Hoje na História: 1935 - Morre Lawrence da Arábia

Max Altman (1937-2016), advogado e jornalista, foi titular da coluna Hoje na História da fundação do site, em 2008, até o final de 2014, tendo escrito a maior parte dos textos publicados na seção. Entre 2014 e 2016, escreveu séries especiais e manteve o blog Sueltos em Opera Mundi.

Em 19 de maio de 1935, morre T.E. Lawrence, conhecido mundialmente como Lawrence da Arábia, piloto-mecânico reformado da Royal Air Force (força aérea britânica), vivendo sob um pseudônimo. Este legendário personagem foi heroi de Guerra, escritor e expert sobre temas árabes. Sucumbiu aos ferimentos recebidos num desastre de motocicleta cinco dias antes.
 
Thomas Edward Lawrence nasceu em Tremadoc, no País de Gales, em 1888. Em 1896, sua família mudou-se para Oxford. Lawrence estudou arquitetura e arqueologia. Viajou em 1909 para a Síria e Palestina, então controladas pelo Império Otomano (Turquia) em trabalhos de arqueologia. Em 1911, ganhou uma bolsa de estudos, juntando-se a uma expedição que iria fazer uma pesquisa arqueológica num antigo povoado Hitita, às margens do rio Eufrates. Trabalhou durante três anos e em seu tempo livre viajou e estudou o idioma árabe. Em 1914, explorou a península do Sinai, perto da fronteira da Arábia, controlada pelo Império Otomano e do Egito, controlado pelo Império Britânico. Os mapas que Lawrence e seus colegas elaboraram tiveram um imediato valor estratégico assim que estourou a guerra entre o Reino Unido e o Império Otomano em outubro de 1914.

Lawrence alistou-se no exército britânico e, devido à sua perícia em assuntos árabes, foi indicado para trabalhar no Cairo como oficial de inteligência. Passou mais de um ano no Egito processando informações de inteligência e em 1916 acompanhou um diplomata inglês à Arábia, onde Hussein ibn Ali, o emir de Meca, havia proclamado uma revolta contra o governo turco. Lawrence convenceu seus superiores a apoiar a rebelião de Hussein. Foi então enviado para juntar-se ao exército árabe comandado por Faiçal, filho de Hussein, como oficial de ligação.
 
Sob a orientação de Lawrence, os árabes desencadearam uma verdadeira Guerra de guerrilhas contra as linhas turcas. Ele se revelou como um talentoso estrategista militar e passou a ser enormemente admirado pelo povo beduíno da Arábia. Em julho de 1917, as forças árabes capturaram Aqaba perto da península do Sinai juntando-se às tropas britânicas em marcha sobre Jerusalém. Lawrence foi promovido ao posto de tenente-coronel. Em novembro, foi capturado pelos turcos enquanto realizava uma ação de reconhecimento atrás das linhas inimigas vestido com trajes árabes, sendo torturado e abusado sexualmente antes de conseguir escapar. Voltou a juntar-se ao seu exército, que lentamente avançada rumo ao norte em direção a Damasco, que finalmente caiu em outubro de 1918.
 
A Arábia foi libertada, mas a esperança de Lawrence que a península poderia buscar a unificação como uma só nação foi defraudada quando o funcionalismo árabe passou ao primeiro plano depois da tomada de Damasco. Lawrence, exausto e decepcionado regressou à Inglaterra. Sentindo que o governo britânico havia exacerbado as rivalidades entre as distintas seitas árabes, compareceu diante do rei Jorge V e polidamente recusou as medalhas que lhe eram oferecidas.
 
Após a guerra, pressionou duramente pela independência dos países árabes e apareceu na Conferência de Paris em trajes árabes. Tornou-se algo como uma figura legendária ainda em vida. Em 1922 recusou indicações a altos postos bem pagos da administração britânica para se alistar na Royal Air Force sob o nome que passara a adotar John Hume Ross. Acabara de concluir sua monumental memória de guerra, Os Sete Pilares da Sabedoria, e tinha esperança de livrar-se de sua fama para reunir material para um novo livro. Descoberto pela imprensa, foi demitido. Mas em 1923 tratou de se alistar como soldado raso no Corpo de Blindados do Exército Britânico sob outro adotado nome, T.E. Shaw, uma referência ao seu amigo, o escritor irlandês George Bernard Shaw. Em 1925, Lawrence juntou-se novamente a RAF e dois anos mais tarde mudou legalmente seu último sobrenome para Shaw.

Em 1927, uma versão resumida de suas memórias foi publicada e gerou uma tremenda publicidade, mas a imprensa mostrou-se incapaz de localizá-lo (estava servindo numa base na Índia). Em 1929, retornou à Inglaterra e passou os seis anos seguintes escrevendo e trabalhando como mecânico da RAF. Em 1932, sua tradução para o inglês da Odisseia de Homero foi publicada sob a autoria de T.E. Shaw. O Mint, uma versão adaptada do treinamentos para recrutas da RAF só foi publicada em 1955 devido aos detalhes ali descritos.
 
Em fevereiro de 1935, Lawrence foi afastado da RAF indo para sua modesta casa de campo em Clouds Hill, Dorset. Em 13 de maio, feriu-se gravemente quando dirigia sua motocicleta nas aforas de Dorset. Deu uma guinada em seu veículo para evitar atropelar dois ciclistas. Morreu em 18 de maio no hospital de campanha de sua ex-RAF. Na verdade, todos os britânicos prantearam seu falecimento.

Hoje na História: 1989 - Salvador Dalí, ícone do surrealismo, morre na Catalunha aos 84 anos

Hoje na História: 1836 - Espanha reconhece independência do México por meio de Tratado Santa María-Calatrava

Hoje na História - 1737: Morre Antonio Stradivarius, fabricante de violinos

 

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias