Holanda decide contar votos à mão nas eleições de 15 de março por medo de hackers

Holandeses sempre votaram em cédulas de papel, mas contabilização é feita eletronicamente desde 2007; agora, totalização será na mão - e governo afirma que isso não vai afetar a velocidade da apuração

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O governo da Holanda anunciou que vai fazer a totalização dos votos das eleições do próximo dia 15 de março no papel, dispensando o uso de computadores na apuração. A intenção é evitar possíveis ataques de hackers na contabilidade dos votos.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Relatos, nos últimos dias, sobre vulnerabilidades nos nossos sistemas levantam a questão sobre se os resultados poderiam ser manipulados. Nenhuma sombra de dúvida pode ser permitida”, disse o ministro do Interior, Ronald Plasterk, em um comunicado divulgado no começo do mês.

Os holandeses sempre votaram em cédulas de papel, mas a contabilização é feita eletronicamente desde 2007. O que muda, agora, é que a totalização será na mão – e o governo afirma que isso não vai afetar a velocidade da apuração.

Wikimedia Commons

Holanda vai apurar votos de maneira manual, anuncia governo

Holanda: líder da extrema-direita Geert Wilders é condenado por discriminação

Em resposta a decreto de Trump, Holanda prepara fundo internacional para financiar acesso ao aborto pelo mundo

Mais de 40 países se unem para criar fundo internacional de aborto seguro

 

Segundo a Reuters, citando a emissora RTL, o software responsável pela totalização foi distribuído em CD-ROMs e acabou sendo instalado em antigos computadores que já haviam sido conectados à internet em algum momento. Isso, afirma a emissora, se configura uma falha de segurança, já que não se sabe se estas máquinas contêm programas maliciosos.

Plasterk disse à RTL que teme interferências da Rússia, aos moldes do que o país é acusado – mesmo negando - de ter feito nas eleições dos EUA. “Agora, há indicativos de que os russos podem estar interessados. Para as próximas eleições, deveremos retornar ao bom e velho papel e caneta”, afirmou.

A eleição da semana que vem será o primeiro teste para a extrema-direita europeia pós-eleição de Donald Trump. O partido do xenófobo e anti-EU Geert Wilders lidera as sondagens, mas não deve alcançar maioria absoluta no Parlamento.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias