Expansão de assentamentos israelenses em território palestino 'não ajuda' a alcançar a paz, dizem EUA

Declaração indica ressalva da nova administração dos EUA aos recentes anúncios do governo de Netanyahu de ampliar colônias judaicas em Jerusalém Oriental e Cisjordânia, mas também afirma que assentamentos não são 'impedimento para a paz'

O governo dos Estados Unidos, liderado por Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira (02/02) que a expansão dos assentamentos israelenses em território ocupado palestino “podem não ajudar” na construção da paz entre os dois povos. A Casa Branca, entretanto, disse não considerar os assentamentos já existentes “um impedimento para a paz”, como sustenta a comunidade internacional e como afirmava o governo de Barack Obama.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“O desejo norte-americano por paz entre israelenses e palestinos permanece o mesmo nos últimos 50 anos. Embora não acreditemos que a existência de assentamentos seja um impedimento para a paz, a construção de novos assentamentos ou a expansão dos já existentes além de seus limites atuais podem não ajudar a alcançar este objetivo”, disse a Casa Branca em comunicado.

A declaração indica a ressalva da nova administração norte-americana aos recentes anúncios do governo de Benjamin Netanyahu de ampliar as colônias judaicas em Jerusalém Oriental e Cisjordânia, territórios palestinos ocupados por Israel.

Desde a campanha eleitoral, Trump sinalizou seu apoio a Netanyahu e aos assentamentos israelenses na Palestina, em contraste com a reiterada condenação do governo Obama à política de colonização israelense. Já nas primeiras duas semanas do novo governo dos EUA, Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, anunciou a aprovação de pelo menos 6.000 novas casas nos assentamentos já existentes e a construção oficial de uma nova colônia, a primeira desde 1992.

Agência Efe

Prédio residencial em construção no assentamento judaico de Kiryat Arba em Hebron, na Cisjordânia

Israel aprova construção de 2.500 casas em assentamentos no território palestino ocupado da Cisjordânia

'Redwashing': discursos de 'esquerda' para limpar os crimes do Estado de Israel

Israel remove assentamento de Amona e autoriza mais 3 mil casas no território palestino ocupado da Cisjordânia

 

O governo israelense desafia assim a legislação internacional, que considera ilegais as colônias judaicas em território palestino, e o Conselho de Segurança da ONU, que no fim de dezembro aprovou a resolução 2334, que determina que os assentamentos “não têm validade legal” e são “uma violação flagrante de leis internacionais e o maior obstáculo para a solução de dois Estados”.

Mais de 600 mil judeus israelenses vivem em cerca de 140 assentamentos construídos por Israel desde 1967 na Cisjordânia e na região leste de Jerusalém, territórios palestinos que o Estado criado em 1947 ocupou após a Guerra dos Seis Dias.

“O governo Trump não tem uma posição oficial sobre as iniciativas de assentamentos e está ansioso para seguir conversando sobre o tema, inclusive com o primeiro-ministro Netanyahu durante sua visita ao presidente Trump neste mês”, disse a Casa Branca.

Segundo oficiais israelenses ouvidos pela agência de notícias AFP, o governo Netanyahu entendeu o recado de Trump e irá de fato esperar a reunião com o presidente dos EUA, marcada para o dia 15 de fevereiro em Washington, para decidir sobre novas expansões ou construções.

Já oficiais palestinos consideraram a declaração norte-americana “preocupante” por sugerir que os assentamentos não são um problema, ao contrário do que determina a legislação internacional. O comunicado da Casa Branca “vai contra 50 anos de política norte-americana clara em relação a assentamentos israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental”, disse um oficial palestino à AFP

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias