Zapatistas e Congresso Nacional Indígena apresentarão até maio candidata à Presidência do México

CNI e EZLN criarão um Conselho Indígena de Governo cuja porta-voz será uma mulher – mesmo nome que deve se lançar à disputa eleitoral; eleições presidenciais no país ocorrerão em 2018

O Congresso Nacional Indígena (CNI) decidiu escolher sua candidata à Presidência do México até o final de maio de 2017. O Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) manifestou seu apoio à decisão. As eleições no país devem ocorrer em 2018.

A decisão foi tomada na segunda etapa do 5º Congresso, realizada de 29 de dezembro do ano passado a 1º de janeiro de 2017. O CNI já havia anunciado a intenção de disputar as eleições ainda na primeira etapa, realizada em outubro. A ideia original era anunciar a candidata no primeiro dia do ano, aniversário do levante indígena no México.

ilf_/FlickrCC

Zapatistas anunciarão candidata indígena à Presidência do México em maio

No domingo (01/01), foi ratificada a ideia de criar um Conselho Indígena de Governo cuja porta-voz será uma mulher – mesmo nome que deve se lançar à disputa eleitoral. A previsão é que a candidatura indígena seja anunciada no dia 28 de maio. 
 

EUA: em vitória para indígenas, Exército nega permissão para trecho de oleoduto na Dakota do Norte

Senado do México aprova uso, cultivo e comercialização de maconha com fim medicinal

México foi país sem guerra onde mais se mataram jornalistas em 2016, diz Repórteres Sem Fronteiras

 

De acordo com a organização do Congresso, representantes dos 66 povos originários do México estavam presentes nas discussões. Além disso, 430 comunidades indígenas foram consultadas e se manifestaram favoravelmente à criação do Conselho de Governo.

O levante zapatista se iniciou em 1º de janeiro de 1994, no estado de Chiapas, local onde se realizou o 5º Congresso. É a primeira vez que o EZLN se propõe a apoiar uma candidatura à Presidência mexicana.



*Texto originalmente publicado em Brasil de Fato



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas