Brasil vive 'grave crise democrática' e cinema nacional 'corre risco de acabar', dizem cineastas em Berlim

Em evento na Embaixada do Brasil em Berlim para celebrar participação nacional no Festival Internacional de Cinema da capital alemã, artistas afirmaram que Brasil vive crise democrática e que audiovisual brasileiro autoral pode acabar

Como já é costume de longa data, a embaixada do Brasil em Berlim ofereceu, nesta terça-feira (14/02), uma recepção aos cineastas e cinéfilos brasileiros presentes na 67ª edição do Festival Internacional de Cinema da capital alemã, conhecido como Berlinale.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A novidade deste ano ficou por conta de uma carta/manifesto do setor, lida pelas cineastas Daniela Thomas, Laís Bodanzky, Julia Murat, Cristiane Oliveira e Felipe Bragança. Leia abaixo a íntegra do manifesto:

"Estamos vivendo uma grave crise democrática no Brasil. Com um ano deste governo, direitos de saúde, educação e trabalhistas foram duramente atingidos. Junto com todos os outros setores, o audiovisual brasileiro, especialmente o autoral, corre risco de acabar. Nos últimos anos, a Ancine (Agência Nacional do Cinema) tem direcionado suas diretrizes, observando com atenção os muitos Brasis. Ampliou o alcance dos mecanismos de fomento, que hoje atingem segmentos e formatos dos mais diversos, entre eles, o cinema autoral, aqui representado.

Reprodução

Cineastas e cinéfilos brasileiros participaram de evento na Embaixada do Brasil em Berlim nesta terça-feira (14/02)

O resultado é visível. O ano de 2017 começou com a expressiva presença de filmes brasileiros nos três dos principais festivais internacionais, totalizando 27 participações em Sundance (EUA), Roterdã (Holanda) e Berlim (Alemanha). Não chegamos a este patamar histórico sem política pública. Tudo o que se alcançou até aqui é fruto de um grande esforço conjunto dos agentes envolvidos, entre a Ancine, produtores, realizadores, distribuidores, exibidores, programadores, artistas, lideranças, poder público, entre outros.

Acima de tudo, queremos garantir que toda e qualquer mudança ou aperfeiçoamento nas políticas públicas do audiovisual brasileiro sejam amplamente debatidas com o conjunto do setor e com toda a sociedade. Assim, pedimos às instituições, produtores e realizadores de todo mundo que apoiem a luta e a manutenção de todos os tipos de audiovisual no Brasil. Defendemos, aqui, a continuidade e o incremento desta política pública."

'São Paulo está matando a própria cultura', diz curador alemão de arte urbana

Livro analisa como cineasta francês Chris Marker elaborou processo político latino-americano em seus filmes

Parque Ibirapuera, Pacaembu e até cemitérios: em vídeo, Prefeitura de São Paulo coloca cidade à venda; assista

 

A seguir, o embaixador Mário Vilalva tomou a palavra:

"Como  Embaixador do Brasil aqui em Berlim, quero dizer que recebo muito bem a reivindicação desta carta. Acho que a reivindicação é justa, acho que é democrático expor os problemas do setor, e quero dizer que podem contar com meu apoio para esta finalidade. Nós também queremos que o cinema brasileiro seja cada vez mais projetado no mundo. Nós estamos vivendo, aqui, um momento único do cinema brasileiro, com doze filmes participando de um dos maiores festivais do mundo.

É um festival que acolhe cinemas estrangeiros, não é um festival que acolhe apenas filmes do país, como acontece em alguns outros festivais, que acolhem filmes do país e de forma muito lateral acolhem filmes estrangeiros. Aqui não, aqui o festival acolhe filmes do mundo inteiro. Portanto eu quero dizer que a reivindicação de vocês é uma reivindicação absolutamente válida, conta como nosso apoio. Nós queremos cada vez mais recursos para a cultura brasileira e eu tenho certeza de que o governo brasileiro é muito sensível a essa área.

O governo brasileiro tem interesse também em que o Brasil seja cada vez mais projetado no mundo através das suas artes, das diversas formas de arte, não só cinema, mas também na pintura, na música, no teatro, enfim, em todas as expressões brasileiras. Portanto, contem com o nosso apoio. Estaremos, na medida do possível, batalhando para que o cinema brasileiro tenha mais recursos e se Deus quiser no ano que vem vamos ter, em vez de 12, 20 filmes brasileiros aqui. Obrigado pela presença de todos."

 
Publicado originalmente na Rede Brasil Atual
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Perdemos um gigante! Viva, Marco Aurélio Garcia!

Como assessor especial de relações internacionais dos governos Lula e Dilma, foi a grande cabeça formuladora e implementadora da política externa altiva e ativa, em uma parceria fina com Celso Amorim, numa divisão de papéis que rendeu grandes frutos