Jornalista diz ter descoberto identidade de Elena Ferrante, autora de 'A Amiga Genial'

Verdadeira autora seria a tradutora Anita Raja, colaboradora da Edizioni E/O, editora que publica os livros da escritora conhecida pelo pseudônimo

Um dos maiores mistérios da literatura moderna é a verdadeira identidade de Elena Ferrante. E um jornalista italiano garante que conseguiu descobrir o nome de quem escreveu "A Amiga Genial", "Dias de Abandono" e as outras obras assinadas sob o pseudônimo.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A verdadeira autora seria a tradutora Anita Raja, colaboradora da Edizioni E/O, editora que publica os livros de Elena Ferrante, de acordo com o jornalista Claudio Gatti, que fez o anúncio em jornais do mundo todo.

Filha de um magistrado italiano e de uma alemã que imigrou para o país ao fugir do Holocausto, Raja mora com o marido, o também escritor napolitano Domenico Startone.

A investigação foi baseada no aumento do montante pago à tradutora pela editora Edizione E/O. Em 2014, ano em que os livros de Ferrante foram editados fora da Itália, a receita cresceu 65% e atingiu 3 milhões de euros. Já em 2015, saltou para 150%, alcançando 7,6 milhões.

Gatti também teve acesso a registros imobiliários que indicaram que, em 2000, pouco tempo depois do primeiro livro da autora ser adaptado para o cinema, Raja adquiriu um apartamento próximo à Vila Torlonia, área nobre de Roma.

Vende-se casa de Thomas Mann na Califórnia

Gabriel García Márquez passa a estampar nota de 50 mil pesos na Colômbia

Federico García Lorca: o que há por trás de sua morte há 80 anos?

 

Reprodução/YouTube

Elena Ferrante é a tradutora Anita Raja (foto), afirma jornalista

Desde então, o casal tem comprado outros imóveis, como uma casa de campo na Toscana e outro apartamento na capital italiana, avaliado em quase 2 milhões de euros.

No início deste ano, o jornalista entrou em contato com Ferrante por e-mail para questionar sua identidade e a responsável pelas obras respondeu que se mantinha no anonimato para se livrar da pressão social.

"O desejo de retirar-se de todas as formas de pressão social ou obrigação. Não se sentir preso ao que poderia se tornar se fosse uma imagem pública", escreveu.

As evidências documentais foram entregues à editora de Ferrante, que criticou a apuração do repórter, alegando que "esse tipo de jornalismo é nojento".

Em comunicado em seu site, a Edizione E/O afirmou que "repugna ver uma grande escritora italiana, amada e celebrada em nosso país e no mundo, ser tratada como uma criminosa".

Elena Ferrante é sucesso absoluto na Itália há mais de 20 anos e nunca revelou sua identidade. Sua "série napolitana", dividida em quatro livros, foi responsável pela indicação da escritora em 2016 ao Man Booker International Prize, um dos mais prestigiados prêmios literários do mundo.

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Antes de fevereiro

A profundidade da crise social, econômica e militar na Rússia, somada à consciência política e organização da classe trabalhadora, estavam muito à frente de qualquer outro lugar do mundo no inverno de 1916-1917

 

Mais Lidas