Aula Pública Opera Mundi: a integração na América do Sul está em risco?

No novo episódio da Aula Pública, Tatiana Berringer, professora da UFABC, discute qual o futuro da integração regional com o avanço de grupos conservadores

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Tatiana Berringer analisa a integração na América do Sul

No novo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Tatiana Berringer, professora de relações internacionais da UFABC (Universidade Federal do ABC) e doutora em Ciência Política pela Unicamp, analisa as reconfigurações sociais e econômicas na América Latina com o avanço de grupos conservadores. Para a especialista, criar laços produtivos entre os países é um dos principais desafios da integração na região. No entanto, esses processos ainda dependem da orientação política dos governos eleitos de cada país.

"O objetivo da integração é aprofundar o desenvolvimento econômico, industrial e social a fim de garantir uma maior margem de manobra da região diante do sistema internacional e das grandes potências. No entanto, mesmo com 25 anos de Mercosul e 10 anos da Unasul, entramos em um momento de muita instabilidade na região, pois esses processos de integração dependeram de governos eleitos e da coordenação política dos movimentos progressistas. Com a eleição de Macri na Argentina, a crise na Venezuela e o afastamento de Dilma, há uma mudança nesse cenário", diz Tatiana Berringer.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Tatiana Berringer: a integração na América do Sul está em risco?


Na segunda parte da Aula Pública, Tatiana Berringer responde perguntas do público da UFABC, em São Bernardo do Campo

Congressistas norte-americanos pedem que EUA 'tenham cautela' e evitem apoiar Temer e impeachment de Dilma

TVT exibe nesta quinta, às 20h, Aula Pública Opera Mundi sobre integração na América Latina

Aula Pública Opera Mundi: o que o fim da União Soviética representou para a esquerda?

 

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas