Aula Pública Opera Mundi: por que o mundo precisa conhecer a história da África?

No sétimo episódio da quarta temporada, o professor da UFABC Muryatan Barbosa discute os desafios dos países africanos na contemporaneidade

Opera Mundi TV

Muryatan Barbosa discute história e questões contemporâneas do continente africano


No sétimo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Muryatan Barbosa, doutor em História Social pela USP e professor da UFABC, discute os desafios políticos e sociais do continente africano na contemporaneidade. Para o especialista, há um movimento de reconstrução da história africana que nasce, estruturalmente, do crescimento econômico e social experimentado pelos países do continente nos últimos 15 anos. 

"A imagem que temos de miséria e pobreza na África surge a partir de um olhar para os anos de 1980 e 1990, quando o processo de desenvolvimento foi bloqueado por conta das políticas neoliberais no continente. Entre o final dos anos 1990 e começo dos anos 2000, temos uma retomada no crescimento e no desenvolvimento africano. No entanto, isso não significa que todos países superam os problemas, pois isso depende muito da política interna de cada país. Estamos falando de 54 países, cada qual com sua história. Porém, em termos gerais, em relação os anos de 1980 e 1990, o caminho seguido pelos países africanos é positivo. Com essas novas dinâmicas, cresce o esforço de construção da história africana para além da perspectiva eurocêntrica", analisa Muryatan Barbosa.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Muryatan Barbosa: por que o mundo precisa conhecer a história da África?


Na segunda parte da Aula Pública, Muryatan responde perguntas do público da UFABC, em São Bernardo do Campo

Aula Pública Opera Mundi: Qual é o futuro da leitura no mundo?

Aula Pública Opera Mundi: A crise política é brasileira ou internacional?

Aula Pública Opera Mundi: O Direito da ditadura ainda está entre nós?

 

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas