Aula Pública com Marcos Pires: qual é o futuro econômico da China?

Professor da Unesp afirma que a China fez uma análise correta da globalização e que tem hoje o desafio de influenciar outros países também culturalmente

A China deve ser classificada como uma "potência em construção". Com capacidade de dissuação nuclear e uma leitura precisa da globalização, o país se constituiu nas últimas décadas como uma peça fundamental da política internacional. No entanto, o protagonismo mundial só virá com a capacidade de influenciar a produção cultural e internacionalizar seus valores ao redor do mundo.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


Esta análise, de Marcos Cordeiro Pires, livre-docente em Política Internacional e professor da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp, foi um dos temas tratados na Aula Pública Opera Mundi Qual o Futuro Econômico da China.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Embora ainda não seja reconhecida por parte da comunidade internacional, explica Pires, com 1,4 bilhões de habitantes, qualquer país é uma potência global. Portanto, compreender os mecanismos que levaram os chineses ao posto de segunda economia mundial nos ajuda a prever o futuro próximo da humanidade.

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Marcos Pires analisa atual conjuntura da economia chinesa 

"Com uma oferta industrial muito grande, com investimento massivo nas empresas nacionais, que conseguem colocar astronautas e ter satélites em órbitra na Lua, além da construção de uma estação espacial, a China  é um país que está criando capacidades para se transformar numa potência mundial. A grande questão é como essas capacidades – demográfica, militar e econômica – se convertem em influência cultural. Como os valores chineses podem ser internacionalizados? Como construir um soft power capaz de lidar com toda a capacidade produtiva, militar e econômica? Portanto, para assumir o protagonismo global, a China terá que internacionalizar valores culturais e econômicos, influenciando os outros países", explica Marcos Pires.
 

Aula Pública com Lidiane Rodrigues: o que trajetória de Dilma Rousseff ensina sobre gênero e política no Brasil?

O que a América Latina pode esperar de Donald Trump?

 

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Marcos Pires: qual é o futuro econômica da China?


No segundo bloco, Marcos Pires responde perguntas do pública da UFABC, em São Bernardo do Campo



Na opinião do especialista, um dos marcos estratégicos da China nas últimas décadas foi compreender os processos de globalização, "ingressando em cadeias produtivas internacionais em patamares de baixa intensidade tecnológica, melhorando a qualidade da oferta".

"Com a leitura correta sobre a globalização, a China conseguiu taxas de crescimento econômico em torno de 10% entre 1978 e 2012. De 1978 até 2008, a china tem um modelo baseado em exportações, o que implica com o comércio exterior. Com a profunda crise de 2008, a liderança chinesa se organizou para continuar crescendo. E a decisão foi de impulsionar o  crescimento da infra-estrutura, que vemos atualmente, com investimentos em obras de construção civil, com pontes de até 50 km até o mar", explica Marcos.

Aula Pública Opera Mundi:
Coordenação: Haroldo Ceravolo Sereza
Produção: Dodô Calixto
Edição de vídeo: Daniela Stéfano

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica