Apesar de Uruguai ter legalizado prática em 2012, juíza impede aborto a pedido de ex-parceiro da gestante

Ex-parceiro e cogenitor do feto se opôs à decisão da gestante e entrou na Justiça, e juíza de Mercedes lhe deu razão indicando posição contrária ao estabelecido na lei de aborto do país; defesa da gestante apelou da decisão

No Uruguai, uma juíza ordenou a suspensão da interrupção voluntária da gravidez de uma mulher em Mercedes, no sudoeste do país, após o ex-parceiro e cogenitor do feto entrar na Justiça para impedir o aborto.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo a imprensa uruguaia, esta é uma situação inédita no país, onde a interrupção voluntária da gravidez é permitida até a 12ª semana de gestação. O aborto foi legalizado no Uruguai em 2012, durante o governo do ex-presidente José Mujica.

No fim de janeiro, a mulher, que está na 10ª semana de gestação, informou ao ex-parceiro que havia iniciado os trâmites previstos na legislação uruguaia para realizar o aborto. Ele se opôs à decisão e entrou na Justiça, e a juíza Pura Book Silva decidiu, no último dia 21 de fevereiro, a favor do recurso apresentado pelo cogenitor do feto.

Leia também:
Saiba como o aborto é regulamentado em sete países
Criminalização do aborto, violência de Estado contra mulheres
Consequências de um aborto negado: pobreza e violência de gênero

Em sua decisão, a magistrada afirmou que a lei de aborto “não pode ser entendida e interpretada como uma operação matemática” que resulte necessariamente na interrupção da gravidez caso a solicitação esteja dentro do estabelecido no regulamento. Ela questionou as razões apresentadas pela gestante para não prosseguir com a gravidez e disse que tais motivações não constam no processo iniciado por ela para realizar o aborto, como estabelece a lei que regula o procedimento no país.

Indicando uma posição contrária ao estabelecido na lei de aborto uruguaia, a juíza afirma que “toda pessoa tem direito a que se respeite sua vida. Este direito está protegido pela lei e, em geral, a partir do momento da concepção. Ninguém pode ser privado da vida arbitrariamente”. Segundo a magistrada, a interrupção da gravidez da mulher em questão “significa um dano violador aos direitos da pessoa, consagrados nos artigos 72 e 332 da Constituição Nacional, dado que lesa o direito à vida do concebido”.

A magistrada também remeteu à Suprema Corte de Justiça uruguaia um recurso de inconstitucionalidade da lei de aborto, apresentado pelo advogado do homem que apresentou a ação.

gaelx / Flickr CC

Manifestação em prol do direito ao aborto em Madri, Espanha, em 2013

A cada minuto uma mulher faz um aborto no Brasil

Em resposta a decreto de Trump, Holanda prepara fundo internacional para financiar acesso ao aborto pelo mundo

Com legalização, número de abortos cai 10% em Portugal; país completa 5 anos sem mortes de mulheres em decorrência da prática

 

O advogado de defesa da gestante, Daniel Benavidez, disse nesta sexta-feira (24/02) que entrou com um recurso de apelação à sentença da juíza. Em entrevista à rádio Océano FM, ele afirmou que sente “indignação pessoal e profissional” pela sentença, e que está “certo da violação do direito” de sua cliente, já que “há uma lei vigente que não se pode ignorar”.

O departamento jurídico do Ministério de Saúde Pública do Uruguai pediu mais informações sobre o caso à corte para elaborar um pronunciamento oficial, informou o jornal uruguaio El Pais. De acordo com os últimos dados da pasta, em 2015 foram realizados 9.362 abortos legais no Uruguai, dos quais 82% (7.665) foram de mulheres acima de 20 anos.

O militante antiaborto Carlos Iafigliola, da Organização Pró-Vida, disse ao El Pais que a sentença é “uma grata supresa” que “nos enche de esperança”. Ele reivindicou o direito do homem cogenitor do feto e disse que a organização prepara uma manifestação no dia 25 de março no país contra o direito das mulheres ao aborto.

Lilián Abracinskas, diretora da organização Mulher e Saúde Uruguai (MySU), disse que a interpretação da juíza é “restritiva” e classificou a decisão como “um horror”. Em entrevista ao El Pais, ela afirmou que a intenção do ex-parceiro é que se esgote o prazo para a realização legal do aborto, limitada no Uruguai à 12ª semana de gestação.

“A lei é muito clara [e estabelece] que quem decide é a mulher, dentro das 12 semanas. A juíza está abrindo novamente o debate sobre a lei, algo que não é de sua competência”, afirmou, lembrando que a lei de aborto no Uruguai sempre se refere à mulher gestante, sem nunca nomear o homem cogenitor do feto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô