Refugiados e o temor do Golfo Pérsico: porque países da região se omitem na crise

Questões internas causadas, direta e indiretamente, por refugiados nas últimas décadas poderiam explicar a atual postura dos países do Golfo

Compreender o Oriente Médio não é tarefa fácil, em especial quando se desconsidera sua história recente. Crítica recorrente em relação ao deslocamento de refugiados é o fato de que os países economicamente ricos do Oriente Médio não se esforçam para receber essas pessoas, em sua maioria sírios. Humanitariamente, virar as costas para refugiados é uma atitude condenável, especialmente quando se tratam de nações que possuem recursos disponíveis; recentemente, as nações do Golfo Pérsico anunciaram contribuições de bilhões de dólares para refugiados. Para uma crítica sustentada e construtiva, entretanto, deve-se primeiro contextualizar os motivos e os interesses dessa omissão dos países da região. Resgatar a memória dos refugiados palestinos na região após 1948, seus episódios de instabilidade relacionados e também decorrentes, ajuda na compreensão da atualidade.

Após a partilha da região da Palestina e a formação do Estado de Israel, cerca de 700 mil palestinos fugiram ou foram expulsos de suas antigas casas, seja por estar em território agora cedido a Israel, seja em decorrência do conflito subsequente. O número bruto pode não soar grande, mas se deve lembrar de que isso equivale a cerca de 80% da população da região. Nos primeiros anos seguintes ao conflito, cerca de outros 40 mil palestinos foram deslocados e, após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, quando Israel ocupou a Cisjordânia, mais 300 mil palestinos viraram refugiados. Ironia trágica, muitos dos refugiados de 1967 foram deslocados originalmente em 1948.

A maioria dos refugiados palestinos no período deslocou-se para o vizinho Reino da Jordânia, um povo etnicamente também palestino e, em sua maioria, também sunita. Inclusive, boa parte dos palestinos que residia na Cisjordânia já possuía nacionalidade jordaniana, pois a região foi anexada pela Jordânia até a ofensiva israelense de 1967. Nos anos seguintes, tensões internas ao país cresceram. Os palestinos eram maioria populacional em um país estrangeiro, em que a agora minoria jordaniana tinha total representação e controle do governo. Com crescentes tensões tanto com Israel quanto com o governo do rei Hussein, a Organização para a Libertação da Palestina radicalizou ainda mais, tornando-se um “Estado dentro do Estado”, com milícias armadas e administrações de campos palestinos. 

Agência Efe

Com a fronteira para a Hungria fechada, refugiados tentam chegar na Alemanha pela Croácia

Beirute: Manifestantes jogam bombas em palácio ministerial do Líbano em novo protesto

Moscou confirma que militares estão presentes na Síria e que voos humanitários levam armas

Quatro anos após invasão de embaixada, Israel reabre representação no Egito

 


O ápice da disputa ocorreu em setembro de 1970, conhecido como Setembro Negro, e durou até julho de 1971. Uma guerra interna pelo controle e hegemonia dentro da Jordânia, disputada entre a OLP de Yasser Arafat e as forças armadas do rei Hussein. O episódio batizou a organização que executou onze membros da delegação israelense na Olimpíada de Munique de 1972. Após a derrota da OLP e milhares de mortos, a organização e seus militantes foram banidos para o Líbano. Grupos armados palestinos já operavam contra Israel no sul do Líbano, com “vistas grossas” do governo libanês, após articulação do líder egípcio e mentor do nacionalismo pan-árabe Gamal Abdel Nasser.

O próprio Nasser teve problemas internos com deslocamento de palestinos, já que, após o armistício entre Egito e Israel, a Faixa de Gaza foi formada e colocada sob autoridade egípcia. A situação permaneceria até a citada Guerra dos Seis Dias, quando Gaza foi ocupada por Israel. No período, a Faixa de Gaza era, nominalmente, administrada pelos palestinos dentro do Egito; na prática, o governo egípcio ocupou e anexou o território. Os palestinos de Gaza não receberam nacionalidade egípcia, ao contrário dos palestinos da Cisjordânia com a Jordânia. O trânsito foi restrito pelo governo egípcio, causando crises de abastecimento e protestos.

