Aula Pública Opera Mundi: de quem é a responsabilidade pela violência policial?

No décimo episódio da quarta temporada, Jacqueline Sinhoretto discute por que a polícia militar brasileira regista um dos maiores índices de letalidade no mundo

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Jacqueline Sinhoretto discute segurança pública e violência policial


No décimo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Jacqueline Sinhoretto, doutora em Sociologia pela USP e coordenadora do Grupo de Estudos sobre a Violência e Administração de Conflitos (GEVAC) da UFSCar, discute o futuro da polícia militar no Brasil. Para a especialista, é fundamental discutir novos parâmetros de segurança pública para frear o alto índice de violência policial no país.

"Segurança pública não é uma questão apenas de polícia. Precisamos discutir o modelo de policiamento e o foco que está colocado no assunto. Grande parte da violência está concentrada para fazer o controle ilegal de crimes que envolvem a circulação de dinheiro. Assim, podemos ver claramente que a política de segurança pública visa crimes contra o patrimônio ou drogas. 70% das pessoas que são presas respondem por esses dois crimes. Menos de 7% das pessoas que estão presas em SP cometeram crimes contra a vida. Portanto, não é o crime contra a vida que é o foco da política criminal", analisa.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Jacqueline Sinhoretto: de quem é a responsabilidade pela violência policial?


Na segunda parte da Aula Pública, Jacqueline Sinhoretto responde perguntas do público da Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo

Aula Pública Opera Mundi: Gênero se aprende na escola?

Aula Pública Opera Mundi: O Direito da ditadura ainda está entre nós?

Aula Pública Opera Mundi: existe solução para a atual crise de refugiados?

 


Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Antes de fevereiro

A profundidade da crise social, econômica e militar na Rússia, somada à consciência política e organização da classe trabalhadora, estavam muito à frente de qualquer outro lugar do mundo no inverno de 1916-1917

 

Mais Lidas