Solução para conflito na Síria é autonomia, defende professor Reginaldo Nasser

Em entrevista, professor de Relações Internacionais da PUC-SP critica governo Assad, a forma como as potências mundiais tratam a guerra na Síria e a ação dos grupos extremistas no país

O professor de Relações Internacionais da PUC - SP Reginaldo Nasser, um dos maiores conhecedores dos conflitos no Oriente Médio, em entrevista concedida ao coletivo Jornalistas Livres, explica como surgiu a guerra na Síria. Ele não poupa o presidente Bashar al-Assad, secretário geral do Partido Baath e herdeiro de seu pai, Hafez al-Assad, que governou a Síria por 30 anos até sua morte.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo Nasser, trata-se de um governo ditatorial, que vem oprimindo de maneira cruel e sistemática a população mais pobre do país. Com tal posicionamento, o professor não isenta de críticas o Estado Islâmico, organização fundamentalista que se opõe a Assad. "São terríveis", diz. Nasser acredita que a auto-determinação do povo sírio e o resgate da política sejam a única forma de fazer cessar a carnificina e a violência vigentes naquele ponto do Oriente Médio.

 

Confira a íntegra da entrevista:

 

Não há oposição civil na Síria, somente grupos armados, diz coordenador de comissão da ONU sobre crise no país

Militares russos afirmam ter encontrado corpos torturados em fossa em Aleppo, na Síria

Síria anuncia cessar-fogo a partir de meia-noite; Putin diz que reduzirá presença militar russa em território sírio

 

Reprodução

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Homenagem à Caros Amigos

Como foi bacana chegar à banca de jornal e encontrar essa revista grandona, cheia de texto, falando coisas que eram totalmente não ditas nos grandes jornais