Arqueólogos encontram pela 1ª vez em 60 anos caverna onde eram escondidos manuscritos do mar Morto

Escavações em colinas a oeste de Qumran, na Cisjordânia, revelaram potes e jarros que teriam servido para esconder pergaminhos roubados; última descoberta relacionada a documentos ocorreu nos anos 1950

Arqueólogos descobriram uma caverna onde foram escondidos os manuscritos do mar Morto, durante escavações nas colinas a oeste de Qumran, na Cisjordânia. Pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém e da Universidade Liberty, nos Estados Unidos, afirmaram que a descoberta de potes, jarros e um pedaço de pergaminho enrolado que estava sendo processado para escrita comprova que a caverna era mais um dos abrigos dos pergaminhos, roubados no século passado. 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Esta emocionante escavação é o mais próximo que chegamos a descobrir novos manuscritos do mar Morto em 60 anos. Até agora, era aceito que os pergaminhos do Mar Morto haviam sido encontrados apenas em 11 cavernas em Qumran, mas agora não há dúvida de que esta é a 12ª caverna", disse Oren Gutfeld, arqueólogo do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica e diretor da escavação. "Encontrar essa caverna adicional significa que não podemos mais ter certeza de que os locais originais atribuídos aos pergaminhos do mar Morto que chegaram ao mercado através dos beduínos são precisos".

Entre os artefatos encontrados na escavação, constam “potes onde os manuscritos eram escondidos, uma tira de couro para amarrar os pergaminhos e um pano para enrolá-los”, detalhou Gutfeld. Segundo o pesquisador, apesar de não terem sido encontrados documentos no local, a descoberta “indica sem dúvidas que a caverna continha manuscritos, que foram roubados”. O anúncio foi feito no dia 9.

Casey L. Olson e Oren Gutfeld

Fragmento de pergaminho encontrado na caverna, além de potes e jarros, comprovam que manuscritos do Mar Morto foram escondidos no local, afirmam arqueólogos

Roma terá 1ª estação de metrô 'arqueológica' com fortaleza militar do século II d.C

Arqueólogos gregos acreditam ter encontrado túmulo de Aristóteles

Arqueólogos encontram mais antigo documento escrito à mão do Reino Unido

 

Os objetos foram encontrados ao longo das paredes e em um túnel ao fundo da caverna, junto a duas cabeças de picaretas de ferro da década de 1950, deixadas dentro do túnel. A suspeita é que os valiosos manuscritos tenham sido pilhados por beduínos na metade do século passado. Além dos vestígios relacionados aos pergaminhos, os arqueólogos encontraram um selo feito de uma pedra semipreciosa, uma evidência de que a caverna foi habitada na antiguidade, durante os períodos calcolítico e neolítico.

Esta é a primeira escavação a ser realizada na parte norte do deserto da Judeia como parte da “Operação Pergaminho”, realizada pelo IAA (Autoridade de Antiguidades de Israel). “Ainda há muito trabalho a ser feito no deserto da Judeia e descobertas de grande importância ainda estão à espera de serem encontradas”, disse Israel Hasson, diretor-geral da IAA, que destacou que há uma “corrida contra o tempo”, referindo-se ao risco de terem patrimônio roubado por ladrões de antiguidades. “O Estado de Israel precisa mobilizar e alocar os recursos necessários para lançar uma operação histórica, juntamente com o público, para realizar a escavação sistemática de todas as cavernas do deserto da Judeia”, afirmou.

Os manuscritos do mar Morto são uma coleção de centenas de textos e fragmentos de texto, compilados por judeus que viveram na região de Qumran desde o século II a.C. até o ano 70, aproximadamente. Os manuscritos contêm partes da Bíblia Hebraica, sendo a versão mais antiga do texto encontrada até hoje.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Antes de fevereiro

A profundidade da crise social, econômica e militar na Rússia, somada à consciência política e organização da classe trabalhadora, estavam muito à frente de qualquer outro lugar do mundo no inverno de 1916-1917

 

Mais Lidas