Hoje na História: 1198 - Morre o filósofo árabe Averróes, mestre na filosofia aristotélica

Seus 'Comentários' balizaram a interpretação ocidental da obra do filósofo grego
Max Altman (1937-2016), advogado e jornalista, foi titular da coluna Hoje na História da fundação do site, em 2008, até o final de 2014, tendo escrito a maior parte dos textos publicados na seção. Entre 2014 e 2016, escreveu séries especiais e manteve o blog Sueltos em Opera Mundi.

O célebre filósofo, astrônomo, médico e escritor árabe Averróes morre em 10 de dezembro de 1198 no Marrocos. Nascido Abu’l-Walid Muhammad ibn Ahmad ibn Muhammad ibn Rashid, em 1126, Averróes foi educado em sua cidade natal, Córdoba, Espanha. Seu pai e avô eram juízes de paz e desempenharam importante papel na história política da Andaluzia. Dedicou-se à jurisprudência, medicina, e matemática bem como filosofia e teologia.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Pouco antes de sua morte, o édito contra os filósofos foi revogado. Muitos de seus trabalhos em lógica e metafísica foram enviados à fogueira de modo que não pôde fazer escola. No final do domínio dos mouros na Espanha, que ocorreu pouco depois, a corrente do averroísmo passou a fluir pelo idioma latino, com o que influenciou o pensamento cristão europeu até o amanhecer da era moderna.

Estátua de Averróes em Córdoba, EspanhaA grande obra em medicina de Averróes, "Culliyyat", foi publicada como o 10º volume da edição latina das obras de Aristóteles. Seus “Comentários” sobre Aristóteles, seus trabalhos filosóficos originais e seu tratado sobre teologia chegaram até nós em traduções para o latim ou hebraico. Os "Comentários", que lhe granjeou o epíteto de “Comentador” eram de três tipos: uma curta paráfrase, uma breve exposição e uma mais extensa exposição. Nenhum deles tem qualquer valor para a crítica textual de Aristóteles, uma vez que Averroes, não tendo familiaridade com o grego, baseou suas reflexões sobre uma tradução muito imperfeita para o árabe do original grego.

Seus Comentários exerceram uma grande influência na definição da interpretação filosófica e científica de Aristóteles. Seus tratados filosóficos incluem um trabalho intitulado "Destructio Destructiones" publicado em 1497 e 1527, dois tratados sobre a união dos intelectos ativo e passivo, também em latim; tratados sobre lógica em diversas partes do "Organon", publicado sob o título de "Quaesita in Libros Logicae Aristotelis"; tratados, sobre física baseados em “Física” de Aristóteles; um tratado refutando e outro sobre a inter-relação entre filosofia e teologia.

Averróes defendia o princípio da duplicidade da verdade, sustentando que a religião tem uma esfera e a filosofia, outra. A religião se destina à multidão iletrada e a filosofia para alguns cultos. A religião ensina por meio de sinais e símbolos, a filosofia apresenta a própria verdade. Embora o filósofo observe que o que é verdade na teologia é falso na filosofia, não condena a educação religiosa, pois privaria as massas do único meio de que disporia para chegar ao conhecimento simbólico da verdade.

Wikimedia Commons

Detalhe do afresco de Andrea di Bonaiuto, Trionfo di San Tommaso d'Aquino, na igreja Santa Maria Novella, em Florença

1819 - Museu do Prado é inaugurado em Madri

Hoje na História: 1975 - Morre o ditador espanhol Francisco Franco

Hoje na História: 1900 - Morre poeta e dramaturgo Oscar Wilde

 

A filosofia de Averróes é o aristotelianismo matizado com o neo-platonismo. Nela encontramos a doutrina da eternidade da matéria como princípio positivo do ser; o conceito de multiplicidade de espíritos situa-se hierarquicamente entre Deus e a matéria, mediando entre eles; a negação da Providência no sentido comumente aceito; a noção, de emanação como substituto da criação; e, finalmente, a glorificação do conhecimento místico como a última aspiração da alma humana.

O que é peculiar na interpretação de Averróes sobre Aristóteles é o significado que dá à doutrina aristotélica do intelecto ativo e passivo. Os termos passivo, possível, material eram usados por Averroes para designar as espécies de intelecto. À parte, falava em intelecto adquirido (intellectus acquisitus), entendido como a mente individual em comunicação com o intelecto ativo. Portanto, enquanto o intelecto ativo é numericamente um, existem tantos intelectos adquiridos quanto almas individuais, com as quais o intelecto ativo entrou em contato.

A debilidade dessa doutrina como uma explanação psicológica da origem do conhecimento é sua incapacidade de levar em conta a existência da consciência, evidenciada, segundo os escolásticos na expressão “eu penso”. Outra debilidade da doutrina do monopsiquismo, ou seja, a doutrina que supõe ser a alma formada por um único fluido especial que anima os seres vivos, é que deixa sem resposta a questão da imortalidade da alma individual.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias