Hoje na História: 1981 - Governo polonês decreta estado de guerra e dissolve Solidarnosc

Suspensão das garantias legais no país apenas ajudou a acelerar o declínio do regime comunista no Leste Europeu

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Max Altman (1937-2016), advogado e jornalista, foi titular da coluna Hoje na História da fundação do site, em 2008, até o final de 2014, tendo escrito a maior parte dos textos publicados na seção. Entre 2014 e 2016, escreveu séries especiais e manteve o blog Sueltos em Opera Mundi.

Atualizada em 12/12/2017 às 14:30


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Logo na alvorada de 13 de dezembro de 1981, o general polonês Jaruzelski proclama “estado de guerra” na Polônia. A fórmula designava a suspensão das garantias legais. Seis mil sindicalistas são presos, entre eles o popular Lech Walesa. O sindicato livre Solidannosc (Solidariedade) é dissolvido. É imensa a comoção no país como em todo o Ocidente europeu. Essa tentativa de manter pela força o poder em mãos do Partido Comunista Polonês iria, na verdade, acelerar a decomposição do campo socialista do leste da Europa.

Greves sangrentas já haviam sacudido o país nos anos 1970. Em 18 de outubro de 1978, a oposição ao regime comunista recebe um impulso decisivo com a eleição do cardeal polonês Karol Wojtyla ao papado sob o nome de João Paulo II. Carismático e relativamente jovem, 58 anos, o novo papa viaja à Polônia alguns meses após a sua sagração, em maio-junho de 1979. Três palavras formariam um slogan que percorreria o país : “Não tenham medo !”.

Sob a direção do eletricitário Lech Walesa, os operários dos estaleiros navais de Gdansk entram em greve em fevereiro de 1980. As greves se estendem por todo o país. O poder comunista sob a chefia de Edward Gierek vacila.

Wikimedia Commons

Muro comemora aniversário de 30 anos do Solidarnosc. O padre na imagem é Jerzy Popieluzsko, morto pelo serviço secreto polonês

Foto:

Presidente polonês veta reformas do Judiciário

Aumento da xenofobia e do neofascismo na Polônia coloca em risco permanência do país na UE

Partido conservador troca primeiro-ministro na Polônia

 

Em 31 de agosto de 1980, Lech Walesa triunfa ao assinar os acordos de Gdansk com os representantes do governo. Após a sessão oficial, o operário eletricista se precipita diante de seus camaradas, brandindo a caneta com a qual apôs sua assinatura. Tratava-se de uma caneta comum como se pode ver nas lojas de lembranças do Vaticano com o retrato de João Paulo II, primeiro papa polonês da história. Lech Walesa, católico fervoroso, queria com isto dar a entender que o soberano Pontífice guiou seus passos e inspirou os acordos.

Em 9 de novembro de 1980, o governo de Varsóvia reconhecia o sindicato livre Solidarnosc presidido por Lech Walesa e que congregava perto de 10 milhões de poloneses. Os soviéticos, empantanados no Afeganistão, não estavam em condições de intervir militarmente.

O general Wojciech Jaruzelski [foto à esquerda], tornado primeiro ministro em 10 de fevereiro de 1981, se desespera ao assistir à maré montante das aspirações trabalhistas e democráticas. Colocado num beco sem saída, proclama o estado de guerra. No entanto, esse golpe de Estado dissimulado não engana ninguém. Traduziria apenas a impotência dos comunistas de dirigir o país e anunciaria, com anos de antecedência, a derrocada da União Soviética e do campo socialista.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

A música nos livros

A música nos livros

Música clássica, música popular, música engajada, música e política, música num romance policial. Se você gosta de música, não pode deixar de conhecer esses 20 títulos da editora Alameda. Clique aqui e confira. O frete é grátis.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias