Facebook inicia sinalização de 'fake news' nos EUA

Marcação de notícias falsas é feita com uma pequena etiqueta vermelha acompanhada da mensagem 'contestada' e de um sinal de alerta, que explica quais são as organizações que contestam a veracidade da notícia

Após anunciar o lançamento de uma medida para combater a publicação de notícias falsas em dezembro do ano passado, o Facebook começou a sinalizar as "fake news" que circulam na rede social dos usuários norte-americanos.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


A marcação é feita através de uma pequena etiqueta vermelha acompanhada da mensagem "contestada" e de um sinal de perigo (triângulo com um ponto de exclamação em seu interior), que explica quais são as organizações que contestam a veracidade da notícia.

A primeira notificação foi realizada com uma notícia falsa envolvendo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que informava que o Android do magnata foi o responsável por vazamentos de informação da Casa Branca.

chriscorneshi / Flickr CC

Facebook começou a sinalizar as "fake news" que circulam na rede social dos usuários norte-americanos

Em meio a crise com imprensa, Trump anuncia que não irá a jantar anual com jornalistas da Casa Branca

'Trump é o partido Republicano de porre', afirmou Aloysio Nunes, novo chanceler, após vitória de magnata nos EUA

Deputado mexicano escala muro na fronteira com EUA para provar que plano de Trump é 'absurdo'; veja vídeo

 

Segundo a publicação, o magnata usa um smartphone, galaxy S3, lançado em 2012 que não recebe mais atualizações de segurança. A matéria foi divulgada pelo The Seattle Tribune no dia 26 de fevereiro, conhecido por ser um jornal sátirico. No entanto, segundo o site de análises de conteúdos jornalísticos Recode, durante cinco dias não houve nenhuma contestação.

Atualmente a notícia possui mais de 81 mil curtidas, compartilhamentos e comentários. A primeira contestação foi realizada pelo site Snopes apenas no dia 2 de março.

O plano para combater notícias falsas teve origem após a empresa de Mark Zuckerberg receber uma sequência de acusações de que a disseminação das notícias falsas interferiram no resultado das eleições norte-americanas.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas