Hoje na História: 1975 - Japonesa Junko Tabei torna-se primeira mulher a atingir pico do Everest

Ela também foi pioneira na escalação dos "Sete Cumes dos Sete Continentes"

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Max Altman (1937-2016), advogado e jornalista, foi titular da coluna Hoje na História da fundação do site, em 2008, até o final de 2014, tendo escrito a maior parte dos textos publicados na seção. Entre 2014 e 2016, escreveu séries especiais e manteve o blog Sueltos em Opera Mundi.

Atualizada em 03/05/2018 às 16h50


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Wikimedia Commons
Junko Tabei, alpinista japonesa, foi a primeira mulher a atingir o cume do Monte Everest (8848 m) em 16 de maio de 1975. Foi também a primeira mulher a ter escalado os Sete Cumes, tarefa que completou em 1992, aos 53 anos de idade.

Desde bem jovem, começou a fazer montanhismo e com 10 anos já fez suas primeiras escaladas a picos como o Monte Nasu, um vulcão localizado perto de Tóquio.

Formada em literatura inglesa pela Universidade Feminina de Showa, onde se tornou membro da equipe de montanhismo da universidade, Tabei criou, em 1969, o Clube Feminino de Montanhismo do Japão. Com o marido, escalou o Monte Fuji. Por volta de 1972, já era uma alpinista respeitada.

Escalou muitos clássicos do montanhismo nos Alpes como o Cervino ou o Matterhorn, ou no Japão, o Monte Fuji e outras grandes montanhas. Em 1974, o jornal Yomiuri Shimbun e a rede de televisão Nihon fizeram uma seleção, entre centenas de inscritas num concurso, para montar uma equipe feminina de montanhismo que enfrentasse o desafio de alcançar o cume do Monte Everest, até então conquistado apenas por homens. Entre as quinze alpinistas selecionadas estava Junko Tabei.

Ela era considerada uma das melhores escaladoras a nível mundial e seguramente a melhor do país. Talvez por isto lhe ofereceram participar da expedição formada só por mulheres. Em 1975, Junko utilizou a mesma rota de Edmund Hilary e Tenzing Norgay em 1953 para alcançar o topo do Everest e converter-se na primeira mulher em consegui-lo.

'Tem lugar no mundo para nós', diz refugiada sobre a Rio 2016

1869: Nasce a primeira filósofa alemã

Holofotes para Bruno, condenado por assassinato de Eliza Samudio, banalizam feminicídio, dizem jornalistas

 

No começo de maio, o grupo estava acampado a 6.300 m de altitude quando uma inesperada avalanche atingiu o acampamento em que se encontravam. As mulheres e os guias foram cobertos pela tempestade de neve e Junko perdeu a consciência por aproximadamente seis minutos, até ser resgatada por um guia sherpa. Sem desistir da aventura, doze dias depois, liderando o grupo de japonesas, Tabei tornou-se a primeira mulher a alcançar o cimo.

Em 1992, ela se tornou também a primeira mulher também a atingir “Os Sete Cumes dos Sete Continentes”, desafio atualmente muito popular que são colocados amiúde aos alpinistas.

Em 1996, voltou à Cordilheira do Himalaia e subiu a outro cume com mais de 8 mil metros de altitude, o Cho Oyo (8201 m), dos dias antes de cumprir 57 anos, convertendo-se na mulher de mais idade a fazer um “oito mil”.

Também nesta data:
 
1703 - Morre escritor e poeta francês Charles Perrault
1717 - Voltaire é preso na Bastilha
1830 - Físico e matemático, Jean Baptiste Fourier morre em Paris
1929 - Academia de Artes a Ciências Cinematográficas entrega os primeiros Oscars

 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Análise de dentes desbanca de vez mito sobre Hitler

Análise de arcada dentária achada pelos russos em Berlim acaba de vez com a teoria conspiratória de que ditador nazista sobreviveu, uma lenda que diz muito sobre a propaganda soviética e a crueldade do pós-guerra