Partido Comunista de Cuba lamenta morte de Max Altman; veja repercussão

"Suas posições serão uma referência para o que decidimos lutar, todo o tempo, a favor de uma América Latina independente, integrada, solidária e próspera", disse partido; José Dirceu também se manifestou

Atualizada em 23.dez, às 14h04

O Comitê Central do Partido Comunista de Cuba divulgou uma nota lamentando a morte do jornalista, advogado e editor Max Altman, colunista de Opera Mundi e pai do fundador do site, Breno Altman. Max faleceu no dia 19 de dezembro, aos 79 anos.

O texto, assinado por José Ramón Balaguer, membro do comitê, afirma que Max constitui para o partido “um exemplo de revolucionário dedicado às melhores causas internacionalistas e a favor do socialismo”.

Arquivo pessoal

Max Altman morreu no dia 19 de dezembro, aos 79 anos

Argentinos saem às ruas para lembrar vítimas de ditadura militar e denunciar retrocessos em direitos humanos

Republicanos cancelam votação de lei de saúde em derrota para governo Trump, que manterá Obamacare

Caracas chama de 'servis' declarações de chanceler mexicano, que disse ser 'hora de agir' contra Venezuela

 

“Suas posições como anti-imperialista convencido serão uma referência para o que decidimos lutar, todo o tempo, a favor de uma América Latina independente, integrada, solidária e próspera (...) Homens como ele, que cumpriram bem a obra da vida, como expressou José Marti, não morrem”, afirma o texto.

Reprodução/Facebook

Nota do Partido Comunista de Cuba lamentando morte de Max Altman 

José Dirceu

O ex-ministro José Dirceu também se manifestou, por meio de carta. Segundo ele, Max “viveu como deveria viver, lutando e sonhando”. "Veio me visitar, homem contido na vida e no sofrimento, enfrentou um câncer, ao se despedir de mim seus olhos encheram de lágrimas, em o Max solidário, amigo, presente."

“Essa é a imagem que gravo para sempre. Um homem bom, humano, solidário. Nem preciso falar de sua história, sua vida é o testemunho que ele fará falta. Um revolucionário por toda vida”, afirmou Dirceu.

Reprodução/Facebook

Carta de José Dirceu a Breno Altman, filho de Max Altman

PT e PCdoB

Em nota, a direção do PT (Partido dos Trabalhadores) se solidarizou com familiares e amigos de Max Altman. 

"Max foi homem generoso, cuja fidelidade e paixão pela transformação do nosso país rumo ao socialismo e pela dedicação sem descanso à luta de todos os povos, deixa-nos um valoroso exemplo e um imenso legado de coragem e honradez", afirma o texto, assinado pelo presidente do partido, Rui Falcão, e pela secretária de Relações Internacionais, Mônica Valente.

O secretário de Relações Internacionais do PCdoB (Partido Comunista do Brasil), Reinaldo Carvalho, também lamentou o falecimento de Max. 

“Sua palavra sempre foi uma inspiração e um alento a todos os que lutam pela emancipação nacional e social dos trabalhadores e dos povos”, disse, em texto publicado no portal Vermelho. “O Partido Comunista do Brasil inclina as suas bandeiras em homenagem ao querido Max”.

Altamiro Borges e Pedro Serrano

O jornalista e coordenador do Centro de Mídia Alternativa Barão de Itararé, Altamiro Borges, também manifestou pesar pela morte de Max. “Max era um amigo afetuoso, um incansável lutador, um exemplo de solidariedade internacionalista. Triste, muito triste”, disse, também ao Vermelho.

Por sua vez, Pedro Serrano, professor da PUC-SP, disse ao Vermelho que a perda de Max é "irreparável". "Um homem raro, daqueles que não se fazem mais, dedicou a vida às causas que acreditava. Não teve tempo, portanto, para o egocentrismo tão comum em nossos tempos", afirmou.

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Antes de fevereiro

A profundidade da crise social, econômica e militar na Rússia, somada à consciência política e organização da classe trabalhadora, estavam muito à frente de qualquer outro lugar do mundo no inverno de 1916-1917

 

Mais Lidas