Encontro com Kabengele Munanga aborda trajetória do antropólogo congolês; assista

Munanga também é ativista dos direitos da população negra; nesse encontro, ele falará de sua trajetória para abordar situação racial no Brasil

Em evento na USP nesta quarta-feira (28/09), a história do antropólogo congolês, professor titular da FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas) e um dos maiores especialistas da presença africana no Brasil, Kabengele Munanga, será o tema inicial para uma discussão sobre as relações étnico-raciais no Brasil, racismo e antropologia da população afro-brasileira.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em Trajetória entre Culturas: Kabengele Munanga, um intérprete africano no Brasil, o antropólogo falará sobre sua infância no Zaire — atual República Democrática do Congo —, a graduação no país e o doutorado que, iniciado na Bélgica, concluiu na USP.

Na Assembleia Geral da ONU, Cuba rechaça golpe no Brasil e expressa solidariedade a Dilma

Opinião: José Serra, um chanceler 'decorativo'

Encontro com Kabengele Munanga aborda trajetória do antropólogo congolês; assista

 

Ativista pelos direitos da população negra no Brasil, Kabengele é defensor das cotas raciais em universidades e faz parte do Grupo de Pesquisa Diálogos Interculturais do IEA (Instituto de Estudos Avançados) da USP, que organizou o encontro desta quarta.

Também participarão da discussão a linguista Ligia Fonseca Ferreira e a cientista social Maura Véras. O encontro foi organizado por elas juntamente com a psicóloga e coordenadora do grupo de pesquisa da IEA Sylvia Dantas, a cientista social Adriana Capuano de Oliveira e o linguista Paulo Farah.

 



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas