Cristina, irmã do rei da Espanha, é absolvida e seu marido é condenado à prisão em caso de corrupção

Sentenças podem ser apeladas à Corte Suprema espanhola; após a divulgação do veredito, Casa do Rei expressou seu 'respeito absoluto à independência do Poder Judiciário'

A infanta Cristina, irmã do rei Felipe VI, foi absolvida nesta sexta-feira (17/02) pela Justiça espanhola enquanto seu marido, Iñaki Urdangarin, foi condenado a seis anos e três meses de prisão por um caso de corrupção. O tribunal absolveu Cristina por unanimidade dos dois delitos fiscais pelos quais era acusada como cúmplice, por ser coproprietária da empresa com a qual Urdangarin desviou cerca de 337 mil euros da Fazenda Pública em 2007 e 2008.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As sentenças, anunciadas pelo Tribunal de Justiça de Palma (Ilhas Baleares) que os julgou junto com outras 15 pessoas por desvio de fundos públicos, entre outros crimes, podem ser apeladas à Corte Suprema. Após a divulgação da sentença, a Casa do Rei expressou seu “respeito absoluto à independência do Poder Judiciário” espanhol.

Além da pena de prisão, menor que a sugerida pelo promotor Pedro Horrach, que havia pedido 19 anos e 6 meses de prisão, Urdangarin também deverá pagar uma multa de 512.553 euros. Segundo a Justiça, a pena é menor devido ao atenuante de "dano reparado" e a absolvição das acusações de falsificação de documentos comerciais e lavagem de dinheiro. O sócio de Urdangarin, Diego Torres, e o ex-presidente das Ilhas Baleares, Jaume Matas, também foram condenados a oito anos e seis meses e três anos e oito meses de prisão, respectivamente.

Agência Efe

Infanta Cristina e seu marido, Iñaki Urdangarin; ela foi absolvida e ele condenado a seis anos de prisão por desvio de fundos públicos, entre outros crimes

Justiça de SP absolve estudante de Medicina da USP acusado de estupro

Ex-presidente da Câmara da Itália é investigado por lavagem de dinheiro

Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela rejeita recurso e confirma condenação de opositor Leopoldo López

 

Através de um porta-voz, o Palácio da Zarzuela fez este pronunciamento sobre uma sentença a qual cabe recurso à Corte Suprema. Os acusados e a promotoria terão cinco dias para apresentar um recurso. Além disso, as partes podem solicitar uma audiência para decidir sobre a prisão imediata, se houver um risco de fuga, os três condenados à prisão: Urdangarin, Torres e Matas.

O Tribunal de Justiça de Palma (Ilhas Baleares) anunciou sua decisão, que condena Urdangarin por enriquecimento com fundos públicos através da trama corrupta de contratação organizada pelo Instituto Nóos, a associação sem fins lucrativos que ele presidia.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias