EUA: supremacista branco que matou 9 pessoas negras em Charleston é condenado à morte

Dylann Roof foi considerado culpado em 33 crimes, incluindo assassinatos e crimes de ódio; ele jamais se arrependeu pelos assassinatos e disse no tribunal que as pessoas que matou 'pertenciam a uma raça inferior'

O jovem norte-americano Dylann Roof, 22 anos, foi condenado à morte nesta terça-feira (10/01) pelo assassinato de 9 pessoas negras em uma igreja da cidade de Charleston, na Carolina do Sul, em 2015.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O supremacista branco foi considerado culpado em 33 crimes, incluindo assassinatos e crimes de ódio, pelo júri. Foram cerca de três horas até os jurados decidirem pelo veredicto.

Durante todo o processo, Roof chamou atenção por não sentir nenhum arrependimento pelos assassinatos, dizendo que os mortos "pertenciam a uma raça inferior" e afirmou sentir apenas pelos "problemas" que levou a sua própria família.

Agência Efe / Arquivo

Imagem de junho de 2015 mostra Dylann Roof durante uma audiência por videoconferência após ter confessado matar 9 pessoas em Charleston, EUA

EUA: em vitória para indígenas, Exército nega permissão para trecho de oleoduto na Dakota do Norte

Canadá: Ativista negra será primeira mulher a estampar nota de 10 dólares canadenses

Obama pede empenho pela democracia em discurso de despedida

 

No entanto, ele tentou apelar para que os jurados concedessem "apenas" a prisão perpétua para ele e justificou seu crime dizendo que sentia ódio por pessoas negras.

Em junho de 2015, Roof foi a um encontro de estudos bíblicos na Igreja Metodista Episcopal Africana Mãe Emanuel. Quando estava com os membros da instituição, abriu fogo e matou seis mulheres e três homens, entre eles o pastor da igreja e senador estadual democrata Clementa Pinckney.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas