Estados Unidos impõem sanções econômicas e expulsão de diplomatas russos em resposta a ataques cibernéticos

Diplomatas expulsos terão 72 horas para deixar país; de acordo com governo dos EUA, eleição presidencial de 2016 sofreu interferência russa

O governo dos Estados Unidos decretou nesta quinta-feira (29/12) a imposição de sanções econômicas contra a Rússia, além da expulsão de 35 diplomatas russos pelos ataques cibernéticos que atribuiu a esse país durante a última campanha das eleições presidenciais americanas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Os 35 diplomatas da embaixada de Moscou em Washington e do consulado em São Francisco terão 72 horas para deixar o solo norte-americano, segundo o Departamento de Estado.

O presidente Barack Obama disse em um comunicado que “avisos privados e públicos foram emitidos repetidamente ao governo russo” e as novas medidas são uma “resposta necessária e apropriada aos esforços de prejudicar interesses estadunidenses, em violação de normas de conduta estabelecidas internacionalmente”.

Obama ainda afirmou que estas ações “não são a totalidade da resposta à Rússia” e que outras medidas serão tomadas, algumas das quais não serão divulgadas. O presidente dos Estados Unidos declarou que durante os próximos dias será divulgado ao Congresso um relatório sobre o papel da Rússia na eleição presidencial de 2016 que elegeu Donald Trump, cujo mandado começará em 20 de janeiro.

Agência Efe

Presidente Barack Obama afirmou que outras medidas além das anunciadas nesta quinta-feira serão tomadas contra a Rússia

Rússia chama de 'absurdas' acusações de que Putin estaria envolvido em ciberataques aos EUA

Obama diz que EUA 'devem e vão tomar medidas' contra Rússia por ciberataques

Colégio Eleitoral confirma vitória de Trump nas eleições dos EUA

 

“Estas ações foram realizadas em resposta ao assédio russo de diplomatas americanos e ações de diplomatas que não consideramos condizentes com a prática diplomática”, declarou um alto funcionário do governo estadunidense à agência de notícias Reuters.

O Departamento de Estado têm reclamado de agentes de segurança e trânsito russos perturbando diplomatas norteamericanos em Moscou. A questão foi inclusive levantada pelo secretário de Estado, John Kerry, em conversas com o presidente Vladimir Putin e o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.

Os Estados Unidos também fecharam dois complexos em Nova York e Maryland, utilizados pelo serviço de inteligência russo. Segundo a Reuters, o acesso às instalações por parte de funcionários russo seria bloqueado a partir de meio-dia de sexta-feira (30/12).

“Ao impor custos aos diplomatas russos nos Estados Unidos e negar o acesso às duas instalações, esperamos que o governo russo reavalie suas ações, que impediram a habilidade e segurança de nossos próprios funcionários da embaixada na Rússia”, afirmou o funcionário entrevistado pela agência de notícias.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.