Protestos nos arredores de Paris pedem justiça para jovem negro que denunciou estupro e agressão por policiais

Quatro policiais de Aulnay-sous-Bois foram indiciados por 'violência voluntária' e estupro e suspensos de suas funções; François Hollande, presidente francês, visitou Théo no hospital e pediu que população confie na Justiça

Localidades no subúrbio de Paris tiveram nesta terça-feira (07/02) a quarta noite de protestos após a denúncia de um jovem negro de ter sido estuprado e agredido por policiais na cidade de Aulnay-sous-Bois, nos arredores da capital francesa.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Centenas de pessoas têm participado das manifestações que pedem “justiça para Théo”, hospitalizado desde a última sexta-feira (03/02).

Théo, de 22 anos, foi detido na noite de quinta-feira (02/02) por tráfico de drogas, segundo a versão oficial da polícia. No entanto, segundo a denúncia do jovem, ele foi agredido pelos agentes e estuprado por um deles com um cassetete, motivo pelo qual precisou passar por uma cirurgia após ter sofrido graves ferimentos na região retal.

Os quatro policiais negaram o crime e disseram que estavam apenas controlando um homem suspeito de traficar drogas que estava resistindo à prisão. Segundo o depoimento de Théo, no entanto, ele saiu da área onde estava quando foi abordado porque sabia que não havia câmeras no local. “Eu fui diante das câmeras, eu não tentei fugir, eu disse à polícia”, afirmou o jovem.

No domingo (05/02), três dos policiais foram indiciados por “violência voluntária” e o quarto, por estupro. Os quatro foram suspensos de suas funções.

Desde então, protestos em Aulnay-sous-Bois e outras cidades nos subúrbios ao nordeste de Paris, como Clichy-sous-Bois, Tremblay-en-France e Villepinte, tiveram protestos que levaram à detenção de ao menos 17 manifestantes, segundo a Agência Efe. Na noite de segunda-feira (06/02), vários veículos foram incendiados e lojas foram destruídas em Aulnay-sous-Bois. Na madrugada desta quarta-feira (08/02), um edifício em Trembley-em-France teve de ser evacuado devido a um coquetel molotov jogado dentro do prédio, enquanto uma delegacia local teve sua fachada destruída.

Reprodução/Facebook

Manifestantes pedem "Justiça para Théo" em protestos que ocorrem desde sábado

Direito de trabalhador se desconectar fora do horário de trabalho entra em vigor na França

Leia íntegra do discurso de Angela Davis na marcha das mulheres contra Donald Trump

Policiais da zona sul de São Paulo são presos com 'kit flagrante' dentro de viatura

 

No hospital, o jovem recebeu a visita do presidente da França, François Hollande, nesta terça-feira (07/02), que afirmou que Théo “reagiu com dignidade e responsabilidade”, referindo-se ao pedido do jovem para que os manifestantes parem com a “guerra”. "Sei o que está acontecendo. Amo a minha cidade e quando voltar quero encontrá-la como a deixei. Ou seja, parem com a guerra. Rezem por mim", disse o francês à imprensa local.

O presidente francês pediu que a população tenha confiança na Justiça. Hollande ainda disse que o papel da Justiça é "proteger" os cidadãos, "inclusive" quando um "agente das forças de ordem" está envolvido. O primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, afirmou que atuaria "com a maior firmeza" contra os policiais, caso as denúncias sejam confirmadas.

Por sua vez, Marine Le Pen, candidata presidencial da extrema-direita, expressou seu “apoio às forças de ordem, salvo provas da Justiça de que eles cometeram um delito ou crime”. “Acho inaceitável difamar os policiais antes mesmo do início das investigações”, disse Le Pen.

Em julho de 2016 em Beaumont-sur-Oise, também no subúrbio ao norte de Paris, outro jovem negro, Adama Traoré, foi violentamente agredido por policiais e morreu no momento de sua detenção. Sua morte provocou uma onda de indignação e protestos nos arredores da capital francesa.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

China mantém crescimento acima da meta anual

Expansão de 6,8% da segunda maior economia do mundo no terceiro trimestre fica ligeiramente abaixo da alta no restante do ano; presidente afirma que perspectivas são "brilhantes", mas que país enfrenta "sérios desafios"