Aula Pública Opera Mundi: Venezuela é uma ditadura ou uma democracia?

No segundo episódio da nova temporada, Gilberto Maringoni discute processos democráticos venezuelanos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

No segundo episódio da nova temporada da Aula Pública Opera Mundi, o jornalista e professor de Relações Internacionais da UFABC, Gilberto Maringoni, responde: mas afinal, a Venezuela é uma ditadura ou uma democracia?


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Uma das marcas básicas de uma democracia é a realização previsível e constante de eleições. Em 15 anos, os venezuelanos realizaram 19 processos eleitorais. Então, esta pergunta (ditadura ou democracia) é feita mais em função da oposição da mídia internacional, de parte da imprensa local e pelo que se difunde da imagem do ex-presidente Hugo Chávez", analisa Maringoni.

Reprodução

Gilberto Maringoni responde: A Venezuela é uma ditadura ou uma democracia?


Assista ao primeiro programa da temporada:
Franklin Martins: No Brasil, tentam demonizar regulamentação da mídia

A missão do Ipea na Venezuela

Charge do Latuff: Governo de Nicolás Maduro completa 1 ano

Figueiredo diz que houve “progresso real” no diálogo entre oposição e governo da Venezuela

 

Assista ao primeiro bloco:


No segundo bloco, Maringoni destaca que a Venezuela enfrenta problemas na independência de poderes, mas nada que inviabilize o processo democrático do país. "O embate de forças criou uma democracia muito dura na Venezuela, que, agora, precisa se estabilizar. Assista:



No último bloco, Maringoni discute a importância de Hugo Chávez como ator político na Venezuela e na América Latina: "foi um figura política extraordinária", analisa. Assista:

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Lugar de fala e a fala do lugar

Eu não posso nunca esquecer que essa palavra que trago como meu ofício de mundo não pode ser menos que o fio afiado da lâmina, mas não qualquer lâmina