Análise: Um prêmio a um trovador moderno

Deutsche Welle
Bob Dylan é dono de uma invejável coleção de poemas cantados, ligando-o à tradição milenar da poesia oral

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A Academia Sueca anunciou nesta quinta-feira (13/10) em Estocolmo, com felicidade audível dos jornalistas presentes, que o prêmio Nobel de Literatura em 2016 vai para o cantor, poeta e escritor americano Bob Dylan.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Cotado para o prêmio desde a década de 1990, o anúncio não é uma grande surpresa, ainda que se trate de um artista conhecido por sua música e, portanto, um azarão diante de nomes como Haruki Murakami, Philip Roth, Adonis e outros eternos candidatos.

Bob Dylan é autor, além de um volume de memórias, de um livro que poderia enquadrá-lo entre os escritores propriamente ditos: a coletânea Tarantula, publicada em 1971.

Poemas em prosa, contos surreais, literatura do absurdo, Tarantula é um livro inclassificável. Críticos veem nele a influência de autores das décadas de 1950 e 1960, especialmente prosadores como Jack Kerouac e poetas como Allen Ginsberg, da Geração Beat.

Certamente, porém, não é por Tarantula que Bob Dylan vence este prêmio, mas por poemas como Desolation Row, Masters of War e Hurricane, sua invejável coleção de poemas cantados, ligando-o à tradição milenar da poesia oral que informou toda a tradição trovadoresca do Ocidente, desde a Idade Média até chegar aos dias de hoje.

Nana Tucci/Agência Rabuda

Bob Dylan caminhando em Copacabana, em abril de 2012, passando despercebido pelo bairro

Bob Dylan ganha Nobel de Literatura de 2016

Italiano Dario Fo, vencedor do Nobel de Literatura, morre aos 90 anos

Charge do Carvall: Bob Dylan e o que todos nós temos em comum

 

Como disse a secretária permanente da Academia Sueca, Sara Danius, o astro da música folk e do rock foi escolhido por criar "novas expressões poéticas dentro da grande tradição musical americana".

"Se olhar para trás, você descobre Homero e Safo: ele escreveram textos poéticos para serem representados. E com Bob Dylan é a mesma coisa", afirmou Danius. "Ele pode e deve ser lido. É um grande poeta da língua inglesa."

Influência

Dylan fez parte do chamado American Folk Music Revival, ao lado de nomes como Odetta Holmes, Joan Baez, Dave van Ronk e Buffy Sainte-Marie, assim como Phil Ochs, entre outros cantores conhecidos como poetas de protesto.

As raízes do movimento eram mais antigas, contudo, e poetas cantores como Woodie Guthrie, Lead Belly e Pete Seeger exerceram influência decisiva sobre Bob Dylan.

Vale lembrar ainda que outros poetas cantores transitaram pela literatura fazendo contribuições ainda estimadas, como John Lennon e seu A Spaniard in the Works (1965) ou Leonard Cohen e seu Beautiful Loser (1966). Cohen era já um poeta famoso quando voltou-se para a canção.

O poeta e tradutor Patrick Quillier, ele próprio um escritor que transita pela música, declarou que não o surpreende nem o incomoda que o prêmio tenha ido a alguém como Bob Dylan, vendo vários aspectos positivos.

Mas acrescentou que, apesar de todos os jogos da Academia Sueca, entristece-o ver uma vez mais o prêmio ir a um homem do Noroeste do globo, esnobando uma vez mais a literatura da América Latina, da África e da Ásia.

Neste século, com a exceção de autores como o chinês Mo Yan ou o peruano Mario Vargas Llosa, a grande maioria dos ganhadores veio da Europa. No Brasil, onde a tradição da poesia cantada ainda é muito forte, é certo que o prêmio reanimará os velhos debates sobre poesia e letra de música.

Contracultura

Bob Dylan nasceu Robert Zimmerman em Duluth, no estado americano de Minnesota, em 1941. Inspirado por figuras como Little Richard, Woodie Guthrie, Robert Johnson e Hank Williams, começou sua carreira em Nova York e no circuito de songwriters.

Álbuns seus como Highway 61 Revisited (1965) e Blonde on Blonde (1966) são considerados clássicos da música popular americana e mundial. Articulado, erudito, tornou-se uma das figuras políticas mais marcantes e presentes da contracultura americana no final dos anos 60.

Sua perenidade na mente de artistas mais jovens pode ser atestada pelo filme I'm Not There (2007), de Todd Haynes, no qual diferentes facetas de Bob Dylan são interpretadas por atores como Christian Bale,Cate Blanchett, Marcus Carl Franklin, Richard Gere, Heath Ledger e Ben Whishaw. Bob Dylan vive hoje em Malibu, na Califórnia.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990