Dilma Rousseff: A luta das mulheres

Brasileiras têm muito a perder com o desmonte das políticas sociais que retiraram milhões da miséria e da pobreza

Importantes pensadores contemporâneos, como Manuel Castells, afirmaram que a ação contestatória das mulheres quanto à ordem no mundo – o processo de elaboração do conhecimento, a hierarquia de saberes, a organização econômica, o valor do trabalho e a falsa dicotomia entre público e privado –constitui o aspecto marcante das últimas décadas, com reflexos no atual milênio. Castells compara essa ação contestatória à revolução provocada pela descoberta de certos fármacos que mudaram a história das doenças, ou à própria informática e o mundo digital.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A complexidade deste fenômeno, segundo a socióloga peruana Virginia Vargas Valente, pode ser resumida tanto pelo que classifica como a “tensa, conflitiva e inevitável relação entre sociedade civil e Estado”, quanto pela ação dos movimentos sociais no processo de construção da cidadania feminina na América Latina. Uma região do mundo, como sabemos, entre as mais desiguais na distribuição de renda e onde as demandas por direitos marcaram intensamente as lutas democráticas. Paradoxalmente também, foi aqui que o modelo neoliberal sofreu resistências na sua implantação, a partir da eleição de vários governos de esquerda, como os nossos, que atuaram pra reduzir desigualdades, garantir direitos, afirmar a soberania nacional e o primado de relações internacionais multilaterais.

No Brasil, a luta de resistência democrática  e a ruptura com o regime ditatorial trouxe demandas por igualdade de direitos e oportunidades, tendo a presença feminina sido protagonista e atuante nos momentos cruciais. Também ali, as mulheres aprenderam as lições da cidadania.

No processo da Assembleia Constituinte de 1988, criaram formas de organização e uma agenda direcionada à sociedade e ao poder. E passaram a se perguntar também que Estado, que igualdade almejavam? Após séculos de tradições patriarcais, da demora no direito de voto, do acesso dificultado à educação, dos resquícios do escravismo nas relações raciais e da violência como principal forma de controle, o desejo de mudança represado se expressou claramente com as mulheres participando e colocando suas demandas:

Anistia! Diretas!

Sem as mulheres, os direitos não são humanos!    

Alguns desses muitos gritos de inclusão na cidadania e na democracia nasceram da participação das mulheres.

Em minha trajetória política, que me levou a dois mandatos na Presidência da República, cargo do qual fui afastada por um golpe parlamentar, sem crime de responsabilidade, sempre acreditei que as mulheres são fortes. O que tenta impedir a expressão de sua fortaleza são sistemas de poder de raízes patriarcais, racistas e elitistas de nossa história que se revelam, concretamente, na vida social.

O nosso passado escravista continua a desvalorizar o trabalho feminino, resultando na persistência da falsa dicotomia entre um mundo público e outro privado, distanciando-nos do poder político.

Fernando Frazão/Agência Brasil

Mobilização feminina precisa ser contínua

Minha eleição, assim como aquelas de Michelle Bachelet e Cristina Kirchner, em países vizinhos, passaram uma nova mensagem: a de que as mulheres podem chegar à condução dos destinos dos países, embora nossos desempenhos sejam avaliados tendo por base preconceitos, discriminações, misoginia.

Escutamos, por outro lado, a mensagem das mulheres, em nosso apoio, e o alerta de que “o ataque pessoal é um ataque político”. Há um campo simbólico minado pelas concepções machistas e o Estado é permeado por elas.

Hoje, mais do que nunca, as brasileiras têm muito a perder quando se inicia o desmonte de todas as políticas sociais que retiraram milhões da miséria e da pobreza. Quando se ameaçam todos e todas com a redução de direitos trabalhistas e previdenciários.

Após 2003, erigiu-se em nosso País, com a crescente participação feminina, a mais ampla política para equidade de gênero, com interseções de raça e etnia, reconhecendo a diversidade entre as mulheres.

O significado da greve das mulheres neste 8 de março

Por que paramos: Opera Mundi participa da greve internacional de mulheres no dia 8 de março

Mulheres de todo o mundo entram em greve neste 8 de março contra machismo e violência de gênero

 

Em meus governos e do presidente Lula expressamos a compreensão sobre o caráter estrutural das desigualdades e a necessidade de abordá-las em profundidade. O aumento da violência e do feminicídio, assassinato de mulheres por serem mulheres, foram encarados como um grave problema de toda a sociedade e algo com o qual não se pode conviver.

