Aula Pública Opera Mundi: por que é preciso legalizar o aborto?

"Aborto acontece em todas classes sociais e a mulher tem esse direito, fundamental para sua autonomia", diz Nalu Faria

No terceiro episódio da segunda temporada de Aula Pública Opera Mundi, Nalu Faria, psicóloga e líder da Marcha Mundial das Mulheres, defende a legalização do aborto como uma política afirmativa para os direitos femininos.

Assista nova temporada Aula Pública Opera Mundi:
Franklin Martins: No Brasil, tentam demonizar regulamentação dos meios de comunicação
Gilberto Maringoni: Venezuela é uma ditadura ou uma democracia?

“O aborto acontece em todas as classes sociais, não é uma questão de informação ou de acesso a métodos anticonceptivos. Estes falham e, muitas vezes, as mulheres fazem relações sexuais forçadas ou o parceiro não quer usar a camisinha. O aborto é um direito da mulher em função da complexidade da maternidade, em uma sociedade patriarcal e machista, que coloca a maternidade como o principal lugar da mulher”, analisa.

Assista ao primeiro bloco:

Clique aqui e inscreva-se no canal de Opera Mundi no Youtube

No segundo bloco, Nalu discute o modelo uruguaio de administração do aborto, apresentando motivos e consequências da escolha de determinados métodos. “Não é uma decisão fácil. As mulheres não são umas irresponsáveis que não sabem o que estão fazendo. O maior motivo que as mulheres alegam para ter feito aborto se refere ao tema econômico”, afirma Nalu Faria. Assista:



No terceiro bloco, a psicóloga fala sobre como o Brasil trabalha a questão do aborto e sugere propostas de lei sobre o assunto. “Se somente ter acesso à informação resolvesse tudo, nós não teríamos aborto de mulheres universitárias, da área de saúde, de psicólogas. Todas abortam. A relação com a gravidez é muito mais complexa. (...) O que necessário, é uma atuação para aumentar a autonomia das mulheres”, analisa. Assista:


 

Cuba reafirma apoio a Venezuela e acusa OEA de ser 'instrumento de dominação imperialista'

Opera Mundi se junta à greve geral desta sexta contra precarização e reformas de Temer

Arábia Saudita é eleita para comissão que trata dos direitos das mulheres na ONU

 

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas