Trump vai emitir novo decreto migratório

Governo norte-americano decide encerrar batalha judicial por veto que proibia entrada de cidadãos de sete países e refugiados e anuncia novo decreto, que deve entrar em vigor na próxima semana

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira (16/02) que vai apresentar na próxima semana um novo decreto sobre imigração. "Estamos em vias de publicar um novo decreto na próxima semana que vai proteger totalmente o nosso país", declarou Trump.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O veto migratório imposto por Trump em 27 de janeiro foi bloqueado pela Justiça americana, que o considerou inconstitucional. O decreto proibía a entrada de cidadãos de sete países de origem muçulmana por 90 dias e de refugiados por 120 dias. Para sírios, o período era indeterminado.

Nesta quinta-feira, o Departamento de Justiça decidiu dar fim à batalha judicial, retirando um recurso contra o bloqueio do veto na Justiça federal. A proposta é emitir um novo decreto "substancialmente revisado". "Com isso, o presidente vai abrir caminho para proteger o país imediatamente em que vez de investir num litígio que vai consumir tempo", afirmou o Departamento de Justiça.

Críticas

Na semana passada, a 9ª Corte de Apelações dos EUA, com sede em São Francisco, na Califórnia, rejeitou por unanimidade o pedido de Trump para que o veto migratório voltasse a vigorar.

Agência Efe

Donald Trump, presidente dos EUA, durante entrevista coletiva na Casa Branca nesta quinta-feira (16/02)

O mundo segundo Steve Bannon: o que pensa o polêmico assessor ultradireitista de Trump?

Trump classifica como 'absurda' denúncia de contato de assessores com Rússia; 'história risível', diz Kremlin

Trump revoga duas décadas de diplomacia dos EUA e sugere Estado único para Israel e Palestina

 

Os três juízes do tribunal confirmaram a sentença do juiz federal James Robart, que decidiu na sexta-feira passada que o veto de Trump deveria ser suspenso, após a ação apresentada pelos estados de Washington e Minnesota, por "dano imediato e irreparável" que poderia causar se continuasse em vigor.

Segundo eles, o governo "falhou" em demonstrar em seu recurso de emergência que a segurança nacional estava em jogo por culpa do bloqueio da proibição.

Em entrevista à imprensa nesta quinta-feira, Trump afirmou que seu decreto foi "muito suave" e que a corte tomou uma má decisão. A nova ordem, segundo o presidente, será escrita de forma a atender as normas legais. "A nova ordem vai ser muito mais adaptada ao que eu considero uma decisão muito ruim", ironizou.

Trump também classificou Robart de "pseudo-juiz" e o acusou de "retirar do país a capacidade de aplicar a lei". O republicano também sugeriu que Robart será o culpado caso algum ataque terrorista ocorra nos Estados Unidos. O veto atingia cidadãos da Líbia, Sudão, Somália, Síria, Iraque, Irã e Iêmen.

KG/ap/lusa

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Justiça da UE condena Alemanha por poluição da água

Tribunal de Justiça da União Europeia considera que Berlim não fez o suficiente para deter contaminação de águas subterrâneas por nitrato; índices continuam altos apesar de leis mais severas para fertilizantes agrícolas