As leis Maria da Penha e do Feminicídio botaram o dedo nesta ferida. No Brasil, registram-se quinze feminicídios ao dia, e mais de 130 mil estupros ao ano. Foi necessário responder à altura com novas leis para tipificação da violência doméstica como crime, do feminicídio como crime hediondo, da obrigatoriedade de atender vítimas de estupros.

Os programas que erigimos nos permitiram dimensionar o problema e relacioná-los com outros fatores estruturais. Pois, na medida em que diminuem os crimes contra mulheres brancas, aumentam entre as mulheres negras. Esse imenso e secular peso da discriminação racial no acesso aos bens e serviços e à cidadania.

A Conferência sobre a Mulher, Desenvolvimento e Paz, realizada na China, em 1995, reafirmada em todas as outras instâncias das Nações Unidas, alertou sobre a impossibilidade de transformar o mundo sem o protagonismo das mulheres na construção e no usufruto das riquezas. Tornou-se célebre a frase “a pobreza no mundo tem a cara de mulher”, em Beijing.

Gênero, raça, classe, como tem dito a norte-americana Angela Davis ao convocar as grandes marchas contra o projeto de Donald Trump e aliados, constituem um só divisor no acesso ao que amplamente se pode chamar de poder – poder de falar, de comer, de trabalhar, de decidir, de viver a vida com liberdade e autonomia.

O Brasil deu um salto, ao longo dos últimos anos, com respostas em várias dimensões. Além do programa Mulher Viver sem Violência, que estabeleceu a implantação das Casas da Mulher Brasileira e uma ampla rede de atendimento, assumiu a necessidade de focar nas mulheres as políticas distributivas de renda, a criação de oportunidades e a melhora da qualidade de vida.

Em abril de 2016, quando os golpistas me tiraram do governo, podíamos comemorar que 36 milhões de brasileiras e brasileiros transpuseram a linha da extrema pobreza no tocante à renda, que 54% eram mulheres, 78% negros. No Bolsa Família, as mulheres representavam 97% da titularidade, num universo de 14 milhões de famílias, ou seja,  56 milhões, ou um quarto da população do País.  No Minha Casa Minha Vida, as mulheres possuíam a garantia de titularidade da propriedade da casa.

Esse empoderamento, entretanto, ainda não foi capaz de quebrar a carga de preconceito e exclusão que mantém as mulheres de todo o mundo como minoria nos espaços de poder e decisão.

Fortalecer, empoderar e dar dignidade se tornou o objetivo fundamental do trabalho para trazer as mulheres à cidadania.  A política de autonomia econômica das trabalhadoras urbanas e rurais pode ser simbolizada pela PEC das Trabalhadoras Domésticas, segmento que ainda vive sob o signo da desigualdade.

O Pronatec atraiu mais 5,5 milhões de mulheres para formação profissional, cerca de 59% dos inscritos. No campo, a documentação civil deixou de ser privilégio masculino. O Plano Safra entre 2014 e 2015 foi firmado por 557 mil mulheres. Cerca de 90% das casas de beneficiados da faixa de menor renda do MCMV também estão em nome delas, assim como 94% das cisternas instaladas pelo meu governo no semiárido nordestino. O incentivo às jovens no programa Ciência Sem Fronteira resulta numa geração de novas potenciais cientistas.

Essa tendência se manteve enquanto a crise internacional não bateu às nossas portas e agora, segundo o Banco Mundial, ameaça com retrocesso e empobrecimento, graças ao efeito devastador da crise política criada pelos golpistas sobre o projeto soberano e por mais igualdade que desenvolvemos.

Neste momento em que trabalhamos para evidenciar o golpe parlamentar ocorrido no Brasil, estão nítidos os contornos do projeto que eu defendo e o que eles operam. Há um fosso profundo que só a democracia será capaz de solucionar, pois como eu tenho dito sempre às mulheres, a democracia é nosso lado da história, o lado certo.

E vamos lutar por isso.

* Ex-presidenta da República. Texto publicado originalmente em Carta Capital

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô