Pressão interna se soma à da comunidade internacional para que Estados Unidos coloquem fim às sanções contra Cuba

Por todos os lados se levantam vozes que pedem a Washington o fim do estado de sítio econômico contra Cuba e a adoção de uma política mais racional

Durante a cúpula regional da Caricom (Comunidade do Caribe), que aconteceu em Havana em dezembro de 2014, os quinze Estados membros clamaram unanimemente aos Estados Unidos pelo fim das sanções contra Cuba. Mediante seu presidente, Gaston Browne, primeiro-ministro de Antígua e Barbuda, a Caricom incitou Washington a abandonar a mentalidade da Guerra Fria. “Peço ao presidente Obama que revogue imediatamente esse embargo absurdo”. [1]

Efe

Líderes caribenhos se encontraram em Havana (capital de Cuba) neste mês paara a Caricom


Há mais de meio século os Estados Unidos impõem a Cuba sanções econômicas sumamente severas que afetam todas as categorias da população cubana e todos os setores da sociedade. Dotadas de um caráter extraterritorial e retroativo, constituem uma grave violação do direito internacional e representam o principal obstáculo ao desenvolvimento econômico da ilha.

Em outubro de 2014, pelo vigésimo terceiro ano consecutivo, 188 países votaram a favor da revogação das sanções contra Cuba na reunião anual da Assembleia Geral das Nações Unidas. Washington, outra vez, sofreu uma estrepitosa derrota política e se encontrou ilhado no cenário internacional. Só Israel deu seu apoio aos Estados Unidos.

Wikicommons
Numerosas vozes se fizeram ouvir nos Estados Unidos para reclamar uma mudança de política à administração democrata. Hillary Clinton, secretária de Estado durante o primeiro mandato de Barack Obama, pediu ao atual presidente que aliviasse o estado de sítio contra Cuba, e inclusive que eliminasse completamente as sanções por seu caráter anacrônico, cruel e ineficaz.

[Charles Crist, ex-governador democrata da Flórida]

“O embargo não alcançou os seus objetivos”, ressaltou, em seu livro Hard Choices (Escolhas Difíceis, em tradução livre), acrescentando que a hostilidade contra a ilha não era do agrado da América Latina e constituía um obstáculo ao desenvolvimento dos intercâmbios com os países do Sul. [2].

Charlie Crist, ex-governador democrata da Flórida, onde reside a maior comunidade cubana-estadunidense dos Estados Unidos, também se mostrou cauteloso em relação à manutenção das sanções. “Cheguei à conclusão que necessitamos revogar o embargo [...]. A definição de loucura é o fazer o mesmo uma e outra vez e esperar resultados diferentes”, enfatizou, recordando o caráter irracional da polícia exterior dos Estados Unidos em relação a Cuba.[3] 

HQ expõe tráfico de trabalhadores estrangeiros para indústria de TI dos EUA

Após Congresso dos EUA aprovar sanções contra Venezuela, Caracas chama medida de 'arbitrária e imoral'

EUA se infiltraram em cenário musical cubano para incentivar oposição a governo entre jovens

 

A Câmara de Comércio dos Estados Unidos, que representa o mundo dos negócios e quase três milhões de empresas, pediu que a Casa Branca estabelecesse uma nova relação com Havana. Thomas Donohue, seu presidente, viajou para Cuba e fez um chamado aos responsáveis políticos estadunidenses: “Durante demasiados anos, a relação entre nossas nações se definiu por nossas diferenças. É tempo de abrir um novo capítulo nas relações entre Estados Unidos e Cuba, e esse momento chegou [...]; é tempo de eliminar as barreiras políticas que se estabeleceram há muito tempo e apagar nossas diferenças. Isso está no interesse do povo americano e das empresas americanas [4]” . Donohue ficou encantado com a beleza da ilha: “Cuba é um lugar maravilhoso”. Pediu que Obama revogasse as restrições que pesam sobre os cidadãos estadunidenses, aos quais se proíbe viajar para Cuba, quando podem ir a qualquer outro país do mundo. “Esperamos que os estadunidenses que não tenham família em Cuba possam viajar também”.[5] 

Efe

Presidente de Cuba, Raúl Castro recebeu chefes de Governo e de Estado na ilha


Em um longo editorial, o New York Times pediu a Washington que mudasse sua política e estabelecesse uma relação mais apaziguada com Havana:

“Pela primeira vez em mais de meio século, mudanças na opinião pública estadunidense e uma a série de reformas em Cuba fizeram com que seja politicamente viável retomar as relações diplomáticas e acabar com um embargo insensato [...]. Obama deve aproveitar a oportunidade para dar um fim à uma larga era de inimizade e ajudar um povo que sofreu enormemente [...]. O governo [cubano] afirma que reestabeleceria com gosto as relações diplomáticas com os Estados Unidos sem condições prévias. Como primeiro passo, a Casa Branca deve retirar Cuba da lista que o Departamento de Estado mantém para penalizar países que apoiam grupos terroristas [...]. Atualmente, o governo estadunidense reconhece que Havana tem um papel construtivo no processo de paz da Colômbia, servindo de anfitrião aos diálogos entre o governo colombiano e os líderes da guerrilha. As sanções dos Estados Unidos à ilha começaram em 1961 com o objetivo de tirar Fidel Castro do poder. Ao longo dos anos, vários líderes estadunidenses concluíram que o embargo foi um fracasso [...]. Segundo uma pesquisa recente, 52% dos estadunidenses de origem cubana em Miami pensam que é necessário acabar com o embargo. Uma ampla maioria quer que os países voltem a ter relações diplomáticas, uma posição que é compartilhada pelo eleitorado estadunidense em geral.”[6] 

Até a Igreja Católica cubana criticou a política dos Estados Unidos durante a Conferência dos Bispos Católicos de Cuba (COCC, por sua sigla em espanhol). “A população sofre o isolamento do qual Cuba é objeto por parte dos Estados Unidos porque essa política contribui para aumentar as dificuldades dos mais fracos”. [7] 

Ao persistir na aplicação de uma política obsoleta que remonta à Guerra Fria, que afeta os setores mais frágeis da sociedade cubana, Washington se encontra ilhado na comunidade internacional, que não compreende a crueldade de manter um estado de sítio ineficaz e contraproducente. Agora, o único país da América que não tem relações diplomáticas e comerciais normais com Cuba é os Estados Unidos. A dois anos do final de seu segundo mandato, seria sensato que Barack Obama desse ouvidos à essa reinvindicação unânime e aceitasse o ramo de oliveira que Havana está oferecendo.

*Doutor em Estudos Ibéricos e Latino-americanos da Universidade Paris Sorbonne-Paris IV,  Salim Lamrani é professor-titular da Universidade de la Reunión e jornalista, especialista nas relações entre Cuba e Estados Unidos. Seu último livro se chama The Economic War Against Cuba. A Historical and Legal Perspective on the U.S. Blockade, New York, Monthly Review Press, 2013, com prólogo de Wayne S. Smith e prefácio de Paul Estrade.

http://monthlyreview.org/press/books/pb3409/
Contato: lamranisalim@yahoo.fr ; Salim.Lamrani@univ-reunion.fr
Página no Facebook: https://www.facebook.com/SalimLamraniOfficiel

[1] Le Monde, «Les pays des Caraïbes appellent à lever l’embargo ‘absurde’ contre Cuba», 8 de dezembro de 2014.
[2] Matthew Lee, «Hillary Clinton pidió fin de embargo a Cuba», The Associated Press, 6 de junho de 2014.
[3]   Agence France Presse, «Charlie Crist critica el embargo y desea viajar a Cuba», 17 de maio de 2014.
[4]RTL, «La Chambre de commerce américaine souhaite une nouvelle relation USA-Cuba», 30 de maio de 2014; AFP, «La relation USA-Cuba doit changer maintenant, selon le président de la Chambre de commerce américaine», 30 de maio 2014.
[5]Cubainformación, «Thomas J. Donohue: ‘Cuba es un lugar maravilloso. La Cámara de Comercio de EEUU defiende la libertad de viajar a Cuba’», 30 de maio de 2014. http://www.cubainformacion.tv/index.php?option=com_content&view=article&id=56740&Itemid=200700  (site consultado no dia 8 de dezembro de 2014)
[6]The New York Times, «Obama Should End the U.S. Embargo on Cuba», 11 de octubre de  2014.
[7]Nora Gámez Torres, «Iglesia Católica cubana critica política de EEUU hacia la isla», El Nuevo Herald, 9 de septiembre de 2014.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias