Morre Mário Soares, ex-presidente de Portugal, aos 92 anos em Lisboa

Socialista é considerado uma das figuras políticas portuguesas mais importantes dos últimos anos por sua decisiva participação na transição à democracia quando a Revolução dos Cravos pôs fim à ditadura portuguesa

O histórico dirigente socialista e ex-presidente de Portugal, Mário Soares, morreu neste sábado (07/01) aos 92 anos no Hospital da Cruz Vermelha de Lisboa, onde permanecia internado desde 13 de dezembro, informaram fontes do hospital.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O ex-mandatário foi hospitalizado no dia 13 em situação crítica e se manteve inconsciente durante três dias. No entanto, após experimentar uma melhora, deixou a terapia intensiva em 23 de dezembro.

Na noite de 24 de dezembro seu estado de saúde piorou de forma súbita e foi transferido de novo à UTI, para dois dias depois cair em "coma profundo".

Agência Efe

Mário Soares em foto de janeiro de 2015; ex-presidente e líder político português foi um dos principais atores da transição à democracia no país

Ministério Público de Roma pede prisão perpétua a 27 ex-agentes de ditaduras Cone Sul

Senado da Bolívia aprova criação de Comissão da Verdade sobre período ditatorial entre 1964 e 1982

Aula Pública com Janaína Teles: como e por que a Argentina enfrentou os crimes da ditadura militar

 

Mário Soares, presidente de Portugal entre 1986 e 1996, era considerado uma das figuras políticas portuguesas mais importantes dos últimos anos por sua decisiva participação na transição à democracia quando a Revolução dos Cravos pôs fim à ditadura portuguesa (1926-1974).

Fundador do Partido Socialista (PS), até muito pouco tempo se manteve ativo através da fundação que leva seu nome, além de publicar livros e artigos sobre a situação de Portugal.

Soares foi ainda primeiro-ministro de Portugal em duas fases (1976-1978 e 1983-85) e presidente português em um período no qual aconteceu a entrada do país na União Europeia.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Antes de fevereiro

A profundidade da crise social, econômica e militar na Rússia, somada à consciência política e organização da classe trabalhadora, estavam muito à frente de qualquer outro lugar do mundo no inverno de 1916-1917

 

Mais Lidas