Aula Pública Opera Mundi: Qual o papel da economia na literatura naturalista?

"Graciliano Ramos, Jorge Amado e José Lins do Rego buscam no Naturalismo elementos para uma nova leitura da sociedade", diz Haroldo Ceravolo Sereza

No último episódio da segunda temporada da Aula Pública Opera Mundi, Haroldo Ceravolo Sereza, doutor em letras pela USP e diretor de redação de Opera Mundi, discorre sobre "Os pobres na literatura: economia no Naturalismo". "Graciliano Ramos, Jorge Amado e José Lins do Rego vão buscar na forma e na tradição naturalistas elementos para uma nova leitura da sociedade", afirma.

Clique aqui e assista à segunda temporada da Aula Pública Opera Mundi, com Franklin Martins, Gilberto Maringoni, Nalu Faria, Manolita Correia,  Roque Monteleone e Reginaldo Nasser

No primeiro bloco, Haroldo analisa "O Cortiço", obra de Aluísio Azevedo, para exemplicar como o Naturalismo trabalhou a representação das camadas populares na literatura. Assista:



No segundo bloco, Haroldo responde pergunta do professor de Língua Portuguesa da Unesp Marcelo Bulhões, sobre o "enfrentamento da linguagem" e a relação entre forma e conteúdo na literatura naturalista. "Precisamos ter cuidado para não fazer uma crítica generalista sobre problemas formais da literatura naturalista, pois, muitas vezes, a crítica estética é usada para encobrir um descontentamento com o conteúdo, que fala de pobres, mulheres e machismo", analisa.




No terceiro bloco, Haroldo responde pergunta do público presente na Unesp Bauru: "existe alguma semelhança entre a representação dos pobres no Naturalismo e a representação atual nos meios de comunicação como, por exemplo, no caso do 'rolezinho' "? Assista:

Foto:

Aula Pública Opera Mundi - Internacionalização da Educação: qual o rumo do ensino superior?

Vem aí uma Flip mais latina

Hoje na História: 1859 - Morre na Alemanha Alexander von Humboldt

 

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas