Esquerda francesa não apresentará candidatura única à Presidência, confirmam Hamon e Mélenchon

Candidatos conversaram, mas descartaram união; ultradireitista Marine Le Pen segue líder nas intenções de voto, mas perderia no segundo turno para Emmanuel Macron e François Fillon, indica pesquisa

Os candidatos à Presidência da França Benoît Hamon, do Partido Socialista, e Jean-Luc Mélenchon, do movimento de esquerda França Insubmissa, descartaram uma candidatura única da esquerda francesa para fazer frente à ultradireitista Marine Le Pen nas eleições marcadas para o fim de abril.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo declarações divulgadas nesta segunda-feira (27/02), os dois políticos se reuniram na sexta-feira (24/02) para conversar sobre a possibilidade de apresentar uma candidatura comum da esquerda para a Presidência francesa. Tal possibilidade se fortaleceu após Yannick Janot, do partido ecologista francês, retirar sua candidatura e se unir à campanha do socialista Hamon na última quinta-feira (23/02).

“A 50 dias do primeiro turno, não é possível sanar as diferenças que, por exemplo, nos separam em torno de temas essenciais como a questão da União Europeia”, disse Mélenchon, acrescentando que ele e Hamon decidiram prosseguir com suas candidaturas próprias e acordaram “um código de respeito mútuo durante a campanha”.

Agência Efe

Benoît Hamon (centro), do Partido Socialista, ao lado de Yannick Jadot, que retirou candidatura e se uniu à campanha socialista, em encontro com sindicalistas no domingo (26/02)

Agricultor francês é multado por ajudar migrantes e refugiados a entrar no país

França: ultradireitista Le Pen é investigada por supostos contratos falsos no Parlamento Europeu

Em nome do 'povo': o que é populismo?

 

Em entrevista à emissora TF1, Hamon confirmou as informações divulgadas por Mélenchon. "Agora a situação é clara", disse o socialista, que convocou o eleitorado de esquerda a votar em sua chapa, que se mantém em quarto lugar nas intenções de voto, segundo pesquisa divulgada pelo jornal francês Le Figaro neste domingo (26/02).

“Me dirijo aos cidadãos de esquerda da França: há quem pense em votar em Emmanuel Macron, há quem pense em votar em Mélenchon... Eu vos digo: ‘Este é um momento histórico’. A esquerda de amanhã já começou a se organizar, a se criar. E eu quero que ela se volte para o que eu chamo de futuro desejável”, disse Hamon, que afirmou que seu projeto de governo se opõe a Macron, do partido Em Marche e ex-ministro de Economia do presidente francês, François Hollande; a François Fillon, do partido direitista Os Republicanos e ex-primeiro-ministro francês; e, especialmente, a Marine Le Pen, da ultradireitista Frente Nacional.

De acordo com a pesquisa do Le Figaro, Marine Le Pen segue em primeiro lugar, com 27% das intenções de voto no primeiro turno da eleição presidencial francesa. Em seguida vêm o centrista Macron, com 25%; Fillon, com 20%; Hamon, com 14%; e Mélenchon, com 10%. Tanto Macron quanto Fillon bateriam a candidata da Frente Nacional no segundo turno, segundo os cenários propostos pela pesquisa: Macron teria 58% contra 42% para Marine Le Pen, e Fillon teria 55% contra 45% para a ultradireitista.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

China mantém crescimento acima da meta anual

Expansão de 6,8% da segunda maior economia do mundo no terceiro trimestre fica ligeiramente abaixo da alta no restante do ano; presidente afirma que perspectivas são "brilhantes", mas que país enfrenta "sérios desafios"