Aula Pública Opera Mundi - O que são armas de destruição em massa?

"É ingênuo pensar que não existem interesses políticos e tentativas de manipulação", afirma Roque Monteleone

No quinto episódio da segunda temporada de Aula Pública Opera Mundi, Roque Monteleone, ex-comissário da Comissão das Nações Unidas de Vigilância, Verificação e Inspeção (UNMovic) e ex-diretor de assuntos nucleares e materiais sensíveis do Ministério de Ciência e Tecnologia, responde: “O que são armas de destruição em massa?”. Para ele, muitos países usam a produção dessas armas como moeda de troca em questões políticas e econômicas.  

Clique aqui e assista à segunda temporada da Aula Pública Opera Mundi, com Franklin Martins, Gilberto Maringoni, Nalu Faria e Manolita Correia

No primeiro bloco, o ex-comissário da ONU fala sobre a manipulação existente por trás da produção de armas de destruição em massa. “Muitos países que não tinham a infraestrutura industrial, tecnológica e econômica para desenvolver uma arma atômica desenvolveram uma química como poder de barganha, inclusive de negociação política”, afirma.

Assista ao primeiro bloco


No segundo bloco, Roque discute a relação dos países com as medidas tomadas internacionalmente: “Resolução do Conselho de Segurança não se discute, se cumpre pela Carta das Nações. Um país, quando aceita ser membro do Conselho de Segurança, aceita as regras. E as regras dizem que a resolução é obrigatória”.

Assista ao segundo bloco

Cuba reafirma apoio a Venezuela e acusa OEA de ser 'instrumento de dominação imperialista'

Opera Mundi se junta à greve geral desta sexta contra precarização e reformas de Temer

Arábia Saudita é eleita para comissão que trata dos direitos das mulheres na ONU

 

No terceiro bloco, o ex-inspetor fala sobre a importânica das organizações de cooperação internacional: “É ingênuo a gente pensar que não existem interesses políticos de tentativas de manipulação (de armamentos). Isso existiu sempre e continuará existindo. Aí é que está a importância da ONU. A ONU é um mecanismo onde esse tipo de manipulação se torna mais aberto, mais transparente, onde as decisões são mais colegiadas. Assim, essa tentativa de manipulação é quase desmascarada”. 

Assista ao terceiro bloco

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas