Organizações de direitos humanos criticam decreto que impede distribuição de comida para refugiados em Calais

Prefeita Natacha Bouchart proibiu reuniões públicas, alegando aumento de tensões e multidões ‘massivas’; voluntários continuam com atividades à noite para escapar de polícia

Organizações de direitos humanos manifestaram nesta sexta-feira (03/03) sua indignação com a ordem da prefeita de Calais, Natacha Bouchart, de impedir a distribuição de alimentos para refugiados. O decreto, publicado nesta quinta-feira (02/02), proíbe reuniões públicas e tem como objetivo evitar o estabelecimento de um novo campo de refugiados na cidade portuária francesa, principal porta de entrada ao Reino Unido.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o documento, “a regular, persistente e grande presença de indivíduos distribuindo refeições a migrantes” nas proximidades do antigo campo de refugiados, destruído há três meses, representa um risco à paz e segurança na área. Bouchart, do partido conservador Les Républicains, proibiu reuniões públicas, alegando que a distribuição de comida causava multidões “massivas” e o aumento de tensões.

O ministro do Interior da França, Bruno Le Roux, disse durante visita a Calais nesta quarta-feira (01/03) que a abertura de um novo campo de refugiados atrairia mais pessoas à cidade, mas descartou a possibilidade de banir a distribuição de alimentos. “Nós não vamos impedir a distribuição de refeições”, declarou. Bouchart, no entanto, discordou, afirmando que implementaria medidas para banir o fornecimento de comida.

Apesar da ordem e do policiamento, sete grupos de auxílio humanitário declaram que vão continuar distribuindo refeições, mudando os locais e realizando as entregas à noite, caso necessário, para escaparem do controle policial. Em um comunicado conjunto, os grupos de voluntários afirmaram que realizam este trabalho porque o Estado e outros organismos públicos ‘não respeitam’ as suas próprias obrigações legais e humanitárias para com os migrantes.

Reprodução/Twitter Natacha Bouchart

Prefeita de Calais proibiu reuniões públicas, impedindo distribuição de alimentos para refugiados

Milhares exigem que Espanha acolha mais refugiados

Governo alemão propõe lei que endurece fiscalização e acelera expulsão de refugiados sem visto

Mais de 360 refugiados morreram tentando chegar à Europa pelo Mediterrâneo só neste ano

 

Segundo a organização Utopia 56, policiais dispersaram voluntários com bombas de gás lacrimogêneo na manhã desta quinta-feira. A ONG distribuía refeições para cerca de 30 adolescentes em um campo na periferia da cidade. Outros adolescentes também foram detidos por terem visitado o centro religioso Secours Catholique, que disponibiliza chuveiros para refugiados em Calais, segundo Sarah Arrom, voluntária do Utopia 56.

Sue Jex, chefe de operações para o Reino Unido da organização de apoio a refugiados Care4Calais, também manifestou sua preocupação com a situação dos refugiados após a ordem da prefeitura. "Estamos consternados com a proibição de distribuir alimentos aos refugiados em Calais, que priva as pessoas mais vulneráveis - incluindo os menores não acompanhados - do direito humano básico à alimentação".

“Refugiados fugindo da violência impensável em casa continuam chegando em Calais todos os dias, desesperados por comida e abrigo, mas forçados a viver em condições desumanas”, criticou. “Apelamos às pessoas em posições de autoridade para revogarem a proibição de distribuição de alimentos e agirem agora para garantir a vida dos refugiados urgentemente”, afirmou Jex.

As organizações Utopia 56 e L’Auberge des Migrants distribuíram 200 refeições na noite de quinta-feira, ignorando o decreto. Segundo Renke Meuwese, voluntário dos grupos Refugee Community Kitchen e Help Refugees, são feitas em torno de 400 refeições por dia para os refugiados, um aumento de 50 refeições em relação ao mês passado.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas