Apesar de Uruguai ter legalizado prática em 2012, juíza impede aborto a pedido de ex-parceiro da gestante

Ex-parceiro e cogenitor do feto se opôs à decisão da gestante e entrou na Justiça, e juíza de Mercedes lhe deu razão indicando posição contrária ao estabelecido na lei de aborto do país; defesa da gestante apelou da decisão

No Uruguai, uma juíza ordenou a suspensão da interrupção voluntária da gravidez de uma mulher em Mercedes, no sudoeste do país, após o ex-parceiro e cogenitor do feto entrar na Justiça para impedir o aborto.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo a imprensa uruguaia, esta é uma situação inédita no país, onde a interrupção voluntária da gravidez é permitida até a 12ª semana de gestação. O aborto foi legalizado no Uruguai em 2012, durante o governo do ex-presidente José Mujica.

No fim de janeiro, a mulher, que está na 10ª semana de gestação, informou ao ex-parceiro que havia iniciado os trâmites previstos na legislação uruguaia para realizar o aborto. Ele se opôs à decisão e entrou na Justiça, e a juíza Pura Book Silva decidiu, no último dia 21 de fevereiro, a favor do recurso apresentado pelo cogenitor do feto.

Leia também:
Saiba como o aborto é regulamentado em sete países
Criminalização do aborto, violência de Estado contra mulheres
Consequências de um aborto negado: pobreza e violência de gênero

Em sua decisão, a magistrada afirmou que a lei de aborto “não pode ser entendida e interpretada como uma operação matemática” que resulte necessariamente na interrupção da gravidez caso a solicitação esteja dentro do estabelecido no regulamento. Ela questionou as razões apresentadas pela gestante para não prosseguir com a gravidez e disse que tais motivações não constam no processo iniciado por ela para realizar o aborto, como estabelece a lei que regula o procedimento no país.

Indicando uma posição contrária ao estabelecido na lei de aborto uruguaia, a juíza afirma que “toda pessoa tem direito a que se respeite sua vida. Este direito está protegido pela lei e, em geral, a partir do momento da concepção. Ninguém pode ser privado da vida arbitrariamente”. Segundo a magistrada, a interrupção da gravidez da mulher em questão “significa um dano violador aos direitos da pessoa, consagrados nos artigos 72 e 332 da Constituição Nacional, dado que lesa o direito à vida do concebido”.

A magistrada também remeteu à Suprema Corte de Justiça uruguaia um recurso de inconstitucionalidade da lei de aborto, apresentado pelo advogado do homem que apresentou a ação.

gaelx / Flickr CC

Manifestação em prol do direito ao aborto em Madri, Espanha, em 2013

A cada minuto uma mulher faz um aborto no Brasil

Em resposta a decreto de Trump, Holanda prepara fundo internacional para financiar acesso ao aborto pelo mundo

Com legalização, número de abortos cai 10% em Portugal; país completa 5 anos sem mortes de mulheres em decorrência da prática

 

O advogado de defesa da gestante, Daniel Benavidez, disse nesta sexta-feira (24/02) que entrou com um recurso de apelação à sentença da juíza. Em entrevista à rádio Océano FM, ele afirmou que sente “indignação pessoal e profissional” pela sentença, e que está “certo da violação do direito” de sua cliente, já que “há uma lei vigente que não se pode ignorar”.

O departamento jurídico do Ministério de Saúde Pública do Uruguai pediu mais informações sobre o caso à corte para elaborar um pronunciamento oficial, informou o jornal uruguaio El Pais. De acordo com os últimos dados da pasta, em 2015 foram realizados 9.362 abortos legais no Uruguai, dos quais 82% (7.665) foram de mulheres acima de 20 anos.

O militante antiaborto Carlos Iafigliola, da Organização Pró-Vida, disse ao El Pais que a sentença é “uma grata supresa” que “nos enche de esperança”. Ele reivindicou o direito do homem cogenitor do feto e disse que a organização prepara uma manifestação no dia 25 de março no país contra o direito das mulheres ao aborto.

Lilián Abracinskas, diretora da organização Mulher e Saúde Uruguai (MySU), disse que a interpretação da juíza é “restritiva” e classificou a decisão como “um horror”. Em entrevista ao El Pais, ela afirmou que a intenção do ex-parceiro é que se esgote o prazo para a realização legal do aborto, limitada no Uruguai à 12ª semana de gestação.

“A lei é muito clara [e estabelece] que quem decide é a mulher, dentro das 12 semanas. A juíza está abrindo novamente o debate sobre a lei, algo que não é de sua competência”, afirmou, lembrando que a lei de aborto no Uruguai sempre se refere à mulher gestante, sem nunca nomear o homem cogenitor do feto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias