EUA: supremacista branco que matou 9 pessoas negras em Charleston é condenado à morte

Dylann Roof foi considerado culpado em 33 crimes, incluindo assassinatos e crimes de ódio; ele jamais se arrependeu pelos assassinatos e disse no tribunal que as pessoas que matou 'pertenciam a uma raça inferior'

O jovem norte-americano Dylann Roof, 22 anos, foi condenado à morte nesta terça-feira (10/01) pelo assassinato de 9 pessoas negras em uma igreja da cidade de Charleston, na Carolina do Sul, em 2015.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O supremacista branco foi considerado culpado em 33 crimes, incluindo assassinatos e crimes de ódio, pelo júri. Foram cerca de três horas até os jurados decidirem pelo veredicto.

Durante todo o processo, Roof chamou atenção por não sentir nenhum arrependimento pelos assassinatos, dizendo que os mortos "pertenciam a uma raça inferior" e afirmou sentir apenas pelos "problemas" que levou a sua própria família.

Agência Efe / Arquivo

Imagem de junho de 2015 mostra Dylann Roof durante uma audiência por videoconferência após ter confessado matar 9 pessoas em Charleston, EUA

EUA: em vitória para indígenas, Exército nega permissão para trecho de oleoduto na Dakota do Norte

Canadá: Ativista negra será primeira mulher a estampar nota de 10 dólares canadenses

Obama pede empenho pela democracia em discurso de despedida

 

No entanto, ele tentou apelar para que os jurados concedessem "apenas" a prisão perpétua para ele e justificou seu crime dizendo que sentia ódio por pessoas negras.

Em junho de 2015, Roof foi a um encontro de estudos bíblicos na Igreja Metodista Episcopal Africana Mãe Emanuel. Quando estava com os membros da instituição, abriu fogo e matou seis mulheres e três homens, entre eles o pastor da igreja e senador estadual democrata Clementa Pinckney.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias