Aula Pública Opera Mundi: Qual a situação atual do Oriente Médio?

"O que mobiliza as pessoas é a comparação, e nas grandes cidades é onde as desigualdades se afloram ainda mais", diz Reginaldo Nasser

No sexto episódio da segunda temporada de Aula Pública Opera Mundi, Reginaldo Nasser, professor de Relações Internacionais da PUC de São Paulo e cientista político, responde: "Qual a atual situação do Oriente Médio?". Para Nasser, o ocidente costuma analisar os países orientais com muito distanciamento. Entretanto, há muitas características semelhantes entre o mundo ocidental e as cidades que participaram da Primavera Árabe.

Clique aqui e assista à segunda temporada da Aula Pública Opera Mundi, com Franklin Martins, Gilberto Maringoni, Nalu Faria, Manolita Correia e Roque Monteleone

No primeiro bloco, o cientista político fala sobre as principais características das manifestações: "Se nós olharmos para a chamada Primavera Árabe, veremos que são pessoas nas praças pedindo melhor condição de vida e lutando contra a repressão. Nós tivemos isso em 2011 e 2012 também nos países da Europa e nos Estados Unidos". Assista:



No segundo bloco, Nasser analisa o desenrolar da Primavera até os dias de hoje: "fizeram uma grande movimentação que mobilizou e criou esperanças. Mas, agora, o que está acontecendo? Os militares voltaram ao poder no Egito, a Síria está no meio de uma guerra civil com mais de 100 mil mortos e a Líbia também não vai bem". Assista:

Aula Pública Opera Mundi: 2ª temporada

Fracassa terceira tentativa para escolher presidente do Líbano

Síria acusa governos ocidentais de apoiarem “terroristas” contra eleição

 

No terceiro bloco, o cientista político fala sobre alguns dos motivos que fizeram eclodir as principais manifestações no início da Primavera: "O que mobiliza as pessoas é a comparação, e nas grandes cidades é onde as desigualdades se afloram ainda mais". Assista: 



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas