O que está em jogo nas eleições do Equador?

Triunfo do correísmo poderia significar uma revitalização do espaço nacional-popular, progressista e da esquerda continental depois de dois anos em que a direita retomou a iniciativa por todas as vias possíveis – inclusive o golpe no Brasil

O correísmo, por meio da dupla Lenin Moreno – Jorge Glas, joga a continuidade da Revolução Cidadã, que governa desde janeiro de 2007 em uma verdadeira “mudança de época” para o Equador, tal como gosta de chamar seu presidente, Rafael Correa, com base nas transformações operadas nas vidas de milhões de pessoas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em 3 de janeiro último, começou a campanha eleitoral. “O futuro não se detém” é a principal palavra de ordem da campanha de Moreno, salientando as conquistas da “década ganha”, formulação tomada de empréstimo do que foi o governo de Cristina Fernández de Kirchner na Argentina. A oposição conservadora a Correa, entretanto, se embandeirou com a ideia de “mudança”, inspirando-se na campanha de Mauricio Macri, que forçou o segundo turno e ganhou a eleição sob a consigna de “Mudemos” – e fugazes promessas, não cumpridas depois de um ano de governo. Assim, o banqueiro Guillermo Lasso utiliza o pouco criativo slogan “vamos pela mudança”, enquanto Cynthia Viteri fala de uma “mudança positiva”. Como se verifica, uma campanha que se “argentinizou” logo no começo.

O objetivo do correísmo é concreto: Moreno deverá obter mais de 40 pontos e uma distância de 10 sobre seu adversário mais próximo para evitar o segundo turno. É um cenário possível, considerando a imagem positiva com que conta o primeiro vice-presidente de Correa e a própria gestão do presidente, ao que se soma a crescente dispersão no campo oposicionista. Por ora, e para além de slogans, a oposição se baseia somente em denúncias de casos de corrupção – PetroEquador e Odebrecht – que o próprio governo já havia detectado. O caso da construtora de origem brasileira que sacode a política regional é o mais emblemático para ilustrar isso: o governo da Aliança País (AP) a expulsou em 2008, sendo o único antecedente concreto na América Latina. Sobre o caso PetroEquador, Correa foi contundente: “O país pode ter a segurança de que jamais tolerarão essas corrupções. Aqui não haverá impunidade, nem perdão, nem esquecimento, não se pode jogar com os recursos do povo”.

Presidencia de la República Ecuador / Flickr CC

O presidente Rafael Correa: vitória de Lenin Moreno, candidato do correísmo, pode significar revitalização do espaço nacional-popular, progressista e da esquerda continental

Tanto a AP como seus aliados nucleados na frente Unidos enfrentam um desafio complexo na atualidade regional: ordenar uma sucessão limpa e eficiente dentro do espaço dos governos nacional-populares, progressistas e de esquerda da região, na impossibilidade de ir às urnas com seu principal dirigente e quadro político, Rafael Correa. As experiências do Brasil e da Argentina ilustram as dificuldades concretas de substituir as figuras melhor avaliadas destes espaços políticos, algo que a Bolívia quer evitar tentando reapresentar a candidatura de Evo Morales em 2019 – tal como definiu recentemente o congresso do MAS (Movimento ao Socialismo), ponderando para isso quatro possibilidades concretas.

Sanders promete se opor a políticas 'racistas, sexistas, xenófobas e antiambientais' de Trump

Hollande não tentará reeleição

Zapatistas e Congresso Nacional Indígena apresentarão até maio candidata à Presidência do México

 

Um triunfo do correísmo no primeiro turno poderia significar uma revitalização do espaço nacional-popular, progressista e da esquerda continental depois de dois anos – 2015 e 2016 – em que a direita retomou a iniciativa por todas as vias possíveis – inclusive o golpe institucional no Brasil. Cristina Fernández de Kirchner, Lula e Fernando Lugo (Paraguai), três ex-presidentes que mantêm boa aceitação popular em seus países, esperam boas notícias da parte do correísmo: este espaço continental deve mostrar um rápido triunfo eleitoral como forma de reposicionamento frente à restauração conservadora em curso, algo que mais ao norte já fizeram recentemente Danilo Medina (República Dominicana) e Daniel Ortega (Nicarágua).

Mauricio Macri e Michel Temer, entretanto, aspiram a forçar um segundo turno, que possa projetar no horizonte um cenário de maior incerteza, com maior polarização. As declarações de Viteri quanto a uma hipotética saída do Equador da Alba (Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América) – no caso em que sua proposta saia vencedora – ilustram que estão em jogo projetos antagônicos sobre a integração regional, tal como sucede com a política interna.

Conseguirá Correa agregar o plus carismático que permita à Aliança País um triunfo já no primeiro turno? Conseguirão Lasso ou Viteri forçar um segundo turno que hoje parece difícil, mas que se for consumado poderia modificar o cenário? São as duas perguntas que hoje se faz boa parte dos analistas em torno do desenlace possível desta contenda que será decisiva. Para saber o que vai ocorrer, é preciso considerar que haverá mais de um mês de campanha que será acompanhada com atenção pela região em seu conjunto.

 

Juan Manuel Karg é cientista político da Universidade de Buenos Aires e analista de política internacional. Artigo publicado originalmente no site Cubadebate e traduzido pelo blog Resistência.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Morre embaixador da Rússia na ONU

Vitaly Churkin, de 64 anos, morreu 'repentinamente' em Nova York, anuncia Ministério do Exterior russo; diplomata atuava nas Nações Unidas há mais de uma década

 

Mais Lidas