As crises internas causadas pelo deslocamento de refugiados palestinos não acabam com os casos citados. O Líbano, historicamente, é um país multirreligioso e seu país tinha um governo com representação divida pela proporção religiosa. Com a chegada de refugiados palestinos ao país ainda na década de 1940, essa proporção foi afetada. Após 1967, a demografia do país ficou ainda mais desproporcional; o banimento da OLP para o Líbano foi o estopim que transformou a tensão interna em guerra civil em 1975. Novamente a OLP criou um “Estado dentro do Estado”, afetando não somente a delicada demografia libanesa, mas também sua política. A disputa de poder interna, com choques sectários entre palestinos e cristãos maronitas, e o uso do Líbano como plataforma de lançamento de ataques contra Israel colocam os palestinos como uma facção protagonista da guerra entre 1975 e 1982.

Após 1982, a OLP é expulsa para a Tunísia e, de 1982 até 1990, o conflito, além de sectário, teria protagonistas internacionais, Israel e Síria; essa, é claro, é uma perspectiva resumida, já que a complexidade da guerra no Líbano é grande e escapa ao texto. A participação da OLP no conflito foi central para a intervenção militar da ONU na guerra, uma força intencionalmente muçulmana em sua maioria, e o Acordo de Taif, em 1989, estabeleceu o Líbano como de maioria islâmica e de influência síria. Como exemplo mais recente da relação entre refugiados palestinos com instabilidade interna no Oriente Médio, pode-se citar a Guerra do Golfo, tema de texto recente em Opera Mundi.

Saddam Hussein, antigo líder do Iraque, apoiava a OLP e outros grupos palestinos, com suporte político, financeiro e bélico. Parte desse apoio era dirigido ao conflito, agora diplomático, com Israel. A invasão iraquiana do Kuwait recebeu declarações de apoio de Yasser Arafat, líder da OLP; a solução do conflito entre israelenses e palestinos foi, inclusive, usada como moeda de troca por Saddam em negociações. Em decorrência do conflito e dessa relação, cerca de 400 mil palestinos que viviam no Kuwait fugiram ou foram forçados para fora do país durante e após a guerra. A distensão acabaria apenas em 2004, após a morte de Arafat, quando Abbas, atual líder palestino, pediu desculpas pela postura da OLP durante a guerra.

Os problemas internos causados, direta e indiretamente, pelos refugiados palestinos nas últimas décadas poderiam, então, contribuir na explicação da atual postura dos países do Golfo, especialmente a Arábia Saudita. Centenas de milhares de refugiados sírios, em sua maioria alauítas, poderiam ser um fator de desestabilização em países sunitas e “ocidentalizados”. A justificativa geográfica às vezes utilizada não é razoável; argumenta-se que o deslocamento de refugiados sírios para os países do Golfo é impedida pela própria área dominada pelo autointitulado Estado Islâmico. Isso não é verdadeiro, já que, segundo o ACNUR (Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados), cerca de 600 mil sírios estão na Jordânia, país que possui fronteiras com a Arábia Saudita.

Se o histórico dos refugiados palestinos pode explicar parte da atitude dos países do Golfo Pérsico, está longe de justificar, pois os atuais refugiados sírios são decorrentes de uma guerra que conta com a influência desses países, especialmente a Arábia Saudita. A Síria possui maioria demográfica sunita, mas um governo alauíta, próximo aos xiitas. As ligações entre a monarquia saudita e a “oposição síria” sunita, o embrião do que posterirmanete seria o atual EI, são documentadas, como também visto em Opera Mundi. A guerra na Síria tem suas origens no constante crescimento geopolítico da sunita Arábia Saudita, fortalecendo seus aliados e disputando especialmente com o rival regional, o xiita Irã. A atual guerra no Iêmen e a tensão entre governo libanês e Hezbollah são outras facetas dessa disputa. Os países do Golfo e a Arábia Saudita, acima de temer crises internas causadas por refugiados sírios, são parcialmente responsáveis por esses mesmos refugiados e o preço, humanitário e em vidas, que está no centro das atenções do mundo. 

*Filipe Figueiredo é o redator do blog Xadrez Verbal



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Antes de fevereiro

A profundidade da crise social, econômica e militar na Rússia, somada à consciência política e organização da classe trabalhadora, estavam muito à frente de qualquer outro lugar do mundo no inverno de 1916-1917

 

Mais Lidas