EUA: supremacista branco que matou 9 pessoas negras em Charleston é condenado à morte

Dylann Roof foi considerado culpado em 33 crimes, incluindo assassinatos e crimes de ódio; ele jamais se arrependeu pelos assassinatos e disse no tribunal que as pessoas que matou 'pertenciam a uma raça inferior'

O jovem norte-americano Dylann Roof, 22 anos, foi condenado à morte nesta terça-feira (10/01) pelo assassinato de 9 pessoas negras em uma igreja da cidade de Charleston, na Carolina do Sul, em 2015.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O supremacista branco foi considerado culpado em 33 crimes, incluindo assassinatos e crimes de ódio, pelo júri. Foram cerca de três horas até os jurados decidirem pelo veredicto.

Durante todo o processo, Roof chamou atenção por não sentir nenhum arrependimento pelos assassinatos, dizendo que os mortos "pertenciam a uma raça inferior" e afirmou sentir apenas pelos "problemas" que levou a sua própria família.

Agência Efe / Arquivo

Imagem de junho de 2015 mostra Dylann Roof durante uma audiência por videoconferência após ter confessado matar 9 pessoas em Charleston, EUA

EUA: em vitória para indígenas, Exército nega permissão para trecho de oleoduto na Dakota do Norte

Canadá: Ativista negra será primeira mulher a estampar nota de 10 dólares canadenses

Obama pede empenho pela democracia em discurso de despedida

 

No entanto, ele tentou apelar para que os jurados concedessem "apenas" a prisão perpétua para ele e justificou seu crime dizendo que sentia ódio por pessoas negras.

Em junho de 2015, Roof foi a um encontro de estudos bíblicos na Igreja Metodista Episcopal Africana Mãe Emanuel. Quando estava com os membros da instituição, abriu fogo e matou seis mulheres e três homens, entre eles o pastor da igreja e senador estadual democrata Clementa Pinckney.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Sob as barbas de Marx

Exibido pela primeira vez no Festival de Cinema de Berlim, filme "O jovem Karl Marx" mostra o curto, mas intenso período que antecedeu à publicação do Manifesto Comunista no ano de 1848

 

Mais Lidas