Com crise das velhas estruturas, sociedade terá que reinventar o jornalismo, diz Antônio Martins; assista à Aula Pública

Editor do site Outras Palavras acredita que sociedade contemporânea exige novos parâmetros de atuação para os profissionais da Comunicação

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Antônio Martins discute o futuro do jornalismo em tempos de crise  


O jornalismo deve compreender que as velhas estruturas de parlamentos, partidos políticos e economia não são capazes de atender às expectativas e entender o desejo de participação da sociedade. Sem esta percepção, não poderemos constituir uma Comunicação articuladora de sentidos, com novos parâmetros de participação cidadã. Esta é a análise do editor do site Outras Palavras, Antônio Martins, ao discutir o Jornalismo em Tempos de Crise, na Aula Pública Opera Mundi.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

"A imprensa precisa buscar o novo. Diante do impasse civilizatório em que vivemos, precisamos dar contribuições no campo da Comunicação, construindo também um novo jornalismo. A mudança não será articulada nas redações industriais - modelo que marcou o último século, com centenas de jornalistas sob a coordenação de editores. Agora temos uma nova realidade: a sociedade em rede. Ou seja, temos cidadãos bem formados, capazes de dar opiniões relevantes sobre aspectos da vida social. Temos cidadãos munidos de aparatos tecnológicos, capazes de fazer cobertura de fatos concretos. O grade desafio é: a partir dessas redes, como desenvolver a articulação de comunicadores que querem se envolver na comunicação pública, criando um novo jornalismo, democrático e verdadeiro", analisa Antônio Martins.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Antônio Martins: qual o papel do jornalismo em tempos de crise?


No segundo bloco da Aula Pública, Antônio Martins responde perguntas do público na FESPSP



Na Aula Pública, realizada na FESPSP  (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo), Antônio Martins defende que a Comunicação deve trabalhar para resolver os impasses e as polarizações que a sociedade vive. No entanto, a questão fundamental frente à perspectiva de mudança é "como fazer".

"Devemos resgatar a tradição Iluminista do jornalismo. Isso significa essencialmente a concretização de uma ideia de que as sociedades têm o direito de decidir coletivamente um futuro comum. Não cabe aos mercados e aos soberanos decidir unilateralmente o futuro de todos. Os grandes problemas que vivemos só serão resolvidos positivamente se tivermos uma sociedade capaz de compreender como o jornalismo precisa enxergar e narrar os fatos com profundidade aos cidadãos. Portanto, o jornalismo transformador deve se esforçar para enxergar os dilemas de grande relevância para a sociedade e mostrar alternativas, ao mesmo tempo, compreender a crise da modernidade", analisa Antônio Martins.

Aula Pública Opera Mundi:
Coordenação: Haroldo Sereza
Produção: Dodô Calixto
Edição de vídeo: Daniela Stéfano

Siga apuração das eleições presidenciais na Colômbia

Iván Duque e Gustavo Petro vão para 2º turno das eleições presidenciais na Colômbia

Colômbia vai às urnas neste domingo no primeiro turno das eleições presidenciais

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo