Presidente da Turquia classifica oficialmente grupo de líder opositor como terrorista

Movimento Hizmet, do líder religioso Fethullah Gülen, é acusado por Erdogan de conspirar para derrubar o atual governo turco

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, incluiu nesta terça-feira (31/05) o movimento do líder religioso Fethullah Gülen entre os grupos oficialmente considerados terroristas pelo país. Gülen, que está autoexilado nos Estados Unidos há mais de 10 anos, é um dos principais opositores a Erdogan.

“Nós não iremos deixar que aqueles que dividem a nação se safem”, declarou Erdogan na cidade turca de Izmir. “Eles serão responsabilizados, alguns fugiram e alguns estão na prisão e atualmente estão sendo julgados. O processo irá continuar”.

EFE

Segundo opositores, o presidente Erdogan tem reprimido personalidades e veículos de imprensa contrários a seu governo

O presidente turco disse ainda que sua equipe aprovou o uso do termo “grupo terrorista gülenista” para se referir ao Hizmet, movimento do líder opositor. Segundo o site Turkish Minute, nesta terça autoridades turcas prenderam 12 pessoas e detiveram outras 71 sob a acusação de serem integrantes ou apoiadoras do grupo de Gülen. A operação ocorreu em diversas cidades do país, incluindo a capital Ancara.

Erdogan acusa Gülen de conspirar para retirá-lo do governo da Turquia. Segundo o presidente, Gülen criou uma rede de apoiadores em setores como a Justiça, imprensa e educação com o intuito de derrubar Erdogan, o que Gülen nega. Os dois foram aliados até 2013, ano em que promotores vistos como próximos a Gülen iniciaram investigações de corrupção contra pessoas próximas a Erdogan.
 

Ex-prefeito de Londres vence concurso de 'poema mais ofensivo' contra presidente da Turquia

Parlamento turco aprova fim de imunidade parlamentar; opositores veem perseguição política

Charge do Latuff: Extrema-direita é derrotada em eleições presidenciais acirradas na Áustria

 

O presidente da Turquia inicia nesta terça uma viagem à África, região onde, segundo Erdogan, Gülen é influente. “Nós consideramos a rede de Gülen uma ameaça à segurança nacional e a questão de sua influência frequentemente surge em nossas discussões com líderes africanos”, disse uma fonte próxima a Erdogan ao jornal britânico The Guardian, sob condição de anonimato.

Erdogan visitará Uganda e Quênia nesta semana. “Nessas viagens, será explicado que se trata de uma organização terrorista danosa à Turquia e que a Turquia não a apoia”, disse outra fonte próxima ao presidente, se referindo ao Hizmet.

Erdogan é acusado por opositores de, nos últimos meses, promover uma investida contra a liberdade de expressão de veículos, personalidades e jornalistas críticos ao governo.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas