Pesquisador italiano encontra crítica à Igreja escondida em quadro de Leonardo da Vinci

Cachorro acorrentado na obra "A Virgem das Rochas" "é o ato de acusação de Leonardo da Vinci contra a corrupção da época", diz especialista Silvano Vinceti

Atualizada às 12h35

Um famoso quadro religioso do gênio italiano Leonardo da Vinci mostra, de maneira muito sutil e até oculta, o perfil de um cachorro acorrentado que, para o pintor, era uma crítica ferrenha ao Papa e à Igreja Católica da época (fim do século e começo 15 do 16).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o especialista italiano Silvano Vinceti, presidente do Comitê Nacional para a Valorização de Bens Históricos do país, o simbólico detalhe foi encontrado no quadro "A Virgem das Rochas", que atualmente se encontra no Museu do Louvre, em Paris. A descoberta, no entanto, gerou polêmica entre especialistas.

"Aquele cachorro é o ato de acusação de Leonardo da Vinci contra a corrupção da época", disse Vincenti, que explicou que a conclusão do significado do animal foi tirada dos conceitos do próprio artista no seu "Tratado da Pintura".

"Para Leonardo, o cão tem um significado preciso, o de 'não desobedecer', como ele mesmo escreve em um dos seus manuscritos. A corrente, então, é algo agregado por que representava no ambiente das caças medievais e renascentistas o instrumento que permitia que o senhor feudal evitasse que os cachorros comessem sua presa", afirmou o especialista.

Wikimedia Commons

Pesquisador afirma que há um cachorro por trás da pintura - onde está o círuclo vermelho, na imagem

Presidente do Conselho Europeu defende ideia de fechar rota migratória no Mediterrâneo

Para onde vão as moedas jogadas na Fontana di Trevi, em Roma?

PIB da Itália tem maior crescimento desde 2010

 

Vinceti diz que, "para Leonardo, o cão acorrentado é o símbolo do homem que deve obedecer a Deus, aos mandamentos divinos, a Jesus e à vida que Jesus encarnou perfeitamente para expressar o amor cristão".

Além disso, o italiano também afirmou que a inesperada descoberta foi realizada por um dos investigadores do Comitê, Roberto Biggi, e explicou como ela foi feita.

"Chegamos a esse resultado com um trabalho novo, através do uso misto das tecnologias mais avançadas e dos instrumentos simples: uma lente de aumento especial que nos permitiu reexaminar com atenção cada detalhe da pintura e depois um photoshop avançado, com um software que permite sobreposições, decomposições e recomposições", disse Vinceti.

Polêmica

Ao site il24ore, o diretor do Museu da Vinci Ideale, Alessandro Vezzosi, afirmou que considera que a descoberta, na verdade, é uma falsificação. Ele criticou os esboços que mostram uma imagem do cachorro.  "Eu soube imediatamente - acrescenta o estudioso - que certamente não é um autêntico Leonardo o desenho dos três cães e a escrita para trás. Certamente é uma manipulação moderna", disse.

(*) Com ANSA

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias