Aula Pública Opera Mundi: o que o fim da União Soviética representou para a esquerda?

No novo episódio da Aula Pública, Gilberto Maringoni discute os efeitos da geopolítica mundial após 25 anos sem a URSS como estado único

Opera Mundi TV

Gilberto Maringoni analisa a geopolítica mundial 25 anos após o fim da União Soviética


No novo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Gilberto Maringoni, jornalista e doutor em História Social pela USP, discute os 25 anos do fim da União Soviética como Estado único. Para o especialista, a queda determinou a reorganização da geopolítica mundial, criando uma unipolaridade em torno dos EUA. 
 

Saiba mais sobre a campanha de assinatura solidária de Opera Mundi

"A queda da União Soviética não pode ser vista apenas como a redução do tamanho de um país. Logo após a queda do Muro de Berlim, a derrocada soviética em 1991 está dentro de um contexto da falência do socialismo real num espaço de tempo muito curto. Isso trouxe consequências importantes para a reorganização da geopolítica mundial, pois a polaridade do mundo durante a Guerra Fria dava às disputas internacionais uma certa previsibilidade. Com o fim da União Soviética, a potência dominante passou a determinar o roteiro. Por exemplo, antes do fim da Guerra Fria, os EUA haviam realizado 16 intervenções militares diretas. Apenas de 1993 até 2001, foram 48 intervenções", explica Maringoni.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Gilberto Maringoni: o que a queda da União Soviética representou para a esquerda mundial?


No segundo bloco, Gilberto Maringoni responde perguntas do público da UFABC, São Bernardo do Campo

Aula Pública Opera Mundi: por que o mundo precisa combater a intolerância religiosa?

Aula Pública Opera Mundi: Qual é a imagem do Brasil no exterior?

Aula Pública Opera Mundi: como deve ser a educação das relações étnico-raciais?

 


Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas