Detenção de adolescentes em ato contra Temer foi 'aberração jurídica', diz advogado

Prisão de oito jovens – antes de manifestação ser iniciada – desrespeitou Estatuto da Criança e do Adolescente; mesmo sem comprovação da acusação, eles foram encaminhados à Fundação Casa

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A detenção de oito adolescentes – cinco meninos e três meninas – no domingo (04/09) horas antes da manifestação por eleições diretas e contra Michel Temer, realizada na Avenida Paulista, em São Paulo, foi considerada ilegal pelo advogado e membro do Conselho Estadual de Direitos Humanos, Ariel de Castro Alves. "A apreensão deles por ato infracional sem violência foi uma verdadeira aberração jurídica. Isso só pode ocorrer em caso de crime com violência, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)", explicou.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Ainda segundo o advogado, os pais dos jovens deviam ter sido chamados à delegacia, de onde deveriam ser encaminhados para suas casas. Mas, ao contrário, os adolescentes foram mantidos sem comunicação com os pais, e depois encaminhados para unidades da Fundação Casa. "A apreensão foi completamente ilegal. Deveriam ter sido liberados na delegacia e entregues, sob termo de responsabilidade, aos pais ou responsáveis", ressaltou Alves.

Roberto Parizotti / CUT

Advogado diz que detenção de oito adolescentes em ato contra Temer foi ilegal

Os oito foram ouvidos por promotores da infância e juventude no Fórum do Brás, por volta das 20h de ontem, acompanhados de dois advogados e seus pais. A Vara Especial da Infância e Juventude aceitou o pedido de liberdade feito pelo Ministério Público. O grupo de adolescentes saiu das unidades da Fundação Casa por volta das 22h, em companhia de seus pais e conselheiros tutelares. Ainda não há definição sobre a continuidade ou arquivamento da ação de ato infracional.
 

Brasil em transe: crise política, golpe de Estado e perspectivas da esquerda

Polícia dispersou marcha pacífica, diz Reuters; imprensa repercute repressão da PM a protesto contra Temer

Chanceler uruguaio diz que governo reconhece Michel Temer, mas que impeachment foi 'injusto'

 

A Polícia Militar alega que os adolescentes tinham intenção de promover atos de vandalismo e violência durante a manifestação. Além deles foram detidos 18 adultos, nas mesmas condições. A PM apresentou uma série de objetos que estariam de posse deles, como máscaras de gás, vinagre, pedras, câmeras e pilhas. Também foi dito que um deles trazia consigo uma barra de ferro. Porém, nas próprias imagens divulgadas pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) não havia barra de ferro entre os pertences.

Os 18 adultos foram liberados por volta das 20h de ontem. Além da "prisão para averiguação", ilegal no Brasil, os 26 detidos foram mantidos incomunicáveis por até 12 horas. Nem mesmo defensores públicos e advogados puderam entrar na delegacia para conversar com eles. Depoimentos foram tomados pelo delegado sem a presença de advogados.



*publicado originalmente em Rede Brasil Atual

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo