.

Wikimedia Commons

Goyaałé (Gerônimo), em foto de 1898

Caracas acusa Exército da Colômbia de recrutar venezuelanos para criar focos de violência na fronteira

Mulher que ficou 10 anos presa por ter dado à luz bebê sem vida é libertada em El Salvador

Maduro diz que vai à Cúpula das Américas 'chova, troveje ou relampeje'

 

Antes dos mexicanos, os apaches da região de Sonora lutaram contra os espanhóis em defesa de suas terras. Em 1835, o México estabeleceu recompensas pelos escalpos dos Apaches. Mangas Coloradas começou a liderar os ataques aos mexicanos, dois anos depois. Na sua luta com ele, Gerônimo agia como um líder militar, sem ser chefe da tribo. Ele se casou novamente, com Chee-hash-kish e teve mais dois filhos, Chappo e Dohn-say. Depois teria mais esposas: Zi-yeh,She-gha, Shtsha-she e Ih-tedda. Algumas foram capturadas.

Entre 1858 a 1886, Gerônimo atacou tropas mexicanas e estadunidenses, e escapou de diversas capturas. No final da sua carreira guerreira, seu bando contava com apenas 38 homens, mulheres e crianças. Seu bando tinha sido uma das maiores forças de índios renegados, ou seja, aqueles que recusaram os acordos.

Gerônimo se rendeu em 4 de setembro de 1886 às tropas do General Nelson A. Miles, em Skeleton Canyon, Arizona, colocando um fim no episódio chamado de Guerras Apache. Ele morreu em Fort Hills, Oklahoma, e disse ter se arrependido da rendição. Ele nunca retornou à terra onde nasceu.

Também nessa data:
1600 - Giordano Bruno é executado pela inquisição
1673 - Morre em cena de súbito mal-estar Jean-Batiste Poquelin, o célebre dramaturgo Molière
1863 -  Cruz Vermelha é fundada na Suíça
1904 - Estreia Madame Butterfly, de Giacomo Puccini, no La Scala de Milão
1996 - Enxadrista Garry Kasparov derrota computador Deep Blue da IBM

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Precisamos falar sobre a Globo

Além de discutir a concentração de audiência e de propriedade de mídia no país, entrevista traz bastidores de ex-editora do Jornal Nacional e ex-repórter do jornal O Globo